You are here

Indecisos: Porque fiz uma viragem de 180 graus e voto em Hilllary

Se ainda está indeciso hoje, eis um pensamento: se quer "mudança", e todos queremos, então tem de haver um agente dessa mudança que conheça o sistema e tenha os contactos para criá-la. Talvez as ideias que me levaram a fazer uma viragem de 180 graus e a apoiar Hillary Clinton sejam úteis.

Por Stuart O'Neill

Por que passei de uma mudança momentânea para outra de 180 graus? Desde que me dedico a Política Prática, a minha primeira preocupação numa eleição é ganhar.

Quem quer que escolhamos como candidato democrata será atacado sempre pelo Partido Republicano, pelo seu candidato e pelo entorno político republicano como se tivesse uma bagagem malcheirosa e enlameada. Estas organizações "independentes" que rodeiam o Partido Republicano têm um único objectivo: atacar sem descanso, das formas mais sujas possíveis, o candidato democrata. Nunca haverá um candidato suficientemente "limpo" para ser isento dos seus ataques.

Quem, então, comecei a pensar, terá melhores condições para lidar com estes contínuos e cruéis ataques que o outro lado vai desferir? Quem melhor pode enfrentá-los?

Hillary Clinton, como ela mesmo diz, tem sido alvo destes ataques há 15 anos ou mais. Teve questionado o patriotismo, a sexualidade, foi acusada de ser uma assassina, foi acusada de muito mais e apesar disso ainda está à frente da nomeação do candidato democrata.

Ela é mais dura que couro de bota, ao mesmo tempo que tem um lado humano. Estas são as qualidades que o nosso candidato precisa. Hillary Clinton desenvolveu pele grossa e a capacidade de manter a calma no combate da campanha. Além disso, também sabe ouvir o povo americano.

Qualificações? Ela é uma bem sucedida e liberal senadora dos EUA. Ganhou uma eleição para o senado que não foi nada limpa, disputando e fazendo campanha em lugares não tradicionais de Nova York. Foi às áreas conservadoras do Norte rural e ganhou-as com políticas inteligentes, conversa substantiva e o facto de que sabia ouvir! Nos lugares mais improváveis, ganhou com 67% dos votos. E foi reeleita em 2006.

Gosto de ver que ela se concentra na política e não nos constantes ataques pessoais quando fala, mas também gosto de ver que ela também gasta tempo a ouvir quando está em campanha. (Posso testemunhar que é muito pouco habitual ter-se um candidato suficientemente disciplinado para forçar-se a ouvir os outros, quando seria muito mais fácil precipitar-se para o evento seguinte.)

Estou convencido que Hillary é forte onde outros, incluindo Barack Obama, seriam fracos e inexperientes. Ela vai combater a máquina suja do outro lado, com vigor e calma. Ela sabe como manobrá-los.

Ela é uma guerreira. Este termo é raras vezes empregado numa mulher. Mas ser guerreira é o que ela tem sido desde a experiência no staff do comité Watergate, durante vários mandatos como primeira-dama do Arkansas, trabalhando pela igualdade de direitos para os trabalhadores e as mulheres e durante os anos de Primeira Dama dos EUA viajando pelo mundo. Ela aprendeu em primeira mão nessas viagens as questões internacionais e as realidades. Hillary Clinton fez contactos pessoais que serão tão valiosos na Casa Branca. Ela combateu consistentemente pelos fracos e pelo povo americano. Ela foi uma guerreira sem ninguém ter usado o termo.

Hillary Clinton sabe formar coligações no Capitólio para cumprir a tarefa! Ela tem essa "má" palavra neste ciclo eleitoral: "experiência". JFK, talvez um dos mais inspirados oradores do seu tempo, teve a experiência de oito anos no senado e foi uma vez candidato a vide-presidente em 1956. Conhecia o governo por dentro.

JFK não era um outsider que condenava o sistema e todos os que estavam nele. Quem queira mudança no governo, tem de aprender primeiro como operar por dentro, de forma a mudar as políticas e as leis. Aprendemos isto o tempo todo com JFK e Bill Clinton.

Hillary Clinton, para usar as suas palavras, e para minha grande surpresa, "é a minha miúda". Vou votar nela agora e nas eleições gerais.

5/2/2008

Stuart O'Neill é colaborador do The Democratic Daily

(...)

Resto dossier

Clinton versus Obama

A superterça-feira das primárias dos EUA resolveu a disputa do lado republicano, mas acirrou ainda mais o confronto do lado democrata. Hillary Clinton e Barack Obama saíram do dia 5 de Fevereiro ainda mais empatados do que estavam, com a perspectiva de uma disputa delegado a delegado até à Convenção do Partido Democrata. Mas o que defendem eles realmente? O que os une e o que os separa? Que argumentos esgrimem os seus defensores?

Indecisos: Porque fiz uma viragem de 180 graus e voto em Hilllary

Se ainda está indeciso hoje, eis um pensamento: se quer "mudança", e todos queremos, então tem de haver um agente dessa mudança que conheça o sistema e tenha os contactos para criá-la. Talvez as ideias que me levaram a fazer uma viragem de 180 graus e a apoiar Hillary Clinton sejam úteis.

Superdelegados, mas não muito

As primárias americanas do lado dos democratas encaminham-se para a disputa mais renhida desde 1984. As campanhas de Hillary Clinton e de Barack Obama preparam-se para uma batalha de delegados. Se a corrida se decidir por uma unha negra, um contingente de elite de superdelegados - membros do partido sem compromisso e dirigentes eleitos que não são escolhidos pelos votantes nas primárias - pode desempenhar um papel determinante, muito embora a maior parte dos eleitores não saibam da sua existência. Mas como pode o Partido Democrata ser, neste contexto, não democrático?

Gaza e os candidatos presidenciais nos EUA

No momento em que as notícias sobre Gaza tomam as manchetes internacionais, a Democracy Now! foi ver que posições assumem os candidatos presidenciais republicanos e democratas acerca do conflito israelo-palestiniano e falou com Ali Abunimah, co-fundador do site Electronic Intifada em 24 de Janeiro.

Os democratas propõem a paz?

Empurrados por sentimentos fortes dos eleitores, os principais candidatos democratas falam todos em acabar com a guerra do Iraque, e as eleições presidenciais de Novembro parecem encaminhar-se para um ajuste de contas com um republicano comprometido com a guerra e a ocupação a longo prazo.
Mas as coisas não se passam necessariamente assim.

Saúde: Clinton e Obama ignoram a questão chave

Nada do que é proposto pelos principais candidatos de ambos os partidos pode acabar com as frequentes histórias de horror das companhias seguradoras que negam os cuidados necessários, o acesso a especialistas ou a diagnósticos, mesmo quando prescritos por um médico.

A dança macabra da democracia ao estilo EUA

O ex-presidente da Tanzânia Julius Nyerere perguntou uma vez: "Por quer não temos todos direito de voto nas eleições americanas? Toda a gente que tem um aparelho de TV certamente merece esse direito, só por sofrer o bombardeamento cruel a cada quatro anos." Como cobri quatro campanhas eleitorais para a presidência, dos Kennedys a Nixon, de Carter a Reagan, com os seus Zepellins de superficialidades, seguidores robotizados e esposas deslumbradas, posso simpatizar com esta ideia.

Obama é o mais talentoso dos políticos de que há memória recente

Christopher Hayes, da histórica revista de esquerda americana The Nation, defende neste artigo que os progressistas americanos estão diante da rara e histórica oportunidade de eleger um presidente com uma maioria progressista e um mandato para uma mudança progressista. Para ele, quem melhor pode desempenhar esse papel é Barack Obama.