You are here

Estudos internacionais confirmam riscos para a saúde

O relatório do Bioinitiative Working Group, um grupo internacional que reúne cientistas, investigadores e profissionais de saúde pública, datado de finais de Agosto, manifesta "sérias preocupações científicas" sobre os limites que actualmente regulam os campos electromagnéticos admissíveis de linhas eléctricas, telemóveis e muitas outras fontes de radiação presentes na vida quotidiana, que considera inadequados para proteger a saúde humana.

Artigo da Lusa de 04/10/07

Os limites de exposição à radiação electromagnética definidos internacionalmente são insuficientes para proteger a saúde humana, concluiu um estudo que relaciona vários casos de leucemia com a proximidade de campos electromagnéticos originados em linhas eléctricas.

Os investigadores apresentam informação detalhada sobre os efeitos nefastos na saúde quando as pessoas estão expostas a radiação electromagnética centenas ou mesmo milhares de vezes abaixo dos limites actualmente estabelecidos pela Comissão de Comunicações Federal (norte-americana) e pelo Comité Internacional europeu para a Protecção de Radiações Não-Ionizantes (ICNIRP, na sigla inglesa).

Os autores analisaram mais 2.000 estudos científicos e concluíram que os limites de segurança existentes são desadequados.

O relatório documenta preocupações crescentes relacionadas com a leucemia em crianças (devido a linhas eléctricas), tumores cerebrais e neuromas acústicos (tumores do nervo auditivo), relacionados com telemóveis e telefones sem fios, e doença de Alzheimer.

"Existem evidências de que os campos electromagnéticos (CEM) são um factor de risco para o desenvolvimento de cancro em crianças e adultos", salienta o documento.

O especialista em saúde pública e co-autor do relatório David Carpenter, director do Instituto de Saúde e Ambiente da Universidade de Albany, afirmou que "o estudo é um alerta para os efeitos da exposição a longo prazo aos campos electromagnéticos. É necessário um bom plano de saúde pública para prevenir o cancro e as doenças neurológicas ligadas à exposição a linhas eléctricas e outras fontes de CEM".

As questões relacionadas com CEM e linhas eléctricas surgiram pela primeira vez em 1979, quando quando uma especialista em saúde pública e um engenheiro eléctrico constataram que as crianças que viviam em áreas próximas de linhas eléctricas e postos de transformação tinham duas a três vezes mais probabilidade de desenvolver leucemia .

Lennart Hardell, professor do hospital universitário de Orebro (Suécia) e especialista em tumores cerebrais afirmou que a evidência de riscos associadas ao uso prolongado de telemóveis ou telefones sem fios "já é muito forte, quando se analisam as pessoas que usam estes aparelhos há dez ou mais anos e quando são usados, sobretudo, num só lado da cabeça".

Um resumo dos vários estudos sobre tumores cerebrais mostra um aumento de 20 por cento dos riscos relacionado com dez anos de utilização. Mas o risco aumenta para 200 por cento quando os aparelhos são essencialmente usados num só lado da cabeça

Outro alerta vai para as tecnologias sem fios que usam radiofrequência para enviar e-mails e comunicações de voz e que são "milhares de vezes mais fortes do que os níveis identificados" estando associados a sintomas físicos, incluindo dores de cabeça, fadiga, sonolência, tonturas, alterações da actividade cerebral e falta de memória e concentração.

Os cientistas revelam que estes efeitos podem ocorrer mesmo com pequenos níveis de exposição, se acontecer numa base diária, sendo as crianças mais vulneráveis.

O relatório conclui que os dados actuais, embora limitados, são suficientemente preocupantes para questionar a fundamentação científica dos limites de segurança em vigor.

A Agência Europeia do Ambiente (AEA), que foi parceira neste estudo, recomenda igualmente a adopção do princípio de precaução.

"Existem muitos exemplos em que o princípio de precaução não foi assumido no passado e que resultaram em danos sérios e, muitas vezes, irreversíveis para a saúde e o ambiente", declarou Jacqueline McGalde, directora executiva da AEA, recomendando a adopção de acções "para evitar ameaças sérias, potenciais e plausíveis, para a saúde devido a presença de campos electromagnéticos".

Outros estudos e recomendações sobre o tema:

Relatório da Direcção Geral de Saúde, concluído em 2003, mas que ficou na gaveta durante mais de três anos. Revela que existem riscos para a saúde.

Estudo publicado com o apoio da Organização Internacional do Trabalho, da Comissão Internacional sbre protecção de radiações não ionizadas, e da Organização Mundial de Saúde

Resumo de alguns estudos feitos nos EUA

Recomendação do Conselho Europeu

(...)

Resto dossier

Muito Alta Tensão

Por todo o país, vão aumentando os protestos contra as linhas de muito alta tensão, cujos riscos para a saúde não podem ser desprezados. A Rede Eléctrica Nacional (REN) continua a ignorar os apelos da população e as decisões desfavoráveis dos tribunais, recusando-se a enterrar as linhas, algumas das quais passam a poucas dezenas de metros das casas. O Esquerda.net dedica o dossier desta semana aos perigos, protestos e negócios em torno das linhas de muito alta tensão.

Alta Tensão em zonas habitadas

Sabemos que esta foi, nos últimos anos a lógica predadora dos governos ao serviço da concentração neo-liberal - pagar com o nosso dinheiro, as infra-estruturas caras e vendê-las ao preço "da chuva" aos privados. Esta será a razão para tanta pressa na construção da linha de muito alta tensão entre Fanhões e Trajouce, como em muitos outros locais por este país fora.

A sombra dos lobbies na saúde

A pressão dos lobbies deixa-se sentir a todos os níveis de decisão: no Parlamento Europeu e na Comissão Europeia, nos diferentes governos estatais, nos autonómicos e nos municipais.

Imagens e sons de protesto

O Esquerda.net compilou alguns vídeos e reportagens de rádio, de protesto e análise sobre as linhas de muito alta tensão. As imagens mostram lâmpadas acesas só devido à proximidade dos cabos, crianças que brincam em postes de alta tensão, e protestos dos moradores do Vale de Fuzeiros (Silves) contra o atentado ambiental e de saúde que a REN insiste em promover. Oiça também a crónica de José Manuel Pureza na Antena 1, um debate no Rádio Clube de Portugal, e a reportagem do Esquerda.rádio.

Mobilizações na Catalunha contra Alta Tensão já duram há três anos

A polémica construção duma linha de Muito Alta Tensão (MAT) entre o sul de França e a localidade de Bascanó (Girona) tem gerado um dos movimentos de oposição social mais importante dos últimos anos na Catalunha. Desde que se anunciou a construção, milhares de pessoas foram para a rua, dezenas de vezes, para contestar este projecto, que conta com o apoio da classe política e do empresariado catalão. Três anos depois do início dos protestos, a Plataforma "Não à MAT" confia em parar um infra-estrutura de alto impacto ambiental e para a qual, asseguram, existem alternativas mais sustentáveis.

REN: Se privatizar é a resposta, qual foi a pergunta?

Nada de mal acontecerá se, amanhã, após uma patriótica privatização para resolver a emergência financeira de hoje, os planos de expansão da REN forem anunciados num hotel londrino e os lucros das redes energéticas nacionais forem distribuidos pelas viúvas da Escócia, pelos reformados da Califórnia ou pelos oligarcas russos. Mas os consumidores portugueses de energia não retirarão daí qualquer benefício.

As nossas vidas valem mais do que os lucros da REN

A pergunta impõe-se: serão os postes e as linhas de alta tensão assim tão prejudiciais, ao ponto de motivarem esta onda de contestação popular sem precedentes no nosso país, feita de protestos regulares, petições, buzinões, acções judiciais ou a greve de fome de 48h, levada a cabo por 9 cidadãos e cidadãs à porta do Parlamento?

Bloco de Esquerda está do lado das populações

"Sendo os interesses em confronto, por um lado o custo de enterramento dos cabos de muito alta tensão, e por outro, os eventuais riscos para a saúde das populações, pensamos que se deve optar claramente pelos segundos. De facto, os custos de saúde pública são neste momento inquantificáveis, podendo mesmo vir a ser irreversíveis, com grave prejuízo para a população."

Estudos internacionais confirmam riscos para a saúde

O relatório do Bioinitiative Working Group, um grupo internacional que reúne cientistas, investigadores e profissionais de saúde pública, datado de finais de Agosto, manifesta "sérias preocupações científicas" sobre os limites que actualmente regulam os campos electromagnéticos admissíveis de linhas eléctricas, telemóveis e muitas outras fontes de radiação presentes na vida quotidiana, que considera inadequados para proteger a saúde humana.