You are here

Resíduos: bomba-relógio nuclear

Os resíduos radioactivos guardados actualmente debaixo da terra podem converter-se em enormes arsenais atómicos dos Hitler de amanhã. Por Risto Isomäki, IPS
Manifestação contra a construção de centrais nucleares na Finlândia. Foto de Greenpeace Finland

Helsínquia, Finlândia – Depois de décadas de preparação e de pesquisas, os Estados Unidos abandonaram o seu plano de armazenar resíduos nucleares na montanha Yucca, no Deserto de Nevada. Por outro lado, Finlândia e Suécia levam adiante os seus próprios planos e pretendem colocar o seu combustível esgotado em cilindros de ferro e cobre que serão enterrados num leito de rocha.

A empresa finlandesa Posiva está a construir um vasto sistema de covas dentro de uma formação rochosa perto do complexo de energia nuclear Olkiluoto, no Golfo de Botnia, oeste do país. A firma acredita que o sistema de covas Onkalo seja capaz de armazenar de forma segura, pelo menos por cem mil anos, o combustível nuclear usado pelos geradores da Olkiluoto.

Quando o combustível é retirado do reactor, e depositado numa pilha de resfriamento, está muito quente e tem cerca de mil milhões de vezes mais radioactividade do que o urânio natural. Depois de cem anos, o combustível nuclear é cem mil vezes mais radioactivo; após mil anos, cinco mil vezes, e depois de cem mil anos apenas 200 vezes mais radioactivo do que o urânio natural.

Na ocasião, as substâncias naturais existentes na crosta terrestre produzirão, para cada quilometro quadrado, mais decomposições radioactivas do que um depósito de combustível nuclear como Onkalo. Porém, há um problema mais grave, que é ignorado pelas autoridades encarregadas pelo controle nuclear, a Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA) e as empresas de energia nuclear.

Entre os resíduos radioactivos, existem também cerca de 20 ou 30 quilos de plutónio para cada tonelada de combustível nuclear usado. O plutónio pode ser separado do urânio por métodos químicos, desenvolvidos no Século 20. Cada país que possui combustível nuclear usado pode fabricar uma bomba atómica simplesmente dissolvendo as barras de combustível em ácido e extraindo o plutónio.

Outro método de fazer uma bomba é enriquecer a proporção do isótopo fissionável 235 no combustível de urânio. Isto é muito mais complicado porque os diferentes isótopos não podem ser separados por meios químicos. Quando os cientistas a serviço de Adolf Hitler tentaram isso na Segunda Guerra Mundial (1939-1945), só conseguiram enriquecer o conteúdo do urânio 235 de 0,7% para 1,5% num grama de gás hexafluoreto de urânio.

Como seriam necessários 400 quilos com um conteúdo de 20% de urânio 235 para fabricar uma pequena bomba nuclear, nem sequer se aproximaram desse objectivo. Com plutónio poderiam ter conseguido em questão de meses ou semanas. A Finlândia, por exemplo, planeia enterrar 11 mil toneladas de combustível nuclear usado, suficientes para obter dezenas de milhares de bombas atómicas como a lançada sobre Nagasaki, num sistema de covas cuja localização exacta é de domínio público.

Além disso, o plutónio torna-se mais perigoso, e não menos, na medida em que passam os anos. Quando o combustível nuclear é enterrado, contém entre 65% e 70% do isótopo 239, ideal para fabricar armas nucleares. Inclusive este tipo de plutónio usado em reactores pode ser empregado para uma bomba, mas outros exóticos de plutónio (238, 240 e 241) são causadores de uma série de complicações, embora tenham uma vida média mais curta do que a do 239.

Isto significa que o plutónio num depósito de combustível usado torna-se naturalmente enriquecido, convertendo-se primeiro em plutónio apto para armas, “de grau de armamento”, e depois em plutónio de grau de reactor. Finalmente, transforma-se em plutónio 239 quase puro e só uma minúscula quantidade é suficiente para a primeira fase de uma arma nuclear maciça de duas ou três fases.

Os Hitler, Stalin ou Gengis Kan do futuro buscarão sem descanso os depósitos de combustível nuclear gasto, com ajuda de geólogos, antropólogos, historiadores e aparelhos como espectrómetros e contadores Geiger. Ter acesso a uma câmara do tesouro como Onkalo, depois de dez mil ou cem mil anos, permitiria fabricar um enorme arsenal nuclear e asseguraria o domínio do mundo a um futuro Hitler. É este o legado que queremos deixar para as próximas gerações?

26 de Julho de 2010

* O autor é ambientalista e premiado escritor finlandês, e seus romances foram traduzidos para vários idiomas. Direitos exclusivos IPS.

Artigos relacionados: 

Termos relacionados Energia nuclear, Ambiente
Comentários (2)