You are here

Para lá da marioneta

Cortar nos salários e nos apoios sociais e aumentar o IVA comprime o mercado interno o que gera recessão e aumenta o desemprego. E as previsões costumam sair furadas. Por João Rodrigues
O bloco central é uma marioneta manobrada, à vez, por Merkel, por Bruxelas e pelos grandes grupos económicos – Foto de gaelx/flickr

O bloco central é uma marioneta manobrada, à vez, por Merkel, por Bruxelas e pelos grandes grupos económicos, à mistura com credores e especuladores tão gananciosos como descontrolados. A marioneta é uma personagem dum teatro orçamental que passou do cenário das negociações para o cenário da indefinição e logo passará para o cenário da viabilização orçamental. Ainda dei por mim a pensar, num momento de idealismo, que a marioneta olhou para o orçamento de 2011 e recuou perante o horror económico. No entanto, a peça do capitalismo medíocre, apostado numa brutal transferência de custos sociais para os mais vulneráveis, apostado na predação dos recursos públicos, está escrita. Os cortes na despesa pública, os mais profundos desde o 25 de Abril, vão originar quebras intensas, e assimétricas, nos rendimentos públicos e privados. É esse o efeito, é a economia do medo. E depois ainda há quem tenha a desfaçatez de vir dizer que é tudo muito promotor da poupança.

Levemos a sério, por um minuto, os argumentos dos economistas que maximizam sinecuras e que inspiraram a loucura do PEC III: equilíbrio das contas públicas, credibilidade internacional, financiamento da economia portuguesa, sustentabilidade das políticas sociais. Este são as palavras oficiais do regime. Mas as medidas oficiais, que complementam as palavras do regime, também as contradizem. Cortar nos salários e nos apoios sociais e aumentar o IVA comprime o mercado interno o que gera recessão e aumenta o desemprego. E as previsões costumam sair furadas: por exemplo, na precoce Irlanda previa-se um crescimento de 1% para 2009, no seguimento da austeridade, e acabou-se com uma quebra de 10%. Seguem-se novos cortes e um processo deflacionário. É assim que se pretende corrigir os desequilíbrios com o exterior, numa União construída para fazer com que o ajustamento se faça exclusivamente pelo “factor trabalho”, para usar a desumana expressão de Cavaco. Estamos em plena “doutrina do choque”, com ou sem FMI.

O diabo está nos detalhes desta utopia. Quem fez as contas sabe que os cortes salariais, que imitariam uma desvalorização cambial a sério e indisponível, são brutais. Entretanto, o mercado interno europeu, comprimido pela austeridade, assegurará uma saída para as exportações abaixo das previsões oficiais. A recessão continuará a pressionar as contas públicas e a garantir, neste ambiente intelectual moribundo, novos cortes. As falências, a quebra de rendimentos e o resto que se sabe aumentarão as dificuldades em servir a dívida privada e pública e logo afectarão o financiamento de toda a economia, levando ao incumprimento dos pagamentos. Os especuladores sem freios ampliarão tudo. Ciclo vicioso.

Os moralistas das finanças públicas farão a demagogia do costume porque o peso da dívida pública num PIB diminuído poderá não cair como se espera. Como se contraria isto? Com resistência social e política por toda a Europa. Só assim se poderá impedir este capitalismo de pilhagem, por enquanto no valor de mais de cinco mil milhões de euros em Portugal, entre cortes e impostos regressivos. Entretanto, temos de reconhecer que parte da saída para a crise é europeia e passa por um estimulo financiado pelo fundo europeu recém-criado, pelo BCE e por euro-obrigações, como defendem os estudos económicos da Confederação Europeia de Sindicatos. Não se apela à solidariedade da Alemanha, mas sim ao seu interesse próprio. A alternativa é ver o colapso dos seus mercados e os seus bancos a arder, tal como as periferias: Portugal, Irlanda, Grécia e Espanha. Os PIGS. E não esqueçamos o Leste europeu. O reforço do “estúpido” PEC, com sanções selectivas, é assim a expressão da miopia das elites europeias face ao desastre. O governo, claro, aceita tudo.

Por este caminho, vamos para a destruição do Estado-Providência e de todas as regras que protegem os trabalhadores, sem nada sobrar de uma economia civilizada. Será o objectivo deste euro? Os irresponsáveis que nos colocaram num euro disfuncional, os mesmo que ainda podemos ouvir por todo o lado, estão descansados nas suas mordomias. O povo não. Eu confio mais no povo. Greve Geral.

29 de Outubro de 2010

João Rodrigues

(...)

Resto dossier

Orçamento do Estado 2011

A proposta do OE para 2011 segue uma política de estagnação e recessão. O Governo, com o aval do PSD, falha no combate à fraude e evasão fiscal, fracassa na criação de emprego e atenta contra os direitos dos mais desfavorecidos e contra os serviços públicos.

Novo Código Contributivo: instrumento para mais austeridade

O novo Código Contributivo, previsto na proposta do Governo de OE’2011, é uma espécie de cereja amarga que completa o bolo envenenado, sobretudo para os trabalhadores a falsos recibos verdes.  Por Sofia Roque

Privatizações de empresas estratégicas fundamentais

O OE para 2011 prevê a privatização de uma empresa socialmente fundamental, como os CTT, e de empresas estratégicas de energia, transportes e seguros. O resultado será a degradação de serviços públicos e a prazo, a diminuição de receitas para o Estado.

OE'2011 aumenta recurso a precários no Estado

Governo quer aumentar para 39 milhões de euros a verba disponível para gastar em recibos verdes na Administração Central. O aumento do investimento na precariedade no Estado é de 205 pontos percentuais.

15 medidas para salvar o país da recessão

O Bloco propôs uma alternativa completa ao OE 2011 apresentado pelo Governo. As 15 medidas propostas permitem cortar 3.981 milhões na despesa, aumentar a receita em 4.400 milhões e dotar 3.460 milhões (cerca de 2% do PIB) em investimento e apoios contra a crise.

OE'2011: um orçamento ruinoso para o SNS

Cortar num orçamento super-deficitário é estrangular o SNS, é condená-lo a sucessivas limitações na sua capacidade de resposta, é diminuir a qualidade e a quantidade dos cuidados e da assistência prestada. Por João Semedo.

A lógica insustentável da austeridade recessiva

As políticas de contenção orçamental acelerada pretendem precisamente gerar efeitos recessivos, aumentar as desigualdades e asfixiar o Estado social. Por José M. Castro Caldas.

Para lá da marioneta

Cortar nos salários e nos apoios sociais e aumentar o IVA comprime o mercado interno o que gera recessão e aumenta o desemprego. E as previsões costumam sair furadas. Por João Rodrigues

OE’2011: ataque feroz aos direitos dos desempregados

Todas as previsões apontam para um aumento significativo do desemprego em 2011. A resposta do governo é reduzir as despesas com as prestações de desemprego para o próximo ano em 6,9%.

OE’2011: Penalização dos mais frágeis

O orçamento prevê diminuição do orçamento da Segurança Social de 984,4 milhões de euros. A acção social sofre um corte de 5,5%, o rendimento social de inserção de 20%, o abono de família de 22,6% e as prestações de desemprego de 6,9%.

Buraco do BPN: Governo ainda quer dar mais 400 milhões

OE'2011 prevê aumento do capital antes da conclusão do processo de privatização, aumentando a factura do empréstimo para 4.600 milhões de euros. Bloco já questionou o Ministério das Finanças sobre a “extensão desta factura do BPN aos contribuintes”.

O lugar da Cultura num orçamento que suspende a democracia

Na proposta de OE para 2011 não é só a curva de desinvestimento que se acentua no que toca ao Ministério da Cultura. O que se acentua também é o apagamento dos poucos investimentos com repercussão no território e geradores da pluralidade de acesso à cultura.

Bruto da Costa alerta: tectos para RSI violam Carta Social Europeia

"Pôr um limite ao financiamento [do Rendimento Social de Inserção] é em si perverso. Se houver uma queixa para o Conselho da Europa sobre esta medida, Portugal será muito provavelmente condenado", declarou ao Negócios Bruto da Costa.

Empresas públicas: Degradação nos serviços e reduções salariais de 20%

O corte de 15% nos custos das empresas públicas, exigido no OE 2011 proposto pelo Governo, irá levar a perdas de 20% nos rendimentos dos trabalhadores do sector e a cortes drásticos nos serviços públicos.