You are here

Tudo bons rapazes

Ao culpar os administradores da Caixa pelo buraco negro das contas do BPN, Cavaco Silva insiste em desviar as responsabilidades dos seus apoiantes que estiveram na origem daquele caso de polícia.

No meio dum debate irritado com Manuel Alegre, Cavaco Silva responsabilizou a administração do BPN já nacionalizado pelo buraco gigantesco para que o banco foi conduzido. Mas não disse uma palavra sobre quem teve responsabilidades na administração de uma empresa que durante anos foi gerida como plataforma de operações criminosas para dar lucros milionários aos amigos da SLN, mesmo debaixo do nariz da supervisão bancária.

De facto, não se imagina o que poderia dizer Cavaco sem ser em abono de personalidades como Oliveira e Costa, Dias Loureiro, Arlindo de Carvalho, Abdool Vakil, Miguel Cadilhe, entre tantos outros distintos apoiantes da recandidatura do homem que os reuniu na vida, na política e nos negócios.

Estamos a falar do mesmo Cavaco Silva que não desconfiou de nada quando a SLN lhe comprou em 2003 as acções que lhe tinha vendido dois anos antes, garantindo-lhe uma mais valia de 140%. Pelos vistos, Cavaco nunca soube que fez parte dum esquema que foi usado durante dez anos para beneficiar os amigos do BPN, que assim ganhavam muito dinheiro em pouco tempo e com risco zero.

Risco zero para eles, claro. Hoje é o país inteiro que está a pagar, graças ao PS, ao PSD e ao próprio Cavaco, que promulgou a lei para nacionalizar o que toda a gente sabia ser uma caixa de surpresas muito desagradáveis, cheia de negócios como o de Dias Loureiro em Porto Rico, com o dinheiro sempre a esfumar-se em triangulações entre off-shores de que ninguém conhece os proprietários.

Cavaco não pode fazer de conta que não sabia de nada disto. Mas conta com a "imprensa suave" que não o obriga a avivar a memória.

Sobre o/a autor(a)

Jornalista
(...)