You are here

Mil bombeiros combatem 22 fogos no país

Cerca de mil operacionais combatem no terreno os 22 fogos que estão activos desde manhã, nesta quinta-feira, em cinco distritos, segundo informações da Autoridade Nacional de Protecção Civil. Desde Julho, já arderam mais de 45 mil hectares e neste mês já morreram três bombeiros.
Cerca de 500 bombeiros combateram, na madrugada de 10 de Agosto, as chamas do incêndio que lavrava em São Pedro do Sul há cinco dias. Foto Nuno André Ferreira/LUSA

Dos distritos atingidos (Braga, Guarda, Viana do Castelo, Vila Real e Viseu) é a Guarda aquele que regista mais incêndios significativos, ou seja, aqueles que estão activos há pelo menos duas horas, que têm ao dispor pelo menos dez veículos ou três meios aéreos pesados, avança o Público.

No quadro traçado pela Autoridade Nacional de Protecção Civil (ANPC), as chamas que estão activas há mais tempo são as de Vilarinho das Furnas, concelho de Terras de Bouro e em pleno Parque Nacional Peneda-Gerês. O fogo deflagrou a 7 de Agosto, e já motivou a activação do Plano Municipal de Emergência de Terras do Bouro. Às 08h23 tinha duas frentes activas.

O distrito de Braga regista ainda outro incêndio, também no Parque Nacional Peneda-Gerês, desta vez em Calcedónia (Terras de Bouro). Estão no terreno 114 homens, apoiados por 38 viaturas. O fogo, com uma frente activa, deflagrou anteontem às 13h15 e está a consumir mato.

Viana do Castelo tem activos incêndios em Mezio/Travanca (Arcos de Valdevez), Soajo (Arcos de Valdevez e em Parque Nacional Peneda-Gerês) e em Cerquido (Ponte de Lima).

Dois incêndios estão activos em Vila Real: Sirarelhos (Vila Real) e Lapela (Montalegre e em Parque Nacional Peneda-Gerês).

Por fim, o distrito de Viseu combate as chamas em Aguaneiras (São Pedro do Sul), Quinta dos Caetanos (Moimenta da Beira) e Vila Boa (Castro Daire).

Segundo avança, esta quinta-feira, o Jornal de Notícias, nos últimos 30 dias, entre 12 de Julho e 10 de Agosto, arderam mais de 45 mil hectares, com mais de 92 por cento da área ardida a Norte do Mondego. Os dados baseiam-se no Sistema Europeu de Informação de Fogos Florestais (EFFIS).

Na quarta-feira a ANPC registou um total de 408 incêndios.

Floresta nacional perde valor

Segundo o Diário de Notícias (DN), os incêndios florestais de Agosto atingem já os 20 milhões de euros de prejuízos, a que há que juntar os custos com a reparação das infra-estruturas, logísticos e as perdas das populações.

No terreno, o dia de quarta-feira ficou marcado pela morte de uma bombeira em Gondomar, a terceira este mês, e pela extinção do maior fogo do ano que reacendeu a polémica da falta de coordenação.

Os fogos continuam a dizimar uma riqueza que, segundo uma estimativa do Ministério da Agricultura relativa a 2001, vale 1,3 mil milhões de euros. Mas desde então os fogos têm dizimado grande parte da floresta onde as perdas económicas apontam para um valor médio de 2500 euros por hectare de pinheiro ardido, 1500 euros por cada hectare de eucalipto e 1500 euros por hectare de sobreiro. Mas Domingos Patacho, da Quercus, alerta que esse "é um valor indicativo. Na realidade é bem superior", disse ao DN. 

Tendo em conta as áreas ardidas já divulgadas pelo Sistema Europeu de Informação de Fogos em Agosto, este prejuízo chega aos 20 milhões de euros, só em Agosto.

Só em S. Pedro do Sul o prejuízo pode ultrapassar os 9 milhões de euros. Para as gentes da Gralheira, que dificilmente terão qualquer ajuda pública, a perda é grande: "ficámos sem nada", desabafam.
 

Artigos relacionados: 

Termos relacionados Ambiente
(...)