You are here

Jorge Costa

Deputado e dirigente do Bloco de Esquerda. Jornalista.

Artigos do Autor(a)

2013/03/17 - 3:40am

A privatização do banco Totta & Açores em 1989 deu origem a uma grande polémica sobre a passagem da banca nacional para mãos espanholas. Champallimaud, recém-indemnizado pelo Estado, ficou com o banco apelando à proteção dos empresários nacionais, antes de o vender ao Santander. E quem mexeu os cordelinhos deste negócio do lado do Estado aparece depois do lado do banqueiro.

2013/03/03 - 12:51am

A manifestação de hoje já mudou o futuro imediato da luta social.

2012/09/16 - 11:55am

A manifestação não foi um “grito de alma”. Precisamos agora de uma greve geral.

2012/06/26 - 1:34am

Das coisas que a troika e a esquerda podem aprender na Grécia.

2012/06/14 - 9:53am

O dirigente bloquista Jorge Costa está em Atenas, onde tem participado na campanha da Syriza. Nestas "Notas de Atenas" relata ao esquerda.net as suas impressões acerca do momento político grego, em vésperas das eleições que podem trazer mudança à Europa asfixiada pela austeridade e o roubo.

2012/03/24 - 12:03pm

Faz este sábado 50 anos da jornada que marcou o início da Crise Académica de 1962 quando, em Lisboa, na sequência da proibição do Dia do Estudante, a polícia espancou e prendeu estudantes, ocupou instalações universitárias e cantinas. Por Jorge Costa.

2012/03/19 - 1:54pm

Em França, o candidato do PS vai à frente nas sondagens. Há quem veja um sinal de esperança para a Europa. Pelo contrário, François Hollande desfaz ilusões.

2012/01/11 - 12:02am

Que têm em comum António Barreto, Dias Loureiro, António Borges e Artur Santos Silva? Todos estão na folha de pagamentos da Jerónimo Martins, um grupo exemplar, não só na esperteza fiscal. 

2012/01/08 - 5:24pm

Que têm em comum António Barreto, Dias Loureiro, António Borges e Artur Santos Silva? Todos estão na folha de pagamentos da Jerónimo Martins, um grupo exemplar, não só na esperteza fiscal. Por Jorge Costa

2011/10/20 - 2:23pm

A manifestação de 15 de Outubro surpreendeu a política planificada. E agora?

Pages