You are here

G20 de Seul: Viva o mercado livre!

A reafirmação do fundamentalismo de mercado confirma a incapacidade do G20 para tirar lições do colapso financeiro de 2008 e torna provável uma nova crise a curto ou médio prazo. Texto de ATTAC-França.

A guerra das moedas causa estragos e ameaça degenerar em crise financeira e geopolítica. A China protege os seus gigantescos excedentes comerciais conservando uma moeda sub-avaliada. Os Estados Unidos criam 600 mil milhões de dólares para desvalorizar a sua divisa. A Alemanha sufoca a zona euro com a sua política de exportação agressiva baseada no dumping social. O que propõe o G20 para dissipar as nuvens que se formam no horizonte?

Palavras ocas sobre “a retoma do crescimento” e “a economia pós-crise”. Um “processo de avaliação mútua” para definir “indicadores” que permitam “identificar os desequilíbrios” comerciais e financeiros – sem prever nenhum mecanismo para corrigir estes desequilíbrios. O G20 não toma a menor acção contra a hegemonia financeira: nada acerca da taxa sobre as transacções financeiras que teria um efeito directo sobre a especulação, nenhum esforço para evitar a evasão fiscal, nenhuma proposta para separar as actividades bancárias relacionadas com os depósitos das unicamente desenvolvidas para a especulação, o que seria a melhor solução para os bancos “too big too fail” (“demasiado grandes para falir”).

Mas o que chama mais a atenção é a preocupante determinação do G20 de caminhar para “um sistema monetário internacional em que as taxas de câmbio sejam determinadas pelo mercado”.

Enquanto que não foi tomada nenhuma medida para limitar a especulação no mercado de câmbios, que representa 4 biliões (milhões de milhões) de dólares por dia; enquanto que esta especulação provoca incessantes movimentos de ioiô entre as divisas, sem qualquer relação com os fundamentos das economias nacionais; enquanto que a Grécia, Portugal, hoje a Irlanda, são vítimas de uma especulação desenfreada que ameaça a própria existência do euro; esta reafirmação do fundamentalismo de mercado confirma a incapacidade do G20 para tirar lições do colapso financeiro de 2008 e torna provável uma nova crise a curto ou médio prazo.

A reforma do sistema monetário internacional é mais do que nunca indispensável. Mas não pode consistir em deixar, cada vez mais, as moedas aos caprichos da finança. Pelo contrário, é preciso de imediato taxar e regulamentar drasticamente a especulação sobre as divisas, mas também sobre as matérias primas, sobre as dívidas soberanas... A prazo, é preciso substituir o dólar por uma moeda comum mundial, instrumento de redução coordenada dos desequilíbrios comerciais: os países excedentários deverão reavaliar a sua divisa em relação à moeda mundial e os países deficitários desvalorizar a sua.

A conclusão de Seul, que Nicolas Sarkozy apoiou sem uma palavra, já reduziu a zero as suas tiradas sobre a reforma do sistema monetário internacional. Tratava-se, segundo ele, da maior ambição da sua presidência do G20, que começa agora.

Os movimentos sociais de França, ao lado dos movimentos sociais do mundo inteiro, devem assumir a resistência ao G20 e não deixarão de encabeçar a resposta popular à ilegitimidade e à ineficácia deste G20, absolutamente incapaz de contestar a ditadura da finança.

Attac França, Paris 12 de Novembro de 2010

Tradução francês/português de Carlos Santos para esquerda.net

(...)

Resto dossier

O G-20 e a "guerra cambial"

Nos dias 11 e 12 de Novembro reúne-se em Seul a cimeira do G20, num momento de crise internacional e de acérrimas disputas em torno do que já se chama de “guerra cambial”. A cimeira dos ministros das Finanças, realizada em Outubro, pouco contribuiu para a resolução da disputa.

G20 de Seul: Viva o mercado livre!

A reafirmação do fundamentalismo de mercado confirma a incapacidade do G20 para tirar lições do colapso financeiro de 2008 e torna provável uma nova crise a curto ou médio prazo. Texto de ATTAC-França.

A Guerra Mundial Financeira

Vivemos o colapso do sistema de relações monetárias e comerciais multilaterais vigente. Por Fernando Moreno Bernal, da ATTAC Andaluzia

Guerra cambial: uma disputa entre gigantes

A guerra cambial não está apenas relacionada com o câmbio, mas também com as relações económicas internacionais que não estão resolvidas, alerta o economista brasileiro Guilherme Delgado. Para ele, a ideia de que a crise internacional terminou é falsa. Por Patrícia Fachin, do site IHU online

Na Coreia, o G-20 demonstra a sua inoperância

Que aconteceu aos compromissos políticos de transparência, de regulação e de supervisão financeiras? Há uma deriva para a irrelevância desta instituição enquanto “primeiro fórum mundial de cooperação”. Por Juan Vigueras, Conselho Científico da ATTAC Espanha

Alemanha, China e Brasil criticam política dos EUA

Presidente do Federal Reserve dos EUA colhe críticas devido a injecção de dinheiro na economia. Para ministro brasileiro, é "dinheiro que cai de helicóptero". Já ministro alemão adverte que medida criaria mais problemas. Da Deutsche Welle.

Movimentos sociais apelam à realização de protestos

É preciso parar a agenda e o processo não democrático do G20 e construir, a partir de abaixo, alternativas social e ecologicamente sustentáveis e democráticas.

Aumenta o tom e a artilharia pesada na 'guerra de divisas'

O sistema financeiro transformou-se no calcanhar de Aquiles da economia mundial e encaminha-se para a sua queda. Por Marco Antonio Moreno.

O ABC do G-20

Quando foi criado o G-20? Que nações o compõem? Qual o seu peso na economia mundial? Quando ocorrem as reuniões e que se discute?

Entenda o que está em causa com a “guerra cambial”

Os Estados Unidos provocaram a desvalorização forte do dólar e inundaram o mundo com a sua moeda para cobrir os rombos dos seus défices. A lógica dessa movimentação tem por detrás o poder e os interesses do mercado financeiro. Extracto da análise do site IHU Online