You are here

Um predador ferido é ainda mais perigoso, artigo de Noam Chomsky

No Médio Oriente, rico em energia, só dois países deixaram de se subordinar às exigências fundamentais de Washington: Irão e Síria. E como seria de esperar, os dois são inimigos: o Irão, de longe, o mais importante. Como era norma na Guerra Fria, o recurso à violência é regularmente justificado como uma reacção à influência maligna do inimigo principal, frequentemente com o mais cinematográfico dos pretextos.
Texto de Noam Chomsky publicado no jornal britânico Guardian a 10 de Março de 2007.

Não surpreende que, à medida que Bush envia mais tropas para o Iraque, se multipliquem as referências à interferência do Irão nos assuntos internos do Iraque - um país que, ao contrário, está liberto de qualquer interferência estrangeira, no tácito pressuposto de que Washington domina o mundo.

Na mentalidade de Guerra Fria, característica de Washington, Teerão é pintado como a ponta de lança do chamado "ascenso" xiita, que se estende do Irão até ao Hezbollah no Líbano, passando pelos xiitas do Iraque meridional e da Síria. Também não surpreende que a "insurreição" no Iraque e a escalada de ameaças e acusações contra o Irão sejam acompanhadas da rancorosa iniciativa de convocação de uma conferência de potências regionais, com a agenda limitada ao Iraque.

Presumivelmente, este gesto mínimo de diplomacia pretende apaziguar os crescentes temores e a indignação suscitados pela agressividade acrescida de Washington. Tais preocupações foram recentemente alimentadas por um elaborado estudo do "efeito iraquiano" escrito pelos peritos em terrorismo Meter Bergen e Paul Cruickhank, onde é sublinhado que a guerra do Iraque "multiplicou por sete a actividade terrorista à escala planetária". Um "efeito iraniano" poderia ser ainda mais grave.

Para os Estados Unidos, a questão principal foi e continua a ser o controlo efectivo dos seus recursos energéticos. O acesso é uma questão secundária. Uma vez embarcado, o petróleo pode ir para qualquer parte. O controlo é entendido como um instrumento de dominação global. A influência iraniana no "ascenso" desafia o controlo dos EUA. Por um acidente geográfico, os maiores recursos petrolíferos mundiais encontram-se, em grande parte, nas áreas xiitas do Médio Oriente: no Iraque meridional, nas regiões adjacentes da Arábia Saudita e do Irão, juntamente com algumas das maiores reservas de gás natural. O pior pesadelo para Washington seria uma ampla aliança xiita que controlasse o grosso do petróleo mundial independentemente dos Estados Unidos.

Tal bloco, se chegasse a surgir, poderia inclusive juntar-se ao Asian Energy Security Grid (Rede Asiática de Segurança Energética), com base na China. O Irão poderia desempenhar o papel de percursor. Se os planeadores de Bush acabassem por provocar tal efeito, conseguiriam minar gravemente a posição dominante dos Estados Unidos no mundo.

Para Washington, a principal ofensa feita por Teerão foi o seu desafio, que remonta à queda do Xá em 1979 e à crise dos reféns na embaixada norte-americana. Como represália, Washington apoiou a agressão de Saddam Hussein ao Irão, que resultou em centenas de milhares de mortos. Depois foram sanções homicidas e, com Bush, a rejeição dos esforços diplomáticos do Irão.

Em Julho passado, Israel invadiu o Líbano, a quinta invasão desde 1978. Como antes, o apoio dos EUA foi um factor decisivo, os pretextos não resistiriam a uma inspecção e as consequências para o povo libanês foram graves. Entre as razões dadas, como pretexto para a invasão do Líbano por parte dos EUA e de Israel, estava a de que os bombardeamentos do Hezbollah poderiam ser dissuasórios de uma ataque norte -americano-israelita ao Irão. Apesar das ameaças, suspeito que não é provável que a administração Bush ataque o Irão. A opinião pública, nos EUA e no resto do mundo, é profundamente contrária. Além disso, também os militares e os serviços secretos norte-americanos estão contra. O Irão não pode defender-se de um ataque dos EUA, mas pode replicar de outra maneira, por exemplo incitando ao aumento do conflito no Iraque. Alguns alertam para factos muito mais graves: entre eles o historiador militar britânico Corelli Barnett, que disse, preto no branco, que: "um ataque ao Irão desencadearia efectivamente a terceira guerra mundial".

A verdade é que um predador se torna mais perigoso, e menos previsível, quando está ferido. No desespero para salvar alguma coisa, a administração Bush poderia até arriscar-se a maiores desastres. Bush e a sua administração geraram uma catástrofe inimaginável no Iraque. Foram incapazes de instituir um estado cliente fiável e não puderam retirar-se sem arriscar a possível perda do controlo dos recursos energéticos do Médio Oriente.

Entretanto, pode acontecer que Washington tente desestabilizar o Irão a partir de dentro. A mistura étnica no Irão é complexa, boa parte da sua população não é persa. Há tendências separatistas e é provável que Washington procure excitá-las (no Khuzistão, no Golfo, por exemplo, onde está concentrado o petróleo iraniano, uma região de ampla maioria árabe, não persa).

A escalada de ameaças serve também para pressionar terceiros países a juntarem-se aos esforços norte-americanos para estrangular economicamente o Irão, com previsível êxito no caso da Europa. Outra consequência previsível, e presumivelmente desejada, é induzir os dirigentes iranianos a exacerbar a repressão, fomentando os conflitos ao mesmo tempo que se debilita a posição dos reformadores.

Também se torna necessário demonizar esses dirigentes. No Ocidente qualquer declaração rude do Presidente Ahmadinejad converte-se rapidamente em título de primeira página, traduzida de maneira duvidosa na maior parte das vezes. Mas Ahmadinejad não tem qualquer controlo sobre a política externa, que está nas mãos do seu superior, o Dirigente Supremo Ayatollah Ali Khamenei. Os meios de comunicação norte-americanos tendem a ignorar as declarações de Khamenei, sobretudo se são de tom conciliador. Informam com alarde selvagem que Ahmadinejad disse que Israel não deveria existir, mas silenciam a declaração de Khamenei de apoio à posição da Liga Árabe na questão Israel-Palestina e o seu apelo à normalização das relações com Israel, se for aceite o consenso internacional de uma resolução sobre os dois estados.

A invasão norte-americana do Iraque impeliu virtualmente o Irão a desenvolver armas nucleares dissuasórias. A mensagem era que os EUA atacam como querem se o objectivo está desprotegido. O Irão encontra-se agora rodeado por forças norte-americanas no Afeganistão, no Iraque, na Turquia e no Golfo Pérsico, e tem muito perto as potências nucleares Paquistão e Israel, a superpotência regional, graças ao apoio dos EUA.

Em 2003, o Irão propôs negociações sobra todas as questões importantes, incluindo as políticas nucleares e as relações Israel-Palestina. A resposta de Washington foi censurar o diplomata suíço que serviu de mensageiro. Um ano depois, a UE e o Irão chegaram a um acordo para que o Irão suspendesse o enriquecimento de urânio, em troca a UE proporcionava "garantias firmes em matéria de segurança" - uma alusão crítica às ameaças norte-americanas de bombardear o Irão.

Aparentemente sob pressão norte-americana, a Europa não cumpriu o acordo. O Irão recomeçou então o enriquecimento de urânio. Um verdadeiro interesse em impedir o desenvolvimento iraniano de armamento nuclear teria levado Washington a apoiar o acordo conseguido pela UE, a encetar negociações significativas e a juntar-se a outros nos esforços para integrar o Irão no sistema económico internacional.

(...)

Resto dossier

Dossier 4 anos de guerra no Iraque

Na semana em que a invasão do Iraque fez 4 anos, uma conferência do secretário-geral da ONU, na "zona verde" de Bagdad, foi perturbada por um bombardeamento, o vice-primeiro-ministro iraquiano foi ferido num atentado e a maioria democrata na Câmara de Representantes dos EUA aprovou um prazo para a retirada das tropas norte-americanas. Bush ameaça vetar a decisão da Câmara, a guerra continua.

O negócio dos mercenários no Iraque

Funcionários iraquianos reconhecem que há mais de 236 empresas privadas, estrangeiras e nacionais, que cumprem tarefas de segurança no país. Delas, 200 são consideradas ilegais, não só por não terem o registo correspondente, mas também por desconhecer-se as suas "funções". A maioria está implicada em actos terroristas de que logo depois se culpa a resistência.

Guerra e terrorismo no século XXI, de Eric Hobsbawm

O texto que aqui divulgamos é uma tradução do texto publicado no site Sin permiso, composto por extractos dos capítulos 2 e 8 do livro de Eric Hobsbawm, o decano da historiografia marxista britânica, "Guerra e paz no século XX", que acaba de sair, em castelhano, na Editorial Crítica de Barcelona.

Vídeos: Aznar reconhece que não havia armas de destruição maciça

Ao fim de quatro anos, Aznar reconheceu publicamente que não havia no Iraque armas de destruição maciça. No momento da invasão, garantia que essas armas existiam, como mostra esta reportagem do noticiário Sexta Notícias de Espanha. Ainda assim, ao reconhecer o que todos já sabíamos, Aznar ainda mente. Diz que na altura da invasão, ninguém sabia que as armas não existiam. Ninguém???

A nova lei do petróleo do Iraque

A administração títere do Iraque aprovou a chamada Lei do Petróleo, com a qual mostra uma vez mais a verdadeira razão da invasão norte-americana. Esta nova peça da ocupação preenche uma lacuna muito polémica. O espectáculo não é agradável.
Para começar, a Lei do Petróleo não é compatível com a Constituição aprovada em 2005, pois enquanto a Constituição afirma que o petróleo é propriedade do povo do Iraque (artigo 109), a lei do petróleo estabelece que a propriedade do petróleo e do gás natural no Iraque é do Conselho Iraquiano do Petróleo e do Gás (CIPG).

Vídeos: Quatro anos é demais

Os familiares dos soldados mortos e feridos são uma parte importante do movimento antiguerra, como se pode ver nos dois vídeos que mostramos abaixo. No primeiro, imagens de famílias manifestando-se pelo regresso dos seus entes queridos e de funerais de soldados americanos mortos no Iraque. No segundo vídeo, uma impressionante lista dos soldados americanos mortos.

Até o fim do ano, o Iraque custará mais aos EUA que II Guerra

No momento em que a Guerra do Iraque entra no seu quinto ano, os Estados Unidos fazem as contas: a intervenção já devorou perto de US$ 500 mil milhões de dólares e o gasto total pode ultrapassar US$ 1 bilião. Nem a Guerra da Coreia e nem a do Vietname custaram tanto. Mas é sobretudo o tipo de financiamento que inquieta os economistas.

Vídeos: manifestações contra a guerra

Uma reportagem da maior manifestação antiguerra deste Março, a de Madrid, que reuniu cerca de 400 mil pessoas. Ainda, imagens das manifestações de Hollywood e de Los Angeles, nos Estados Unidos. Em Santiago do Chile, há um ano, os manifestantes fizeram o símbolo da paz.

Iraque: Mais pessimistas e inimigos dos EUA

Quatro anos depois de serem invadidos pelos Estados Unidos, os iraquianos se mostram mais pessimistas sobre o seu futuro e mais inimigos dos seus supostos libertadores, afirma uma pesquisa divulgada esta semana pela BBC, ABC News, USA Today e pela rede alemã de televisão ARD.

Hillary manterá tropas no Iraque se for eleita presidente

Pré-candidata democrata diz que força seria usada para combater a Al Qaeda. Senadora afirma que soldados remanescentes não ficariam na "guerra urbana", mas zelariam por interesses vitais dos EUA.

Um predador ferido é ainda mais perigoso, artigo de Noam Chomsky

No Médio Oriente, rico em energia, só dois países deixaram de se subordinar às exigências fundamentais de Washington: Irão e Síria. E como seria de esperar, os dois são inimigos: o Irão, de longe, o mais importante. Como era norma na Guerra Fria, o recurso à violência é regularmente justificado como uma reacção à influência maligna do inimigo principal, frequentemente com o mais cinematográfico dos pretextos.