You are here

A guerra de classes moderna

A Grécia é um microcosmo de uma guerra de classes moderna que é raramente relatada como tal e que é combatida com toda a urgência do pânico entre os ricos imperiais. Por John Pilger
Protesto em Atenas. Foto de endiaferon, FlickR

Enquanto a classe política britânica finge que é democracia o seu casamento negociado dos conservadores com os liberais-democratas, a inspiração para o resto de nós é a Grécia.

Não é de admirar que a Grécia seja apresentada não como um farol mas como um “país-lixo”, que teve o que merecia devido ao seu “inchado sector público” e à sua “cultura de cortar pelos cantos” (The Observer). A heresia da Grécia é que a revolta dos seus cidadãos comuns oferece uma esperança genuína, ao contrário daquela que foi esbanjada pelo senhor da guerra na Casa Branca.

A crise que levou ao “resgate” da Grécia pelos bancos Europeus e o Fundo Monetário Internacional (FMI) é o produto de um sistema financeiro grotesco que está ele próprio em crise. A Grécia é um microcosmo de uma guerra de classes moderna que é raramente relatada como tal e que é combatida com toda a urgência do pânico entre os ricos imperiais.

O que torna a Grécia diferente é que na sua memória viva está a invasão, a ocupação estrangeira, a traição pelo Ocidente, a ditadura militar e a resistência popular. O seu povo não se deixa intimidar pelo corporativismo corrupto que domina a União Europeia. O governo de direita de Costas Caramanlis, que precedeu o actual governo do PASOK de George Papandreou, foi descrito pelo sociólogo Francês Jean Ziegler como “uma máquina para pilhagem sistemática dos recursos do país”.

A máquina tinha amigos infames. A Reserva Federal Norte Americana está a investigar o papel de Goldman Sachs e de outros operadores de fundos de risco americanos que apostaram na falência da Grécia quando os bens públicos foram vendidos e a sua evasão fiscal de 360 mil milhões de euros foi depositada em bancos suíços. Os maiores armadores Gregos transferiram as suas empresas para fora do país. Esta hemorragia de capital continua, com a aprovação dos governos e dos bancos Centrais Europeus.

Situado nos 11%, o défice grego não é superior ao défice americano. No entanto, quando o governo de Papandreou tentou pedir dinheiro à comunidade financeira internacional, foi eficazmente bloqueado pelas agências de rating (notação) americanas, que “baixaram a classificação” da Grécia até ao estatuto de “lixo”. Foram estas mesmas agências que avaliaram com triplo-A milhares de milhões dólares das chamadas hipotecas subprime, precipitando assim o colapso económico em 2008.

O que aconteceu na Grécia foi roubo a uma escala sem precedentes, embora não totalmente desconhecida. Na Inglaterra, o “resgate” de bancos como Northern Rock e o Royal Bank of Scotland custou milhares de milhões de libras. Graças ao anterior primeiro-ministro Gordon Brown e à sua paixão pelos instintos ambiciosos da City de Londres, estas dádivas de dinheiro público foram incondicionais, e os banqueiros têm continuado a pagar uns aos outros o saque a que eles chamam bónus.

Sob a monocultura política Britânica, eles podem fazer o que quiserem. Nos Estados Unidos, a situação é ainda mais marcante, conforme relata o jornalista investigador David DeGray, “[como os bancos mais importantes de Wall Street] que destruíram a economia pagam zero de impostos e recebem 33 mil milhões de dólares de reembolsos.”

* * *

Na Grécia, tal como na América e Inglaterra, foi dito ao povo que teria de reembolsar os ricos e poderosos das dívidas em que eles próprios incorreram. Empregos, pensões e serviços públicos são para ser cortados e queimados, sob o comando de piratas.

Para a União Europeia e o FMI, a oportunidade aponta para uma “mudança de culturas” e para o desmantelamento da segurança social da Grécia, tal como o FMI e o Banco Mundial “ajustaram estruturalmente” (empobrecendo e controlando) países por todo o mundo desenvolvido.

A Grécia é odiada pela mesma razão que a Jugoslávia teve de ser destruída fisicamente sob o pretexto de protecção ao povo do Kosovo. Muitos gregos são funcionários do estado, e os jovens e os sindicatos envolveram-se numa aliança popular que não tem sido pacífica; os tanques dos coronéis nos campus da Universidade de Atenas mantêm-se um fantasma político.

Tamanha resistência é anátema para os banqueiros centrais europeus e é considerada como uma obstrução à necessidade principal da Alemanha de capturar mercados após a sua conturbada reunificação.

Na Grã-Bretanha, tem sido tal a propaganda de 30 anos de uma teoria económica extrema inicialmente conhecida como monetarista, e depois como neoliberal, que o novo primeiro-ministro pode, tal como o anterior, descrever como “fiscalmente responsáveis” as suas exigências de que o cidadão comum pague as dívidas dos desonestos.

No que ninguém fala é sobre a pobreza e as classes. Quase um terço das crianças britânicas está abaixo do limiar de miséria. Na classe trabalhadora de Kentish Town, em Londres, a esperança de vida do homem é de 70 anos. Contudo, a cerca de três quilómetros de distância, em Hampstead, já é de 80 anos. Quando a Rússia foi submetida a uma idêntica “terapia de choque” nos anos 90, a esperança de vida caiu a pique. Um recorde de 40 milhões de americanos pobres está actualmente a receber senhas para comer: isto significa que eles não têm capacidade de pagar a sua própria alimentação.

No mundo desenvolvido, um sistema de triagem imposto pelo Banco Mundial e pelo FMI há muito que determina se as pessoas devem viver ou morrer. Quando as tarifas e os subsídios para alimentação e gasóleo forem eliminados pela ditadura do FMI, os pequenos agricultores sabem que foram declarados como dispensáveis. O Instituto de Recursos Mundiais calcula que o número de mortes de crianças por ano esteja entre os 13 e os 18 milhões. “Isto,” escreveu o economista Lester C. Thurow, “nem é metáfora nem simulação de guerra, mas guerra a valer.”

As mesmas forças imperiais têm usado armas militares horrendas contra países cuja maioria são crianças, e têm aprovado a tortura como um instrumento de política externa. É um fenómeno de negação que nenhum destes assaltos à humanidade, em que a Grã-Bretanha esteve activamente envolvida, pôde interferir nas eleições britânicas.

As pessoas nas ruas de Atenas não sofrem deste mal. Elas têm a noção clara de quem é o inimigo e consideram-se elas próprias, uma vez mais, sob ocupação estrangeira. E uma vez mais, levantam-se com coragem. Quando David Cameron começar a cortar 8,7 mil milhões de dólares dos serviços públicos na Grã-Bretanha, vai dizerr que o que aconteceu na Grécia não vai acontecer na Grã-Bretanha. Devíamos provar que ele está errado.

24 de Maio de 2010

Retirado do Socialist Worker. Publicado primeiro no New Statesman.

Tradução de Noémia Oliveira para o Esquerda.net

(...)

Resto dossier

Crise económica - nova fase

Um leque de artigos sobre a crise económica internacional. Opiniões e análises alternativas às que todos os dias saem nos órgãos de comunicação social 'mainstream'. Actualizado permanentemente. 

Paul Krugman alerta para terceira depressão

O mundo pode estar nos primeiros estágios de uma terceira depressão, com o custo de milhões de vidas arruinadas pela falta de empregos, alerta o prémio Nobel Paul Krugman

Crise: Quais as respostas progressistas?

É preciso esmagar as desigualdades: por um lado, pelo aumento da massa salarial e, por outro, pela reforma fiscal. Por Michel Husson, Os novos tempos. 

Um furacão de austeridade paira sobre a Europa

O Fundo Monetário Internacional, depois de impor durante anos medidas duras de ajustamento das contas públicas aos países do sul, impõe agora as suas receitas neoliberais na Europa, diminuindo os direitos laborais em favor de políticas liberais que perpetuam o sistema capitalista. Por Jérôme Duval, Damien Millet e Sophie Perchellet, do Comité para a Anulação da Dívida do Terceiro Mundo (CADTM).

Não são os mercados, mas os bancos que dominam a UE

Este artigo documenta o enorme poder e influência que a banca dos países do centro da UE têm sobre o Conselho Europeu, a Comissão Europeia e o Banco Central Europeu.

EUA: a hipocrisia dos "falcões do défice"

O mais revoltante é que, depois de terem sido os maiores beneficiários da magnanimidade do governo nos últimos anos, são precisamente as elites de Walll Street que agora atacam a política fiscal do governo como “irresponsável” e “insustentável”. Por Marshall Auerback, new deal 2.0

"Somos todos trabalhadores gregos"

As Attac na Europa estão solidárias com o povo grego e exigem verdadeiras soluções para a crise do euro.

A guerra de classes moderna

A Grécia é um microcosmo de uma guerra de classes moderna que é raramente relatada como tal e que é combatida com toda a urgência do pânico entre os ricos imperiais. Por John Pilger

“A zona euro está um despenhadeiro”

Em entrevista ao jornal Washington Post, o economista norte-americano James K. Galbraith critica a receita ortodoxa que recomenda o corte de gastos públicos como maneira de enfrentar a crise. Para ele, o que está a acontecer na Europa é desolador.

Crise do euro: precisamos sair de cabeça erguida!

A pretexto da dívida pública, o neoliberalismo tem uma ocasião sem precedentes para impor a sua lógica derradeira: transferir uma parte cada vez maior dos rendimentos dos assalariados, dos reformados e dos desempregados para os grandes detentores do capital. Por Dominique Plihon e Aurélie Trouvé, publicado no Le monde.fr

Que mercados financeiros?

Na realidade, os mal denominados mercados têm muito pouco de mercado. São bancos com muito lucro e poucos riscos. Se os mercados financeiros fossem mercados de verdade, os bancos teriam de absorver as perdas em investimentos financeiros falidos.

Salvar os bancos até quando?

Até os mais consistentes e autorizados comentadores se aperceberam que as enormes somas reunidas com dificuldade para «salvar a Grécia» são efectivamente destinadas a salvar.... os investidores: bancos, fundos e outros credores internacionais. Por Frédéric Lordon

As políticas promovidas pela União Europeia são ineficazes e injustas

É fácil demonstrar que a causa dos problemas dos países com grandes dificuldades não é a despesa pública excessiva. Na realidade, todos eles (Grécia, Portugal, Espanha e Irlanda) têm, em percentagem do PIB, uma despesa pública mais baixa que a média da União Europeia dos Quinze.

Crime organizado contra a Grécia

O “plano de salvamento” adoptado pela União Europeia (UE) e pelo FMI impede os debates e medidas democráticas que há que impor na Grécia e em toda a Europa: abertura dos livros de contas (dos estados, dos bancos, das empresas) e balanço do fracasso da UE neoliberal como atesta o recurso ao FMI. Artigo de Hugo Harari-Kermadec, Catherine Samary

"O povo grego está a lutar por toda a Europa.”

Nesta entrevista da Democracy Now, Amy Goodman convidou Tariq Ali e Mark Weisbrot para debater a crise e a resposta popular na Grécia.   

Espanha: Governo baixa salários e corta no investimento público

Zapatero anunciou, entre outras medidas de redução de despesas, a baixa de 5% dos salários dos funcionários públicos em 2010. As centrais sindicais opõem-se e falam de contestação nas ruas. 

UE aprova pacote de 750 mil milhões

Na madrugada desta segunda-feira os ministros das Finanças da União Europeia aprovaram a criação de um novo “mecanismo de estabilização financeira”. 

A Eurolândia arde

No caso grego quem está no banco dos réus não são os bancos freneticamente especulativos, mas os Estados sociais. A falência pública grega beneficiaria a quem? Por Michael Kratke.   

Europa Oriental: Desempregados como os pais

Uma geração de meninos e meninas da Europa oriental será pobre quando chegar à idade adulta devido ao prolongado desemprego dos seus pais. Por Pavol Stracansky, da IPS. 

Europa: as guerras da dívida que se aproximam

A dívida pública na Grécia foi a primeira de uma série de bombas que estão prontas a explodir na Europa. Para as nações relutantes a saldar a dívida em euros, as nações credoras tem os seus "músculos" preparados: as agências de rating. Por Michael Hudson

Orçamento federal não é como o das famílias

Já todos ouvimos o argumento dos políticos da austeridade acerca do défice, comparando o orçamento de Estado com o de cada família. Neste artigo, o economista Randall Wray olha para a história económica dos EUA para mostrar que essa é uma comparação sem sentido.