You are here

Sindicatos e organizações independentes criam uma Federação de Sindicatos Independentes

Os operários e empregados egípcios recusam que a “governamental” Federação Geral dos Sindicatos os represente e fale em seu nome. Por isso os sindicatos e organizações independentes declaram a fundação de uma Federação dos Sindicatos Independentes do Egipto.
Nova Federação diz que todos os egípcios devem ter direito a uma protecção social justa. Foto de Global Grind

Comité constitutivo da Federação Independente dos Sindicatos do Egipto

Declaração

Os operários e empregados egípcios travaram grandes combates e participaram, especialmente nos últimos quatro anos, em movimentos de protesto – de uma forma sem precedentes na história egípcia moderna – para defender os seus legítimos direitos. Apesar da falta de um sindicato independente organizado – do qual foram privados durante muitas décadas – eles foram capazes de atrair para o seu lado sectores sociais mais amplos e de ganhar uma grande simpatia na sociedade egípcia, no movimento operário e nos sindicatos.

Os trabalhadores combateram pelo direito ao trabalho contra o demónio do desemprego – que atormenta a juventude egípcia – e reivindicaram um salário mínimo justo que garanta um nível de vida conveniente para todos o/as assalariado/as; travaram grandes batalhas pelo seu direito democrático à livre associação em sindicatos independentes.

Esta luta desenvolvida pelos trabalhadores egípcios abriu o caminho à actual revolução do povo...

Por conseguinte, os operários e empregados egípcios recusam que a “governamental” Federação Geral dos Sindicatos os represente e fale em seu nome. Esta Federação, que os privava dos seus direitos e recusava reivindicações, publicou recentemente uma declaração infame, a 27 de Janeiro, anunciando que fará o possível para conter todo o movimento de protesto dos trabalhadores durante estes dias.

É por isso que os sindicatos e organizações independentes – o sindicato dos empregados dos impostos prediais, o sindicato dos técnicos de saúde, o sindicato dos empregados, a associação independente dos professores, assim como vários grupos independentes de operários da indústria representantes de várias empresas – consideram que é impossível continuar de braços cruzados e declaram a fundação de uma Fundação dos Sindicatos Independentes do Egipto e a criação hoje, 30 de Janeiro de 2011, de um Comité Constitutivo, que tomou as seguintes decisões:

Para que se obtenham as exigências da Revolução do povo e da juventude egípcios declarada a 25 de Janeiro de 2011, destacamos o seguinte:

1. O direito ao trabalho para o povo egípcio – que é um direito fundamental que o Estado deve garantir e respeitar, criando o direito a subsídios para todos os desempregados.

2. Um salário mínimo de 1.200 libras egípcias [150 euros], com aumentos de salários indexados anualmente à subida dos preços, concedendo ao mesmo tempo o direito de todos os trabalhadores a prémios e indemnizações convenientes à natureza dos empregos e, em particular, o direito a compensações adequadas pelos prejuízos que possam ocorrer devido ao ambiente do trabalho e aos riscos. O salário máximo não deve ultrapassar dez vezes o salário mínimo.

3. Todos os egípcios devem ter direito a uma protecção social justa, incluindo direito à saúde, à habitação e à educação, garantia de uma educação gratuita com programas desenvolvidos em função da evolução científica e tecnológica e direito dos reformados a uma pensão decente, tendo em consideração todos os subsídios e prémios.

4. Direito para todos os trabalhadores, empregados e assalariado/as a organizar-se em sindicatos independentes, onde eles próprios decidam as suas normas e sejam a expressão da sua vontade e a supressão de todas as restrições legais ao exercício deste direito.

5. Libertação de todas as pessoas detidas desde 25 de Janeiro.

O Comité Constitutivo da Federação dos Sindicatos Independentes do Egipto pede a todos os trabalhadores egípcios que formem comités populares nas instalações e lugares próximos para defender as infra-estruturas, os trabalhadores e cidadãos nesta situação crítica. Estes comités organizarão também o protesto e as greves nos locais de trabalho.

O Comité Constitutivo apela a todos os trabalhadores do Egipto a que participem nestes movimentos afim de obter a satisfação das exigências do povo egípcio, com excepção das instalações vitais de importância estratégica devido à situação actual.

30 de Janeiro de 2011

Comité Constitutivo da Federação dos Sindicatos Independentes do Egipto

Artigo publicado em alencontre.orgalencontre.org , traduzido por Carlos Santos para o esquerda.net

(...)

Resto dossier

Revolução no Egipto

Ao fim de 18 dias de mobilização, de combates de rua e de centenas de mortes, a revolução egípcia teve a sua primeira grande vitória com a queda de Mubarak. Este levante sem precedentes na história do Egipto seguiu-se à vitória na Tunísia e muito provavelmente dará o sinal para a queda de outras ditaduras no mundo árabe.

O 1848 árabe: os déspotas cambaleiam e caem

Estamos a ser testemunhas de uma onda de levantamentos nacional-democráticos que lembram mais as agitações de 1848 – contra o Czar, o Imperador e os seus colaboradores – que varreram a Europa e foram presságios de posteriores turbulências. Este é o 1848 árabe.

Para os egípcios este é o milagre da Praça Tahrir

Esta insurreição foi universal: foi possível que nos identificássemos, quase de imediato, em qualquer parte do mundo, com esta revolta; ou seja, foi possível perceber imediatamente o que estava em causa sem ser necessária uma análise cultural da sociedade egípcia. Artigo de Slavoj Žižek, escrito na véspera da queda de Mubarak, para a edição electrónica guardian.co.uk

Desde 2006, Egipto vive a maior e mais sustentada onda grevista

Hossam el-Hamalawy, jornalista e blogger do site 3arabawy, foi entrevistado no início da mobilização por Mark LeVine, professor da Universidade da Califórnia. Na entrevista, Hossam destaca o papelda juventude e do movimento sindical nos protestos e a importância da criação recente de sindicatos independentes.

Sindicatos e organizações independentes criam uma Federação de Sindicatos Independentes

Os operários e empregados egípcios recusam que a “governamental” Federação Geral dos Sindicatos os represente e fale em seu nome. Por isso os sindicatos e organizações independentes declaram a fundação de uma Federação dos Sindicatos Independentes do Egipto.

Quem é a oposição?

Uma panóplia de activistas e grupos de oposição fizeram o assalto à ditadura de Hosni Mubarak. Por Robert Dreyfuss, The Guardian

“Há condições ideais para a esquerda reconstruir-se como alternativa”

Extractos de uma entrevista de Faruq Sulehnia a Gilbert Achcar, professor de estudos sobre o desenvolvimento e relações internacionais na Escola de Estudos Orientais e Africanos (EEOA) de Londres. Realizada ainda antes da queda de Mubarak.

50 anos de história secreta: Washington e a Irmandade Muçulmana

É pouco conhecida a longa história dos contactos entre governos dos EUA e a Irmandade Muçulmana. Mas a cooperação durou décadas. Por Ian Johnson, New York Review of Books

A insurreição no Egipto e as suas implicações para a Palestina

Sem Mubarak, Israel não tem praticamente mais amigos no Médio Oriente; restam-lhe dois aliados estratégicos: a Jordânia e a Autoridade Palestiniana, e ambos estão abalados. Por Ali Abunimah, The Eletronic Intifada

Por que temer o espírito revolucionário árabe?

A reacção ocidental aos levantamentos no Egipto e na Tunísia frequentemente demonstra hipocrisia e cinismo. Artigo de Slavoj Žižek

“O mundo árabe está em chamas”

Segundo as sondagens, a maioria dos árabes considera que os EUA e Israel são as principais ameaças. Washington marcha vigorosamente para o desastre.

Declaração da Faculdade de Direito da Universidade do Cairo

Dez conclusões a que chegou o fórum dos docentes de Direito do Cairo, que deu completo apoio à revolução de 25 de Janeiro, “nascida da limpa e nunca corrompida juventude egípcia”.