You are here

Banco do Sul causa nervosismo ao FMI

Em fins de Fevereiro, os presidentes da Argentina, Nestor Kirchner, e da Venezuela, Hugo Chávez, decidiram criar o Banco do Sul, que deverá ter o seu plano de acção pronto em 120 dias. Outros países, como a Bolívia e o Equador, já mostraram interesse em juntar-se ao processo, que causou grande nervosismo na sede do FMI. Esta instituição está a enfrentar dificuldades financeiras a curto prazo, com um défice de 105 milhões de dólares acima do previsto neste ano fiscal, uma coisa que não acontecia desde 1985.

 

Temores no FMI e no Banco Mundial

por Hedelberto López Blanch, Rebelión

 

O Fundo Monetário Internacional (FMI) e o Banco Mundial (BM) estão nervosos porque na América Latina está a ser criada uma entidade financeira que pode aumentar os problemas que essas duas organizações mundiais estão a sofrer.

Em fins de Fevereiro, durante uma visita que realizou o presidente argentino Nestor Kirchner a Caracas, o seu homólogo venezuelano, Hugo Chávez, anunciou que esses dois governos estabeleceram um prazo de 120 dias para a construção do Banco do Sul

Chávez explicou que no final do prazo deverá existir já um plano de acção, "com vistas à criação dos estatutos, assim como o plano de execução para um quinquénio, o programa de captação de recursos e a estimativa de capital inicial".

O governo venezuelano está pronto para mobilizar pelo menos 10% das suas reservas para este fim e o seu presidente exortou a que outros países façam o mesmo para criar um banco, que começará modesto; mas em poucos anos "já não serão precisos o FMI ou o BM, e não será mais necessário andar a mendigar pelo mundo".

Durante a reunião Kirchner-Chávez, ficou a saber-se que o documento-base para a criação do Banco do Sul possui todo um fundamento do ponto de vista ético, económico, político e social, e que a sede principal ficará em Caracas e em Buenos Aires. As directivas do projecto oferecem facilidades para que os demais governos possam juntar-se à iniciativa a qualquer momento das suas fases, o que permitirá uma maior integração latino-americana. O ministro equatoriano da Economia, Ricardo Patiño, assegurou que o Banco do Sul será uma realidade em poucos meses e que o seu país, assim como a Bolívia, vai aderir a esse organismo que funcionará com recursos das nações integrantes.

É inegável que o Banco do Sul constitui uma perspectiva financeira regional emancipadora, contraposta às actividades do FMI e do BM.

É prática corrente que os governos coloquem as suas poupanças nos bancos do Norte, que pagam uma taxa de juros de 1% ou 2%, para imediatamente emprestar esse mesmo dinheiro com taxas de 6% a 12%.

Na actualidade, existe uma conjuntura favorável a que os países em desenvolvimento (PED) sigam uma política independente em relação às nações capitalistas mais industrializadas, pois nos últimos anos os PED elevaram consideravelmente as suas reservas internacionais.

Calcula-se que só as reservas da Venezuela, da Argentina e do Brasil, em conjunto, cheguem a cem mil milhões de dólares.

A decisão de fundar o Banco, como é lógico, já é um motivo de preocupação para os organismos financeiros internacionais e para os países industrializados, pois, na prática, os mais pobres e numerosos emprestam dinheiro aos poderosos.

O Banco Mundial reconheceu esta realidade ao assinalar nos seus relatórios anuais, e especificamente os de 2003, 2005 e 2006, intitulados Global Development Finance, que "Os países em desenvolvimento, tomados no seu conjunto, são prestamistas brutos em relação aos desenvolvidos" e que os primeiros "exportam capitais para o resto do mundo, em particular para os Estados Unidos".

Eric Toussaint, presidente do Comité para a Anulação da Dívida Externa do Terceiro Mundo, num estudo sobre o tema, explica que a maior parte dos PED compra títulos do Tesouro dos EUA, com o argumento de que estes têm muita liquidez e podem ser vendidos facilmente. Os países em desenvolvimento contribuem assim para sustentar a potência do império americano.

"Os PED põem nas mãos do amo o garrote que este usa para espoliá-los, pois os Estados Unidos têm uma necessidade vital de financiamento externo para cobrir os seus enormes défices e manter o seu poderio militar, comercial e financeiro. Se se vissem privados de uma parte significativa destes empréstimos, os seu predomínio ficaria enfraquecido", diz Toussaint.

Vale a pena lembrar que a cotação do dólar evolui em baixa há vários anos e os títulos são remunerados com moeda desvalorizada, e portanto haveria mais benefícios em investi-lo no desenvolvimento social desses povos

O FMI está enfrentar dificuldades financeiras a curto prazo, com um défice de 105 milhões de dólares acima do previsto neste ano fiscal, uma coisa que não acontecia desde 1985, quando vários países declararam uma moratória do pagamento das dívidas.

O motivo agora é muito diferente e deve-se a pagamentos adiantados que realizaram alguns países-membros, com o objectivo de ir reduzindo as suas dívidas, e para o qual utilizaram parte das suas reservas internacionais.

Esta situação não é nova, pois começou durante a crise asiática de finais da década de 90, quando os afectados decidiram cumprir as suas obrigações creditícias em troca de um menor controlo por parte do FMI.

O FMI, o BM e outras instituições financeiras mundiais dominadas pelos países desenvolvidos concedem empréstimos sob a condição de que sejam cumpridas estritamente as recomendações de política económica sugeridas por essas instituições, as quais sempre vão em detrimento das estratégias sociais a favor das populações endividadas.

Brasil, Argentina e Uruguai efectuaram pagamentos adiantados de 25 mil milhões de dólares (para evitar os enormes juros). O mesmo fizeram a Sérvia e a Indonésia e outros, como a Colômbia, o Chile, o México, o Peru e a Venezuela, obtiveram linhas de crédito mas não as utilizaram. Desde a fundação do FMI e do BM em 1944, estes organismos foram instrumentos de dominação das nações poderosas, que impuseram na região políticas neocoloniais, neoliberais e de livre comércio, em detrimento das grandes maiorias.

Diante desta indesmentível realidade, surge o projecto de criação do Banco do Sul que, com uma vocação multilateral, aponta para a necessária integração latino-americana.

Durante a sua visita a Caracas, o presidente argentino Néstor Kirchner disse que esta instituição deverá ser uma entidade financeira com características e filosofias diferentes à das sedes bancárias internacionais, que também nasceram com o objectivo de promover investimento e que no decorrer dos anos se converteram "num verdadeiro castigo para os povos".

O Banco do Sul, junto à alternativa Bolivariana para as Américas (ALBA) é outro despertar emancipador para as nações da América Latina.

 

6/3/2007

(...)

Resto dossier

Dossier: Bush na América Latina

As manifestações de protesto em todos os países que Bush está a visitar na sua viagem pela América Latina mostram o desgaste que a administração dos EUA vive frente ao povo do continente. Consciente da sua perda de influência, Bush apresenta uma retórica amena, que o levou mesmo a apresentar-se como "filho de Bolívar". Mas os EUA vão gastar mais no Iraque só nesta semana do que com todos os programas anunciados para um ano na América Latina.

Esquerda.Rádio entrevista historiador brasileiro sobre viagem

O tema do magazine desta semana incide sobre as viagens que George W.Bush e Hugo Chávez estão a fazer por vários países da América Latina.

Hugo Chávez: Bush quer impedir que nasça o novo Mercosul

Nas entrevistas que deu durante a viagem à Argentina, o presidente Hugo Chávez, da Venezuela, denunciou as tentativas de Washington para interpor uma cunha entre os países do Mercosul, e sobretudo impedir que nasça o novo Mercosul, "que é o que nós propomos com a entrada da Venezuela." Chávez faz também a comparação entre George Washington e Simón Bolívar, que considera um percursor do socialismo.

Banco do Sul causa nervosismo ao FMI

Em fins de Fevereiro, os presidentes da Argentina, Nestor Kirchner, e da Venezuela, Hugo Chávez, decidiram criar o Banco do Sul, que deverá ter o seu plano de acção pronto em 120 dias. Outros países, como a Bolívia e o Equador, já mostraram interesse em juntar-se ao processo, que causou grande nervosismo na sede do FMI. Esta instituição está a enfrentar dificuldades financeiras a curto prazo, com um défice de 105 milhões de dólares acima do previsto neste ano fiscal, uma coisa que não acontecia desde 1985.

A visita de Bush: mudança de retórica para disputar com Chávez

A preocupação de Bush de se apresentar com uma retórica amena aos povos da América Latina foi tal, que chegou ao ponto de se apresentar como "filho de Bolívar". Bush agora fala de "justiça social", de uma "mensagem de esperança", de "mudança para os pobres". Mas os EUA vão gastar mais no Iraque só nesta semana do que com todos os programas anunciados para um ano na América Latina.

Ao chegar à Argentina, Chávez ataca projectos de Bush

Veja o vídeo da chegada do presidente da Venezuela, Hugo Chávez, a Buenos Aires.

Visto do Brasil: Onze razões para não confiar em Bush

"O que Bush vem fazer no Brasil?", pergunta o jornalista e professor universitário Bernardo Kucinski, para logo responder: "Coisa boa não deve ser". Kucinski observa que "sem o cancelamento da sobretaxa americana de US$ 0,14 por litro de álcool brasileiro, a proposta de uma parceria de estímulo à produção de etanol é enganação. Só no ano passado, o governo americano embolsou US$ 220 milhões de sobretaxa ao etanol importado do Brasil. Dinheiro que poderia e deveria ser nosso." O jornalista alinha 11 razões para não confiar em Bush.

Uruguai-EUA: Bush, a visita incómoda

A chegada de Georges W. Bush ao Uruguai, nesta 6ª feira, levantou grande protesto na coligação de esquerda que governa pela primeira vez este país. Os sectores mais radicais protestaram, mas o presidente Tabaré Vásquez actua com pragmatismo, ainda que se reafirme anti-imperialista.
A Frente Ampla (FA), composta por partidos historicamente opostos à hegemonia e ao militarismo de Washington, ao neoliberalismo económico e às directivas impostas pelos organismos de crédito multilaterais, envolveu-se num duro debate interno sobre a atitude a seguir face à presença do presidente norte-americano, que devolve a visita que Vásquez fez em Maio de 2006.

Biocombustíveis: Entidades brasileiras rejeitam modelo de produção com base no agronegócio

Diante da visita do presidente dos EUA, George W. Bush, ao Brasil para tratar do etanol, movimentos sociais defendem a produção de agrocombustíveis, desde que beneficie agricultores familiares e não seja com base no modelo agroexportador.