You are here

Bancos: nova supervisão, novo supervisor

Com tanta cegueira, a supervisão bancária vai continuar cega. Ou seja, o regabofe na banca vai continuar. E se surgirem novos BPNs, BCPs ou BPPs, o estado corre em socorro de bancos e banqueiros falidos, sempre à custa do dinheiro dos portugueses. Só no BPN, já lá vão 2,5 mil milhões de euros. Por enquanto...

Em 2004, o PGR/DCIAP pergunta a Vítor Constâncio sobre o Banco Insular. Vítor Constâncio responde que não conhece.

Em 2005, é lançada a Operação Furacão. Abre telejornais e enche primeiras páginas durante vários dias. Vítor Constâncio não deu por nada.

O Banco Insular tem contas abertas no Montepio geral desde 1998. Vítor Constâncio não sabia, nem procurou saber.

Sucessivas inspecções do BdP ao BPN (2001, 2003, 2005, 2007) identificam processos e situações irregulares, indiciando práticas ilegais e, nalguns casos, sugerindo operações fraudulentas. Sistemática e reiteradamente, o BPN persiste e o BdP consente na desobediência. Justificação: eram pessoas idóneas, quem iria imaginar que Oliveira e Costa seria capaz de uma coisa daquelas.

Ingenuidade? Negligência? Proteccionismo? Com tanta informação disponível, como pode Vítor Constâncio vir agora falar em ingenuidade? Sabe-se hoje o que o BdP sabia sobre os esquemas no BPN. E sabia-o há demasiado tempo mas, apesar disso, não agiu a tempo e horas. A negligência do BdP facilitou e protegeu o gangsterismo financeiro que tomou conta do grupo SLN/BPN.

Vítor Constâncio acha que o BdP fez tudo que tinha a fazer porque as fraudes são inevitáveis. Diz-se, mesmo, de consciência tranquila. A leveza da sua consciência pesa muito nas contas públicas e no bolso dos portugueses: dois mil e quinhentos milhões de euros, até ao momento.

Teixeira dos Santos diz não haver nem outra nem melhor alternativa à nacionalização do banco. Esqueceu-se apenas de explicar para quem é que ela foi a melhor: para os accionistas, pois claro, assim "limpos" de qualquer responsabilidade tanto no colapso do banco como no pagamento do colossal buraco financeiro a que a sua ganância e aventureirismo conduziram.

Desta comprida e acidentada história de enganos, retiram-se algumas conclusões. Desde logo que a melhor maneira de assaltar um banco é administrá-lo. E que, isso é bem mais fácil quando o "polícia" é o Banco de Portugal. Por último, que a inadiável e reclamada mudança na supervisão bancária em Portugal exige a mudança do supervisor. Sem isso, nada feito.

João Semedo

(...)

Resto dossier

Caso BPN

Terminou a comissão de inquérito ao caso BPN, mas muitas questões ficaram sem resposta e a investigação judicial ainda continua. Neste dossier, Esquerda.net junta algumas das peças do puzzle. Dossier coordenado por Carla Luís e Luis Leiria.

A ruinosa operação de Porto Rico

Oliveira Costa disse na Comissão de Inquérito, sobre a compra das empresas de Porto Rico, que "se não fosse o raio da Biometrics hoje não estaríamos aqui. Foi um negócio ruinoso". Aqui se resume o que foi essa operação.

Semedo: Estado só nacionalizou os prejuízos do BPN

Uma das muitas coisas que ficaram por responder, no caso BPN, é porque o Estado nacionalizou apenas o BPN, deixando de fora os accionistas da SLN, que possui muitos activos, alguns deles de muito valor. "No fundo, isto significou que o Estado nacionalizou o prejuízo, e deixou algumas riquezas do outro lado", diz o deputado João Semedo, do Bloco de Esquerda, ao Esquerda.net.
Entrevista de Luis Leiria

 

Bancos: nova supervisão, novo supervisor

Constâncio não vê falhas na supervisão. Teixeira dos Santos não vê falhas em Constâncio. Conclusão: Vítor Constâncio não se demite do Banco de Portugal.
Bastam duas linhas para resumir o que se passou na comissão de inquérito ao BPN, ao longo das duas últimas semanas, marcadas pelas audições dos dois principais responsáveis pelo funcionamento do sector financeiro.
Artigo de João Semedo

Insólitos do Banco de Portugal no caso BPN

O "caso BPN" e a Comissão de Inquérito ficaram marcados por questões que ficaram sempre por resolver.
De início, simples perguntas foram sendo confrontadas com depoimentos ou documentos contraditórios. Muitas delas foram tendo respostas cabais durante a Comissão - veja-se, por exemplo, as versões contraditórias de Dias Loureiro e António Marta sobre a reunião no Banco de Portugal.

Frases que marcaram

De tudo o que foi dito na comissão de inquérito ao caso BPN, aqui fica uma curta selecção de frases que marcaram os trabalhos.

BPN – o que fica depois da Comissão de Inquérito?

189 horas e 33 minutos de reuniões, muitas horas mais de preparação das mesmas, pilhas e pilhas de papel a ler, outras tantas a produzir. Este é um dos balanços possíveis da Comissão de Inquérito mais mediática e mais exigente de sempre.
No Relatório, o "oficial", o tom é mais suave. Não se consegue evitar a crítica, nem sequer ao Banco de Portugal (BdP), mas o estilo é morno e nem quanto aos negócios fraudulentos consegue ser incisivo.
Artigo de Carla Luís "Cada português pode fazer o seu próprio relatório", disse Maria de Belém, no balanço final da Comissão. Mas e o que fica para além disso? Finda a comissão, o que resta dela? 

Cronologia do caso BPN

O Banco Português de Negócios foi criado em 1993. Em Outubro de 2008, são publicamente conhecidas as dificuldades de liquidez em que o banco se encontra. A 2 de Novembro de 2008, o Governo de José Sócrates decide nacionalizar o BPN. Leia aqui a cronologia do caso BPN por datas:

BPN: PS esvazia conclusões do inquérito

Estamos a menos de 24h de conhecer as conclusões que o PS vai apresentar à comissão de inquérito ao caso BPN e com as quais se encerrará um dossier político que se prolonga há mais de seis meses no parlamento. O PS encontrou um estratagema para adiar até ao último momento a divulgação destas conclusões: artificialmente, "criou" dois relatórios, o expositivo e o conclusivo, o primeiro supostamente composto pelos factos e, o segundo, com as conclusões, sendo evidente que estas constituem a parte de leão do relatório.
Artigo de João Semedo

Vídeos do esquerda.net sobre o caso BPN

Francisco Louçã, a 5 de Novembro de 2008, lembrou a história do BPN e dos seus administradores, uma galeria de notáveis dos governos do PSD.

Declaração de voto do Bloco de Esquerda

Texto da declaração de voto do Bloco de Esquerda que explica porque votou contra o relatório final da comissão de inquérito ao caso BPN