You are here

Carlos Alberto Montaner: "Desmantelar este anacrónico manicómio"

Castro esteve quase a morrer. A hemorragia intestinal e a subsequente operação chegaram duas semanas antes de assinalar os oitenta anos. Foi um aviso. Mais de metade da sua vida passou-a a governar. Há quarenta oito anos que tomou o poder aos tiros e desde ai não o soltou mais. Quando começou o comandante era uma jovem impetuoso e audaz, convencido que sabia como reorganizar a humanidade para que todos se transformassem em ricos e felizes, ainda que o caminho para conseguir tão benévolo propósito fosse à paulada.

A esta altura da história só restam duas perguntas interessantes a fazer sobre a falhada experiência montado por Castro numa pobre ilha: como é que durou tanto tempo no poder um tipo tão excêntrico e disparatado, capaz de realizar façanhas tão improváveis como destruir a centenária industria açucareira, multiplicar por dez os número de prostitutas, fuzilar ou eliminar dezasseis mil pessoas e colocar no exílio quase 15% da população cubana?
Ninguém duvida que o seu governo tenha sido o pior governo que padeceu esse país, incapaz em meio século de conseguir que os cubanos tenham água potável, electricidade, comida e tecto em quantidades minimamente razoáveis, o que faz ainda mais urgente encontrar a resposta: como ainda não foi derrubado um governante tão incompetente?
A segunda pergunta também é obvia: O que acontecerá quando desaparecer? Ao fim ao cabo, à margem desta crise recente trata-se de um velho doente, atacado de Parkinson, que exibe sintomas claríssimos de demência senil, e que foi vítima de vários acidentes cerebrais que afectaram a sua capacidade de comunicar. Balbucia, repete-se, diz coisas incoerentes, faz confusões e mostra-se agressivamente mal humorado perante a menor contrariedade.
No entanto, fala oito horas consecutivas, sem a menor piedade pela velhice alheia, mas mais importante que a resistência das suas exercitadas cordas vocais ou dos seus poderosos esfíncteres, são o conteúdo dos seus discursos: é um pobre homem que não deixa de dizer disparates, para vergonha de uma classe dirigente treinada na obediência de um líder carismático supostamente infalível, e que agora não abe o que fazer perante um velhinho maníaco que ele mesmo desenha vacas anãs e explica-lhes o insondável segredo das panelas de pressão.
A primeira pergunta tem uma resposta bastante simples:
Castro durou quase cinco décadas no poder, apesar de ser um desastroso governante, porque criou uma hermética jaula institucional da qual não há fuga possível. A sua permanência no poder não tem nada que ver com o seu talento como líder, na época em que vivemos, nem com as suas habilidades como estratega. Não são as suas virtudes que o mantém, mas os seus defeitos: a sua falta de escrúpulos e a sua ilimitada capacidade de fazer mal, até aqueles que o rodeiam, como se comprova pelo fuzilamento de Arnaldo Ochoa, o seu melhor general.
Castro controla totalmente o parlamento, o sistema judicial, as forças armadas e os meios de comunicação, ao mesmo tempo que a policia politica vigia, intimida e castiga qualquer membro dessa estrutura de poder que se afaste um milímetro da linha oficial.
Os democratas da oposição – um punhado de mulheres e homens extraordinariamente valentes -, permanentemente vigiados e infiltrados pela segurança do Estado, tão pouco podem actuar para alem dos estritos limites que lhes assinala o aparelho, e, que quando o fazem, os prende, maltrata e mata sem a menor compaixão. Qual é a razão que impede os cubanos de se livrar de Castro? Exactamente as mesmas razões pelas quais os norte coreanos não conseguem sacudir King Jong-il: porque não podem.
Apesar disso, depois da sua morte tudo começará a mudar, provavelmente a um ritmo muito rápido. Porquê? Porque dentro da classe dirigente há uma profunda desmoralização. Não obedecem por convicção, mas pelo medo, e porque sabem que a ditadura nem sequer permite o afastamento voluntário. Ou dobram a cerviz e aplaudem, ou sofrem as consequências. Mas essa humilhante situação começará a mudar no velório do Comandante, quando todos, gregos e troianos, sentirão um imenso alivio quando o ataúde descer na fossa e desapareça a pesada mão com que o ditador lhes agarrava o pescoço.
Esse será o momento em que reformistas do regime – a imensa maioria – e os democratas da oposição, de uma forma organizada e pacifica comecem a desmantelar este anacrónico manicómio.

Publicado pela BBC WORLD 

(...)

Resto dossier

Dossier Cuba: Antes que anoiteça

As primeiras fotos de Fidel Castro depois da operação apareceram no dia do seu aniversário. Fidel juntava uma mensagem em que declarava estar a recuperar, mas que o seu estado exige longos cuidados e não está ausente de perigos.Nas vésperas dos 80 anos de Fidel Castro um vasto conjunto de intelectuais mobilizou-se num apelo à não intervenção dos Estados Unidos da América na política cubana.

Gabriel García Márquez: O Fidel que eu conheço

A sua devoção pela palavra. O seu poder de sedução. Vai buscar os problemas onde estão. O Ímpeto e a inspiração são próprios do seu estilo. Os livros reflectem muito bem a amplitude dos seus gostos. Deixou de fumar para ter a autoridade moral para combater o tabagismo. Gosta de preparar as receitas de cozinha com uma espécie de fervor científico. Mantém-se em excelentes condições físicas com várias horas de ginástica diária e natação frequente. Paciência invencível. Disciplina férrea. A força da imaginação arrasta-o até ao imprevisto. Tão importante como aprender a trabalhar é aprender a descansar.

Entrevista Fernado Morais: Cuba não vai cair

"O tigre que sentiu o gosto de sangue, jamais vai querer voltar a ser vegetariano." Para o jornalista e escritor Fernando Morais, 60 anos, o processo de transição para o capitalismo em Cuba ainda não começou. E nem vai começar. São algumas palavras de um dos maiores jornalistas brasileiro, especialista em Cuba, à repórter Sylvia Colombo da Folha de São Paulo.
Autor, entre várias obras, do livro reportagem "A Ilha" (Companhia das Letras), relato entusiasmado sobre as conquistas da Revolução, best-seller na época do seu lançamento, há 30 anos, e amigo de Fidel Castro, Morais defende o regime cubano sem hesitar. Para Fernando Morais, no caso dos EUA tentarem intervir após a morte de Fidel, morrerão na praia, como na batalha da Baia dos Porcos, em 1961 (em que tropas armadas pelos EUA foram derrotados por milicianos cubanos).

Pode a revolução sobreviver?: A última batalha de Fidel

Jon Lee Anderson é um profundo conhecedor de Cuba e autor de umas das melhores biografias de Che Guevara, nesta reportagem feita para a New Yorker, 24/7/2006, anterior a hospitalização de Fidel, faz um retrato do momento que se vive na ilha.
No fim de uma tarde de sexta-feira de Março, uma multidão  concentrou-se numa manifestação no centro de Havana para protestar contra um incidente que tinha ocorrido na tarde anterior em San Juan, Porto Rico. Durante uma partida entre Cuba e a Holanda, no primeiro Campeonato Clássico de Basebol Internacional, um espectador levantou uma placa para as câmaras de TV que dizia "abaixo Fidel" e gritou opiniões semelhantes para os cubanos presentes.

Carlos Alberto Montaner: "Desmantelar este anacrónico manicómio"

Castro esteve quase a morrer. A hemorragia intestinal e a subsequente operação chegaram duas semanas antes de assinalar os oitenta anos. Foi um aviso. Mais de metade da sua vida passou-a a governar. Há quarenta oito anos que tomou o poder aos tiros e desde ai não o soltou mais. Quando começou o comandante era uma jovem impetuoso e audaz, convencido que sabia como reorganizar a humanidade para que todos se transformassem em ricos e felizes, ainda que o caminho para conseguir tão benévolo propósito fosse à paulada.