You are here

Congresso Internacional "60 anos bastam!"

As políticas da NATO e as alternativas ao militarismo serão discutidas no Congresso Internacional "Não à NATO, Não à Guerra. 60 anos bastam!" em Estrasburgo, nos dias 3 e 5 de Abril, com a presença de Tariq Ali, Jean Ziegler, Lidia Menapace e muitos outros. Veja aqui o programa

(...)

Resto dossier

NATO: 60 anos bastam!

A 3 e 4 de Abril de 2009, tem lugar em Baden-Baden (Alemanha) e Estrasburgo (França) a cimeira comemorativa dos 60 anos da NATO. Os chefes de estado e de governo dos 26 países membros vão discutir o alargamento da NATO a Leste e estratégias imponentes para fazer vingar o seu poderio militar. Os protestos começam dois dias antes e prometem juntar milhares de pessoas contra o militarismo e as guerras.

Cartazes do protesto nos 60 anos da NATO

O esquerda.net juntou neste dossier alguns posters e imagens de propaganda editadas pelas organizações e colectivos que convocam as manifestações e acções de protesto

A NATO que vá para o raio que a parta!*

A NATO não se limita apenas a bombardeamentos cirúrgicos e danos colaterais, é também responsável por massacres de civis, como em Nawabad, no Afeganistão, ou pela utilização de armas proibidas pelas convenções de Genebra na ex-Juguslávia (armamento com urânio empobrecido e bombas de fragmentação)
Artigo publicado em dissent.fr, tradução de José Costa  

Vídeos: Nato Game Over

Os protestos pelo fim da NATO, no 60º aniversário da organização militar, são convocados na internet. O esquerda.net divulga aqui alguns dos melhores vídeos da autoria de colectivos franceses, alemães e belgas. 

Cimeira da NATO: um testemunho da Alemanha

João Alexandrino Fernandes, correspondente do Esquerda.net na Alemanha, descreve as gigantescas medidas de segurança em torna da Cimeira da NATO, que deixam para segundo plano o conteúdo da reunião. Um excerto do discurso de Oscar La Fontaine e a posição do Die Linke sobre a NATO encontram-se também traduzidas neste artigo, pelo nosso correspondente.  

Apelo "Não à guerra - Não à NATO"

"Na passagem do sexagésimo aniversário da organização militar NATO, apelamos a toda a população para que venha a Estrasburgo e Baden-Baden protestar contra as políticas nucleares e militares agressivas da NATO e afirmar a nossa perspectiva de um mundo mais justo e livre de guerras". Leia aqui o apelo subscrito por organizações de todo o mundo para o protesto em Estrasburgo e Baden Baden.

Feministas europeias pedem dissolução da NATO

Nas acções contra a cimeira do aniversário, entre as organizações e activistas presentes, a voz do movimento feminista far-se-à ouvir bem alto pela paz, pelo encerramento das bases militares e a dissolução da NATO. Leia aqui o apelo da Iniciativa Feminista Europeia por Outra Europa e o manifesto do grupo de trabalho feminista do Partido da Esquerda Europeia.

NATO: 60 anos de quê?

Mas que vão celebrar os altos comandos da NATO e os chefe de governo dos países que a integram? "Sessenta anos de paz sem precedentes", anunciam! Bom, dentro da Europa há que exceptuar a trágica guerra dos Balcãs, a intervenção norte-americana e os bombardeamentos da NATO à Jugoslávia (a). E fora da Europa teremos de exceptuar a guerra dos EUA contra o Vietname, a guerra que os EUA monitorizam no Médio Oriente, a guerra do Iraque, a guerra do Afeganistão, além de outras agressões e invasões...
Artigo de Mário Tomé  

Encerrem a NATO

Desde a sua fundação que a NATO se apresentou como a defensora do chamado "Ocidente livre" contra o alegado comunismo agressivo. Se esta foi a verdadeira razão para a existência da NATO, ela devia ter sido dissolvida em 1991, aquando do fim do Pacto de Varsóvia. Mas isso não aconteceu.
Artigo de Andreas Speck, membro do Comité "Não à NATO", publicado no site da War Resisters` International  

Portugal fascista, fundador da NATO

Como se pode constatar, ainda hoje os argumentos dos defensores da nossa presença na NATO não são muito diferentes dos de 1949

Congresso Internacional "60 anos bastam!"

Em Abril, a NATO comemora os 60 anos com cerimónias oficiais em Estrasburgo e Baden-Baden. O movimento anti-guerra organiza o protesto, com manifestações, acampamentos e acções de desobediência civil durante a primeira semana de Abril.