You are here

Japão: Condenado activista contra a caça à baleia

O neo-zelandês Peter Bethune foi condenado por atirar ácido sobre uma embarcação, obstruindo as actividades de caça. Por Tomi Mori, de Tóquio para o Esquerda.net
Peter Bethune - Foto de wikimedia commons

O activista Peter Bethune, da Nova Zelândia, foi condenado, na quarta-feira, pelo tribunal de Tóquio. O veredicto final foi a pena de dois anos de prisão, suspensa por cinco anos.

Bethune, capitão do Ady Gil, uma embarcação da Sea Sheperd Conservation Society, uma organização ecológica que luta contra a caça às baleias, foi preso e julgado por atacar uma embarcação japonesa no Oceano Antárctico. Foi condenado por ter lançado, junto com outros membros da organização, uma garrafa de ácido butírico no Shonan Maru 2, embarcação da frota que caçava baleias, obstruindo as actividades e ferindo um tripulante de 25 anos, no dia 11 de Fevereiro. No dia 15 de Fevereiro, Bethune cortou uma rede de um barco com uma faca e subiu a bordo.

O activista recebeu suspensão da pena por afirmar que não participara de outras actividades no Oceano Antárctico e por ter pago a rede danificada.

Bethune alegou que não tinha intenção de ferir ninguém. Mas o juiz disse que o activista tinha consciência de que a garrafa poderia ferir os tripulantes. No veredicto final, o juiz Takashi Tawada proferiu: “O incidente fez parte do comportamento violento e obstrutivo da Sea Sheperd, em desafio a resoluções e linhas da International Whaling Comission, que não permite tais acções obstrutivas.”

Após o julgamento, Peter Bethune, foi transferido para instalações da imigração japonesa como suspeito de entrada ilegal, já que não portava passaporte quando subiu na embarcação japonesa. Após passar pela imigração japonesa, o activista foi deportado.

O Japão é um dos poucos países que continua a caçar baleias cinicamente, alegando que são para pesquisas cientificas. Mas a utilização da carne de baleia, que faz parte da cultura japonesa e era consumida anteriormente pela população de mais baixa renda, continua ainda a ser praticada no pais. Encontra-se carne da baleia em mercados, e existem restaurantes especializados nessa duvidável iguaria.

Não se pode passar por cima das tradições culturais de um pais de maneira irreflectida ou ditatorial, como acontece em muitos casos. Mas também as tradições existem para serem mudadas, principalmente com a evolução social e as mudanças de época. Nos dias de hoje, ninguém conseguiria defender o canibalismo alegando que fez parte da tradição desta ou de outra tribo. Também não se justifica, com o avanço da consciência ecológica na sociedade actual, continuar a comer baleias, cães, macacos e outros animais.

O Japão tem fome voraz não só em relação às baleias, como também tem dizimado a população mundial de atuns do planeta. O atum é uma alimentação popular e faz parte da dieta japonesa, mas chegamos a uma situação em que esse peixe pode ser exterminado da face do planeta, se se continua a comê-lo indiscriminadamente.

Tempos atrás, também se falou de que a fome pelas enguias, que são bastante consumidas no pais, estava a acabar com as populações europeias, que estavam a ser pescadas e exportadas para a China, para lá serem processadas e exportadas para o Japão.

Não conheci uma pessoa em toda a minha vida que defenda um tubarão, mas no Japão essa espécie sofre um violento crime, já que milhares são mortos, retiram-lhes apenas as famosas barbatanas, utilizadas nos restaurantes de comida chinesa e o restante é atirado para o lixo. Pode-se defender tal prática, mesmo alegando que a sopa de barbatana de tubarão é um prato que faz parte da cultura chinesa e também do cardápio japonês? Infelizmente, os tubarões, que possuem má fama, não têm amigos que os defendam.

O resultado do julgamento, se é que se pode dizer isso, foi recebido com alívio pelas organizações ecológicas. Na Nova Zelândia, e noutras partes do globo, os activistas consideram Bethune um herói.

Termos relacionados Ambiente
(...)