You are here

Como impedir o declínio, por Joseph Stiglitz

A economia americana encaminha-se para um importante arrefecimento. Se é uma recessão (dois quadrimestres de crescimento negativo) é menos importante do que o facto de a economia ir funcionar muito abaixo do seu potencial, e o desemprego ir crescer. O país precisa de estímulos, mas tudo o que fizermos vai aumentar o nosso altíssimo défice, por isso é importante o máximo de valor possível por cada medida. O pacote óptimo conteria uma medida de efeito rápido, junto com outras que poderiam levar a mais gastos se - e apenas se - a economia entrar num arrefecimento profundo.

Por JOSEPH E. STIGLITZ

Devíamos começar por reforçar o sistema de seguro-desemprego, porque o dinheiro recebido pelos desempregados será gasto imediatamente.

O governo federal deveria também dar alguma assistência aos estados e aos municípios, que já estão a sentir o aperto, à medida em que caem os valores das propriedades. Normalmente, reagem com cortes nos gastos, o que provoca uma desestabilização automática. A assistência federal deveria vir na forma de apoios à reconstrução das infra-estruturas mais importantes.

Mais apoio federal para os orçamentos de educação dos estados também reforçaria a economia no curto prazo e promoveria o crescimento no longo prazo. O mesmo acontece com os gastos na promoção da conservação de energia e da redução de emissões [de carbono]. Pode demorar algum tempo para pôr de pé estes programas, mas este arrefecimento parece que vai demorar mais do que outras quedas recentes. Os preços das casas têm um longo caminho de queda até regressarem a níveis mais normais, e se os americanos começarem a poupar mais do que antes, o consumo pode permanecer baixo por algum tempo. A administração Bush há muito que acha que os cortes de impostos (especialmente cortes permanentes de impostos para os ricos) são a solução de todos os problemas. Isto é um erro. As reduções de impostos perpetuam em geral o consumo excessivo que tem marcado a economia americana. Mas os americanos de médio - e baixo - rendimento têm sofrido nos últimos sete anos - as famílias de médio rendimento estão pior hoje do que em 2000. Faz sentido uma redução de impostos dirigida aos lares de baixo - e médio - rendimento, especialmente porque teria um efeito muito rápido.

Alguma coisa devia ser feita em relação às execuções das hipotecas, e estimularia a economia uma legislação apropriada que permitisse que as vítimas de empréstimos predatórios pudessem ficar nas suas casas. Mas não devíamos gastar demasiado com isto. Se o fizermos, acabaremos por safar os investidores, e não são eles que precisam da ajuda dos contribuintes.

Em 2001, a administração Bush usou a ameaça da recessão como desculpa para reduzir os impostos dos americanos de mais altos rendimentos - o mesmo grupo que se deu tão bem no último quarto de século. Os cortes não tinham a intenção de estimular a economia, e fizeram-no apenas de forma limitada. Para manter a economia andando, a Reserva Federal foi forçada a baixar as taxas de juros a um nível sem precedentes e depois olhar para o outro lado quando a América se envolveu em empréstimos irresponsáveis. A economia estava sustentada em dinheiro emprestado e tempo emprestado.

Chegou o dia do ajuste de contas. Desta vez precisamos de estímulos que estimulem. A questão é saber se o presidente e o Congresso vão pôr a política de lado e deitar mãos à obra.

Joseph E. Stiglitz é professor de economia na Universidade de Columbia e autor, mais recentemente, de "Making Globalization Work". Recebeu o Prémio Nobel da Economia em 2001. Publicado originalmente no The New York Times , em 23/1/2008

Tradução de Luis Leiria

(...)

Resto dossier

Dossier Crise Financeira Mundial

Depois da última "Segunda Feira negra", as bolsas continuam em queda um pouco por todo o mundo, em mais um episódio da crise financeira. Nos EUA, a recessão faz-se já sentir duramente. Só na cidade de Los Angeles, em cada hora que passa mais uma família fica sem casa.

Protesto em Nova Iorque exige congelamento dos despejos

Nos EUA, muitos milhares de pessoas estão a ser despejadas das suas casas, por falta de pagamento das prestações dos empréstimos, que cresceram brutalmente. Neste vídeo um protesto em Nova Iorque, onde intervém o reverendo Jesse Jackson.

Queda das bolsas internacionais: aconteceu o que tinha que acontecer

O dia 21 de Janeiro de 2008 converteu-se noutra Segunda feira negra das bolsas internacionais.
A queda é espectacular: o valor em bolsa das 35 maiores empresas espanholas caiu 101 mil milhões de euros em 14 dias, quase 20% da sua cotização. Nas bolsas asiáticas perdeu-se ontem entre 5 e 7% dos valores, no México 5%... e hoje virá Nova Iorque, enquanto seguramente continuarão a cair todas as outras.

Quando os EUA espirram o resto do mundo constipa-se

A assustadora queda livre dos últimos dias nos mercados accionistas dos EUA e globais não é surpresa para os leitores do meu blogue, porque vinha sendo analisada e prevista desde há já algum tempo. O colapso dos mercados de acções na segunda-feira 21 de Janeiro não é apenas um episódio de contágio do mercado accionista dos EUA relativamente aos outros mercados accionistas.

EUA: A maior bancarrota dos negros na história

Martin Luther King, o lendário activista pelos direitos civis nos Estados Unidos na década de 60, revirar-se-ia no túmulo. O sistema financeiro esvaziou os bolsos das minorias raciais como ninguém havia feito na história moderna daquele país, segundo um estudo independente do não-governamental Unidos por uma Economia Justa (Ufe).

As raízes da crise

A crise imobiliária está a caminho de se transformar em crise bancária e em crise simplesmente. Os bancos fabricaram caixinhas surpresa (a titularização) colocando lá créditos duvidosos e particularmente as dívidas das famílias americanas pobres (os subprimes), burladas por contratos enganadores. A sua falência provocou uma perda de confiança generalizada sobre o valor destes títulos, dos quais ninguém conhece verdadeiramente a composição. Tudo isto é evidentemente o resultado da avidez inextinguível de uma finança desenfreada.

Os fundos emergentes que ganham com a crise e geram paranóia

A crise financeira dos Estados Unidos converteu-se numa grande oportunidade para os Fundos soberanos (Sovereign Wealth Funds), fundos estatais através dos quais os países petrolíferos e asiáticos começaram a comprar bancos com problemas. Nos últimos meses, China, Singapura, Arábia Saudita, Emiratos Árabes, Kuwait e Qatar utilizaram este instrumento financeiro para ficar com acções de entidades líderes como Merrill Lynch, Citigroup, Morgan Stanley, Bear Stearns y UBS.

China vê oportunidades na recessão dos EUA

Especialistas chineses continuam a inquietar-se diante dos cenários de pesadelo que uma iminente recessão económica nos Estados Unidos pode trazer à pujante economia chinesa. Mas alguns começam a achar que há males que vêm por bem.

Como impedir o declínio, por Joseph Stiglitz

A economia americana encaminha-se para um importante arrefecimento. Se é uma recessão (dois quadrimestres de crescimento negativo) é menos importante do que o facto de a economia ir funcionar muito abaixo do seu potencial, e o desemprego ir crescer. O país precisa de estímulos, mas tudo o que fizermos vai aumentar o nosso altíssimo défice, por isso é importante o máximo de valor possível por cada medida. O pacote óptimo conteria uma medida de efeito rápido, junto com outras que poderiam levar a mais gastos se - e apenas se - a economia entrar num arrefecimento profundo.

Nem o Pai Natal salva os mercados financeiros, por Francisco Louçã

É muito raro, mas os principais comentadores dos mercados financeiros internacionais parecem estar de acordo quanto a um prognóstico para 2008: está a chegar uma recessão nos Estados Unidos. Pior ainda, esta recessão irá ter como efeito a conjugação de recessões simultâneas nos Estados Unidos como na Europa, como no Japão e nos mercados asiáticos.