Ricardo Moreira

Ricardo Moreira

Engenheiro e mestre em políticas públicas. Dirigente do Bloco.

As pessoas precisam de segurança nas suas vidas e o Governo tem de garantir essa segurança e recusar a austeridade que a União Europeia parece querer fazer voltar.

Os pequenos comerciantes dos mercados e do comércio local mantêm o emprego e pagam impostos em Portugal, contribuindo para o bem comum. Um exemplo de resistência e reinvenção.

Entre autarquia e juntas de freguesia de Lisboa, com o apoio de mais de um milhar de voluntários, a ajuda vai chegando às populações mais vulneráveis.

Numa situação extraordinária, o Bloco está a tomar as rédeas da resposta social na cidade de Lisboa, não deixamos ninguém para trás e essa é a diferença de ter um vereador na capital em tempos de Covid19.

Fernando Medina sempre recusou que os negócios que estava a fazer com o setor imobiliário fossem considerados como uma PPP, mas o Tribunal de Contas foi claro: eram mesmo PPP e, ainda por cima, estavam mal desenhadas, sendo prejudiciais para o interesse público.

Apesar de Lisboa ter sido eleita Capital Verde Europeia em 2020, não se conhece qualquer medida para a redução da poluição emitida pelos navios de cruzeiro.

Como já alguém disse, no dia em que assumirmos que existe racismo institucional teremos de o começar a resolver, talvez seja isso que explica tanta resistência.

Em dois anos mostrámos nos pelouros da Educação e dos Direitos Sociais que é possível uma política autárquica alternativa. Mas o Bloco fez mais, mudou a maneira de fazer política na cidade. Por Ricardo Moreira

Para alcançar as metas previstas para Lisboa no programa da Capital Verde 2020 temos, entre outras, de superar a dependência dos combustíveis fósseis e concretizar a transição energética.

Com o ‘boom’ do turismo veio o ‘boom’ das plataformas digitais, que não cumprem os direitos do trabalho. E com elas os trabalhadores que não pagam impostos sobre o trabalho, nem Segurança Social, que não têm seguro. São algoritmos.