You are here

Centenário da República

Há cem anos, o Estado monárquico e a dinastia não demonstraram a capacidade de neutralizar o perigo republicano, ensaiando uma autoreforma do sistema, nem encontram entre as classes possidentes qualquer disposição efectiva de defender o status quo. Também para elas, nas novas condições, aquela monarquia liberal, instável e ineficiente não servia.

Do outro lado, a Lisboa popular, proletária, plebeia não se limitava a ser antimonárquica, radical e republicana. Sob os auspícios da Carbonária, era revolucionária, isto é, estava profundamente decidida e empenhada em impôr ao PRP o derrube do trono através da insurreição armada.

A maioria dos dirigentes do PRP, uns mais convictos do que outros, aderem à via revolucionária, nem que fosse para controlar e domesticar os ímpetos irreprimíveis dos «bons primos» e da «populaça».

(...)

Resto dossier

Centenário da República

Há cem anos, o Estado monárquico e a dinastia não demonstraram a capacidade de neutralizar o perigo republicano, ensaiando uma autoreforma do sistema, nem encontram entre as classes possidentes qualquer disposição efectiva de defender o status quo.

A crise do liberalismo oligárquico em Portugal

A crise dos sistemas liberais surgiu potenciada por uma inédita irrupção das massas na política. Emergiram novas classes e grupos sociais portadores de pretensões e expectativas que chocam com a velha ordem social, com a natureza oligárquica, elitista e restritiva dos sistemas liberais instalados. Por Fernando Rosas

República portuguesa nasceu numa Europa ainda monárquica

A Lisboa republicana, operária e revolucionária, constitui-se como o elemento chave da conspiração republicana que, após o regicídio a 1 de Fevereiro de 1908, instaurará a República a 5 de Outubro de 1910, numa Europa, à excepção da confederação suíça e da III República Francesa, esmagadoramente monárquica. Por Francisco Bairrão Ruivo

Anarquistas no dealbar de Novecentos: O despertar dos famintos

O “despertar dos famintos”, que os anarquistas se encarregaram de ampliar e enquadrar no dealbar do século, está indissociavelmente ligado ao processo de desagregação e queda da Monarquia. Por João Madeira.

Porque caiu a República?

Nas vésperas do 28 de Maio, a República era um regime assediado por múltiplas conspirações e com uma crise de legitimidade profunda. Por Luís Farinha.

Folheto: 100 anos da República

Compreender até que ponto a actual democracia portuguesa é herdeira legítima de uma fibra republicana, é recuperar uma memória identitária forjada na combustão de um ideário que se foi afirmando até ser poder e quando poder se cumpriu e incumpriu, mas se manteve enquanto corpus ideológico, enquanto património político que atravessa todo o século XX português.