You are here

Auto-estrada só para israelitas

Uma estrada de quarto faixas atravessa as colinas perto desta aldeia palestiniana, propiciando aos israelitas uma ligação rápida entre Jerusalém e a área de Telavive. Mas os condutores das aldeias que circundam a estrada não a podem usar, pois está vedada aos veículos palestinianos.

Por Joel Greenberg, em BEIT SIRA, Cisjordânia, para o Chicago Tribune

As estradas que ligam as aldeias à auto-estrada foram bloqueadas pelo exército israelita com barreiras de betão ou cancelas, forçando os residentes a seguir por uma estrada longa e tortuosa para se dirigirem aos hospitais, escolas, lojas e locais de trabalho na cidade palestiniana de Ramallah, a cerca de 15 minutos de distância pela via rápida.

Estes atrasos já foram fatais em algumas emergências médicas, dizem os habitantes.

O bloqueio do tráfego palestiniano na via, conhecida como Estrada 443, foi gradualmente imposto após um levantamento palestiniano em 2000, em resposta a ataques a condutores israelitas.

Em 2002 a via, a cerca de 15 quilómetros da que atravessa a Cisjordânia, foi efectivamente encerrada a veículos palestinianos.

A Estrada 443 é talvez o exemplo mais flagrante dos regimes de trânsito separados que Israel está a instituir na Cisjordânia, onde o trânsito palestiniano está barrado nas principais artérias utilizadas pelos israelitas e colonatos circundantes, ao passo que os condutores palestinianos são empurrados para estradas secundárias inferiores e tortuosas.

O presidente Bush está no Médio Oriente esta semana, para tentar dar um empurrãozinho às negociações de paz israelo-palestinianas, mas a teia de restrições à circulação na Cisjordânia, a violência persistente e uma multidão de outros obstáculos colocam impedimentos inflexíveis a um acordo.

Exército: o objectivo era acabar com os ataques

O exército israelita diz que a separação da circulação na Cisjordânia, posta em prática através de mais de 500 obstáculos e pontos de controlo nas estradas, visa minimizar os riscos para os israelitas que vivem ou circulam no território, bem como evitar ataques na área administrativa israelita.

Mas as restrições cavaram um fosse profundo na Cisjordânia, criando enclaves separados, causando grandes danos ao comércio e liberdade de circulação palestinianos. Há cerca de 2,5 milhões de palestinianos na Cisjordânia e cerca de 260.000 colonos judeus.

Os presidentes de câmara de seis aldeias palestinianas ao longo da Estrada 443, representados pela Associação para os Direitos Civis em Israel, foram até ao Supremo Tribunal Israelita, pelo direito a utilizar a estrada. Contestam e põem em causa a política de separação do exército na Cisjordânia, designando-a de punição colectiva e discriminação ilegal com base na nacionalidade, análoga ao apartheid, tal como definido no direito internacional.

O exército alega que esta diferenciação entre condutores israelitas e palestinianos é legal e que estas medidas têm melhorado a segurança na Estrada 443.

Cerca de 40.000 veículos israelitas circulam diariamente nesta via, a qual está ladeada por vedações, muros e vigias do exército, e tornou-se na estrada de eleição de muitos israelitas que pretendem fugir aos congestionamentos de trânsitos na principal via rápida entre Telavive e Jerusalém.

Numa declaração para o Supremo Tribunal, o Major General Gadi Shamni, comandante de topo do exército na Cisjordânia, disse que a proibição de palestinianos na Estrada 443 é "a principal razão para a diminuição de incidentes terroristas na estrada".

Mas para Ali Abu Safiyeh, o presidente da câmara de Beit Sira, uma povoação de cerca de 3.000 habitantes, a proibição de trânsito palestiniano na Estrada 443 junta o insulto à injúria.

Na década de 80 foi retirada área a Beit Sira e a outras povoações, para a construção da estrada, a qual as autoridades israelitas disseram visar servir todos os residentes naquela área, palestinianos e israelitas.

"Esta estrada foi construída no nosso território. É a nossa estrada, e agora estamos barrados", disse Abu Safiyeh, ao passo que conduzia o seu SUV por uma estreita faixa de asfalto de uma só via, ao longo de uma valeta, atravessando por debaixo da via rápida. Isso e um túnel de duas faixas muito rudimentar são as únicas ligações rodoviárias entre Beit Sira e as aldeias ao longo da estrada e Ramallah.

A estrada para Ramallah é acidentada e ventosa, com pouco mais de uma faixa de largura, que serpenteia entre várias povoações e postos de controlo do exército antes de chegar à cidade. Uma deslocação pode demorar qualquer coisa entre uma hora ou duas, ou mais, dependendo das condições da estrada e as demoras nos postos de controlo, diz Abu Safiyeh, acrescentando que através da via rápida poderia chegar a Ramallah em 13 minutos.

Muitas vezes a Estrada já acarretou consequências fatais, de acordo com um relatório entregue ao tribunal pelos representantes dos presidentes de câmara das povoações.

Em Junho de 2006, Fahmi Ankawi, de 51 anos, residente em Beit Sira, que sofria de uma perturbação cardíaca, entrou em colapso e foi enviada de urgência para Ramallah, tendo chegado ao hospital após viagem que durou uma hora e vinte minutos. Morreu minutos depois, e os médicos disseram que provavelmente teria sobrevivido se tivesse chegado mais cedo, de acordo com o relatório.

Em Agosto último, um rapaz de 9 anos, de uma povoação, Ahmad Ankawi, foi atropelado por um carro, enquanto caminhava pela berma da estrada estreita. Foi levado para o hospital em Ramallah, uma viagem que levou hora e meia. Morreu no caminho e, também neste caso, os médicos disseram que poderia ter sido salvo através de uma evacuação mais rápida, de acordo com o relatório.

Mulheres em trabalho de parto têm dado à luz na estrada para Ramallah, e num caso mencionado no relatório, um recém-nascido morreu. Os incêndios em Beit Sira são frequentemente devastadores porque os bombeiros de Ramallah chegam geralmente demasiado tarde para evitar estragos sérios, refere Abu Safiyeh.

A frustração aumenta nas povoações. Na sexta-feira, um protesto perto da estrada transformou-se em confrontos e apedrejamentos com os soldados israelitas, que usaram gás lacrimogéneo, granadas atordoantes e balas de borracha para dispersar os manifestantes, ferindo várias pessoas, referem os participantes.

O exército respondeu ao recurso judicial do presidente da câmara, oferecendo-se para conceder autorizações de circulação a 80 veículos, a maior parte deles táxis ou carrinhas de transporte público, para circularem na Estrada 443 durante o dia, com acesso através de um único posto de controlo. Os presidentes de câmara rejeitaram a oferta.

'Esta é a nossa estrada'

"Esta é a nossa estrada, e deve estar aberta para todos os veículos, durante o dia e durante a noite", diz Abu Safiyeh. "De forma alguma iremos concordar com isto. Que o tribunal decida."

O exército disse, nas suas alegações perante o tribunal, que as autoridades israelitas estão a construir uma estrada alternativa, ligando as povoações a Ramallah. A estrada alternativa é uma das várias que estão a ser construídas pelos israelitas para ligar as povoações palestinianas isoladas pela barreira de separação que Israel está a construir na Cisjordânia.

Mas a Estrada planeada é mais pequena que a via rápida, e os trabalhos foram recentemente suspensos por razões orçamentais.

Em Tira, uma povoação perto da via rápida, a população esperou, numa tarde recente, por detrás de uma barreira de metal, por viajantes que regressavam de Ramallah. A povoação, que não aderiu ao processo judicial, é a única onde vários residentes e taxistas receberam vistos para usar a Estrada 443. Duas vezes por dia, os soldados abrem o portão por duas horas aos veículos com vistos.

Ahmad Muhammad, de 70 anos, esperou no portão pelo neto que vinha da escola, enquanto veículos israelitas aceleravam na via rápida ali ao pé. Nesse dia, o portão para a povoação manteve-se fechado - castigo, dizem os residentes, pela vandalização do portão, dias antes, por jovens locais.

"Somos como um rebanho de ovelhas", diz Muhammad. "Abre, fecha."

8 de Janeiro de 2008

Tradução de Carla Luís

(...)

Resto dossier

O Futuro da Palestina

Na semana em que o presidente dos EUA, George W. Bush, realiza a sua primeira visita ao Médio Oriente e garante que haverá um acordo de paz até o final do ano, o Esquerda.net preparou um dossier sobre as perspectivas actuais e o futuro da Palestina. O que se pode esperar depois de Annapolis? Como está a vida nos territórios ocupados e particularmente na Gaza cercada? E que solução para o território da Palestina histórica: dois Estados, ou um Estado?

Auto-estrada só para israelitas

Uma estrada de quarto faixas atravessa as colinas perto desta aldeia palestiniana, propiciando aos israelitas uma ligação rápida entre Jerusalém e a área de Telavive. Mas os condutores das aldeias que circundam a estrada não a podem usar, pois está vedada aos veículos palestinianos.

Um apelo de Gaza: acabem o cerco!

Um chocante relatório em primeira-mão acerca das condições de vida na Faixa de Gaza foi apresentado no dia 13 de Dezembro a um grupo de activistas pela paz israelitas. Eles reuniram-se na sede da organização Gush Shalom em Telavive para ouvir o testemunho do Dr. Eyad Sarraj, uma dos poucas pessoas que ainda consegue sair da "maior prisão da terra".

Marwan Barghouti: nada indica que Israel fale a sério sobre acordo

A rede de televisão Al Jazeera entrevistou, por carta, Marwan Barghouti, uma das mais respeitadas vozes da Fatah, a facção do presidente Mahmud Abbas. Barghouti está a cumprir cinco penas de prisão perpétua, mas é apontado como o Nelson Mandela da Palestina e o possível futuro presidente. Na sua opinião, não há nada que indique que Israel fale a sério sobre atingir-se um acordo no próximo ano. Leia mais para ver a reportagem em vídeo, legendada em português.

A democracia, uma ameaça existencial?

Um único Estado na Palestina histórica, baseado na igualdade, é a alternativa mais promissora a um já morto dogma dos dois Estados.

Declaração de Um Estado

A declaração seguinte foi aprovada pelos participantes de uma reunião realizada em Julho de 2007 em Madrid sobre a Solução de Um Estado, e a Conferência de Londres de Novembro de 2007. Ela considera que os esforços para concretizar uma solução de dois estados na Palestina histórica não conseguiram trazer paz e justiça para os povos palestiniano e israelita judeu, e defende uma solução democrática que ofereça uma paz justa, e portanto duradoura num único Estado, cujos princípios são detalhados em seguida.

A culpa é sempre dos palestinianos

Desde a ocupação dos territórios palestinianos em 1967 até aos dias de hoje, os cidadãos palestinianos acusados de crimes de segurança ou de outro tipo são julgados no sistema de tribunais militares israelistas dos Territórios Ocupados. Estes tribunais julgaram mais de 150 mil palestinianos. Outro dado impressionante é que metade dos presos que povoam as prisões israelitas estão nessa condição por decisão de tribunais militares.

As reivindicações palestinianas estiveram ausentes de Annapolis

Entrevista na rádio Democracy Now! da jornalista Amy Goodman ao palestiniano Mustafa Barghouti e ao israelita Daniel Levy sobre os resultados da Conferência de Annapolis, realizada a 28 de Novembro do ano passado.

Socorro! Um cessar-fogo!

O objectivo estratégico de Israel em Gaza é quebrar o Hamas. O método é simples, primitivo mesmo: reforçar o bloqueio por terra, mar e ar, até que a situação da Faixa se torne absolutamente intolerável. Mas mesmo os comandantes israelitas reconhecem que as forças do Hamas estão a consolidar-se. E se o exército israelita invadir Gaza para reconquistá-la, a população irá apoiar os combatentes.

Última chamada para uma Solução de Dois Estados?

O ponto de vista predominante em todo o mundo sobre a forma de resolver politicamente o conflito de dois nacionalismos em Israel/Palestina é a chamada solução de dois estados - isto é, a criação de dois estados, Israel e a Palestina, dentro das fronteiras do antigo Mandato britânico da Palestina. Na verdade, esta posição não tem nada de novo. Pode dizer-se que foi a posição prevalecente em todo o mundo durante a século XX.