You are here

China vê oportunidades na recessão dos EUA

Especialistas chineses continuam a inquietar-se diante dos cenários de pesadelo que uma iminente recessão económica nos Estados Unidos pode trazer à pujante economia chinesa. Mas alguns começam a achar que há males que vêm por bem.

Por Antoaneta Bezlova, de Pequim, para a IPS

"Se não fosse a crise das hipotecas subprime, a China não poderia sonhar em investir em instituições financeiras de topo de Wall Street", escreveu o consultor jurídico Zhu Yiwei num artigo de opinião no Southern Weekend da semana passada. "Mas agora que a China comprou dez por cento do Morgan Stanley, há esperança de, através da construção de uma rede de contactos pessoais em Wall Street, podermos trabalhar para reduzir os diferendos comerciais entre os dois países."

De facto, a entrada de cinco mil milhões de dólares no gigante Morgan Stanley, em Dezembro, para ajudar a reconstruir a sua base de capital, tem sido apontada por alguns especialistas como uma rota de sucesso para a fortaleza de Wall Street, que devia ser usada por Pequim para adquirir mais poder de influência sobre as opiniões dos bastidores políticos dos EUA.

O investimento no Morgan Stanley é o último de uma série de importantes negócios no exterior concretizados pelo novo fundo soberano (sovereign wealth fund) de 200 mil milhões - o China Investment Corporation (CIC) -, desde a sua criação em Maio. Tanto o seu nascimento quanto as suas actividades criaram um burburinho nos mercados financeiros globais, antecipando que uma considerável soma seria canalizada para os activos globais.

Mas o fundo também provocou irritação política nalguns países, por medo de que os seus administradores possam explorar a abertura dos países desenvolvidos ao capital internacional para procurar o domínio estratégico de recursos-chave e de infra-estruturas, e favorecer os objectivos nacionais da sua política externa.

O fundo de investimento da China é apenas o último a chegar ao meio dos fundos soberanos que proliferaram nos últimos anos em países produtores de petróleo, ou em países que formaram grandes reservas em divisas devido ao crescimento das suas exportações. Estes fundos controlam actualmente entre dois a três biliões de dólares americanos, mas especialistas prevêem que os seus activos poderão chegar a mais de 10 biliões de dólares dentro de uma década.

Temores de que esses activos sejam usados para tomar importantes indústrias domésticas nos EUA e na Europa levaram os governos das nações do G7 a pedir regras claras em relação aos fundos soberanos. O Fundo Monetário Internacional foi também chamado a ajudar a desenhar códigos de conduta para eles.

Na China, a reacção a esses temores foi por vezes de um imperturbável nacionalismo.

"O excessivo interesse no China Investment Corp. é um reflexo do crescimento da competição global entre as principais potências mundiais", disse um recente editorial do China Times.

"É inútil que uma instituição de investimento de um país como a China tente esconder as suas aspirações, pretendendo que os seus objectivos são inteiramente de mercado. O CIC é um fundo soberano de uma grande potência, e deveria usar os mecanismos de mercado disponíveis para preencher as necessidades estratégicas do país", prosseguiu o artigo. "Compras de activos estratégicos estrangeiros e de muito necessários recursos deveriam estar no primeiro lugar da sua agenda."

Ironicamente, estas opiniões apareceram num momento em que os líderes chineses se esforçam por enfatizar a independência política do novo veículo de investimento do país.

"Esta companhia de investimentos é inteiramente comercial", disse o primeiro-ministro Wen Jiabao na conferência de imprensa conjunta, durante a visita ao primeiro-ministro britânico Gordon Brown.

As actividades externas "não devem ser politizadas", disse Wen, acrescentando: "O governo não se intromete."

Os políticos chineses lembram-se bem das dificuldades encontradas nos Estados Unidos pela terceira maior petrolífera estatal, a Chinese National Offshore Oil Corporation, quando tentou adquirir a companhia de energia da Califórnia Unocal em 2005. A reacção negativa que se seguiu mostrou as suspeitas e as barreiras que esperam outras potenciais tentativas chinesas de adquirir grandes companhias nos principais países desenvolvidos.

No entanto, tem sido difícil resistir às oportunidades que surgem devido ao afundamento das fortunas financeiras americanas. Grandes perdas de maus empréstimos ligados ao combalido mercado de habitação forçaram os principais bancos de investimentos, como o Merril Lynch e o Citigroup Inc., a pedir ajuda aos investidores externos em lugares tão longínquos como a China, a Coreia, Singapura e Arábia Saudita.

Depois de investir no Morgan Stanley em Dezembro, Pequim finalmente decidiu na semana passada rejeitar uma proposta multimilionária de investimento no Citigroup Inc. pelo banco estatal China Development Bank, suscitando especulações de que os líderes chineses decidiram manter um perfil baixo para os seus alvos de investimento. Nem o China Development Bank nem o Citigroup Inc. fizeram comentários sobre os motivos que estão por trás desta rejeição de um plano que esteve a ser trabalhado durantes semanas.

Alguns especialistas chineses sugerem que a decisão pode ter a ver com a relutância de Pequim de entrar noutro negócio de alto risco, num momento em que surgem críticas públicas de que os anteriores investimentos no Blackstone Group LP e no Barclays PLC correram mal.

"Ainda não vimos o fim da crise do subprime e talvez não seja este o melhor momento para investir em Wall Street", diz Ding Zhijie, professor de finanças da Universidade de Comércio Externo e Economia de Pequim. "O medo é que a competição intensa entre os investidores asiáticos possam empurrar muitos a entrar nesse mercado prematuramente, e pagar um preço alto por isso."

Outros especialistas argumentam que a China devia aproveitar a oportunidade e investir em países em desenvolvimento ricos em recursos e com menos barreiras e regulamentos, comparados com o Ocidente.

"O CIC devia mudar o seu alvo para os mercados emergentes, onde há falta de capital e uma necessidade de atrair investidores estratégicos", diz Zhang Ming, especialista económico da Academia Chinesa de Ciências Sociais. "É uma questão de tempo antes que apareçam lá também sentimentos proteccionistas".

Todos parecem concordar que o estabelecimento do fundo soberano marca apenas o início de um tempo alto para os investimentos chineses no exterior.
Sob a pressão de reduzir o crescente superávit comercial e reduzir as pressões para a apreciação da sua moeda, Pequim relaxou muitas regras sobre investimentos externos, e empresas chinesas e investidores individuais têm gasto muito em aquisições de bens e de acções no exterior.

Cheios de dinheiro devido às recentes flutuações no mercado de acções, os bancos comerciais chineses têm vindo a adquirir posições em bancos estrangeiros para expandir a sua presença internacional. As empresas chinesas, por seu lado, têm sido encorajadas a olhar agressivamente para a compra de fornecimentos de longo prazo de recursos energéticos e de matérias primas.

Se continuar a tendência actual, os investimentos chineses institucionais e privados, na sua totalidade, podem bem exceder os 250 mil milhões de dólares, ou quase o dobro dos 134 mil milhões que a China canalizou para o investimento externo em 2006, disse o Beijing Youth Daily.

Tradução de Luis Leiria

Fundos soberanos (sovereign wealth funds) são fundos controlados pelo Estado que ganharam um peso decisivo recentemente, existindo já em 25 países diferentes. O seu objectivo é semelhante ao da generalidade dos investidores particulares: o de maximizar a rendibilidade a longo prazo de uma carteira diversificada de investimentos, em função de um determinado nível de risco.

(...)

Resto dossier

Dossier Crise Financeira Mundial

Depois da última "Segunda Feira negra", as bolsas continuam em queda um pouco por todo o mundo, em mais um episódio da crise financeira. Nos EUA, a recessão faz-se já sentir duramente. Só na cidade de Los Angeles, em cada hora que passa mais uma família fica sem casa.

Protesto em Nova Iorque exige congelamento dos despejos

Nos EUA, muitos milhares de pessoas estão a ser despejadas das suas casas, por falta de pagamento das prestações dos empréstimos, que cresceram brutalmente. Neste vídeo um protesto em Nova Iorque, onde intervém o reverendo Jesse Jackson.

Quando os EUA espirram o resto do mundo constipa-se

A assustadora queda livre dos últimos dias nos mercados accionistas dos EUA e globais não é surpresa para os leitores do meu blogue, porque vinha sendo analisada e prevista desde há já algum tempo. O colapso dos mercados de acções na segunda-feira 21 de Janeiro não é apenas um episódio de contágio do mercado accionista dos EUA relativamente aos outros mercados accionistas.

EUA: A maior bancarrota dos negros na história

Martin Luther King, o lendário activista pelos direitos civis nos Estados Unidos na década de 60, revirar-se-ia no túmulo. O sistema financeiro esvaziou os bolsos das minorias raciais como ninguém havia feito na história moderna daquele país, segundo um estudo independente do não-governamental Unidos por uma Economia Justa (Ufe).

As raízes da crise

A crise imobiliária está a caminho de se transformar em crise bancária e em crise simplesmente. Os bancos fabricaram caixinhas surpresa (a titularização) colocando lá créditos duvidosos e particularmente as dívidas das famílias americanas pobres (os subprimes), burladas por contratos enganadores. A sua falência provocou uma perda de confiança generalizada sobre o valor destes títulos, dos quais ninguém conhece verdadeiramente a composição. Tudo isto é evidentemente o resultado da avidez inextinguível de uma finança desenfreada.

Os fundos emergentes que ganham com a crise e geram paranóia

A crise financeira dos Estados Unidos converteu-se numa grande oportunidade para os Fundos soberanos (Sovereign Wealth Funds), fundos estatais através dos quais os países petrolíferos e asiáticos começaram a comprar bancos com problemas. Nos últimos meses, China, Singapura, Arábia Saudita, Emiratos Árabes, Kuwait e Qatar utilizaram este instrumento financeiro para ficar com acções de entidades líderes como Merrill Lynch, Citigroup, Morgan Stanley, Bear Stearns y UBS.

China vê oportunidades na recessão dos EUA

Especialistas chineses continuam a inquietar-se diante dos cenários de pesadelo que uma iminente recessão económica nos Estados Unidos pode trazer à pujante economia chinesa. Mas alguns começam a achar que há males que vêm por bem.

Queda das bolsas internacionais: aconteceu o que tinha que acontecer

O dia 21 de Janeiro de 2008 converteu-se noutra Segunda feira negra das bolsas internacionais.
A queda é espectacular: o valor em bolsa das 35 maiores empresas espanholas caiu 101 mil milhões de euros em 14 dias, quase 20% da sua cotização. Nas bolsas asiáticas perdeu-se ontem entre 5 e 7% dos valores, no México 5%... e hoje virá Nova Iorque, enquanto seguramente continuarão a cair todas as outras.

Como impedir o declínio, por Joseph Stiglitz

A economia americana encaminha-se para um importante arrefecimento. Se é uma recessão (dois quadrimestres de crescimento negativo) é menos importante do que o facto de a economia ir funcionar muito abaixo do seu potencial, e o desemprego ir crescer. O país precisa de estímulos, mas tudo o que fizermos vai aumentar o nosso altíssimo défice, por isso é importante o máximo de valor possível por cada medida. O pacote óptimo conteria uma medida de efeito rápido, junto com outras que poderiam levar a mais gastos se - e apenas se - a economia entrar num arrefecimento profundo.

Nem o Pai Natal salva os mercados financeiros, por Francisco Louçã

É muito raro, mas os principais comentadores dos mercados financeiros internacionais parecem estar de acordo quanto a um prognóstico para 2008: está a chegar uma recessão nos Estados Unidos. Pior ainda, esta recessão irá ter como efeito a conjugação de recessões simultâneas nos Estados Unidos como na Europa, como no Japão e nos mercados asiáticos.