You are here

Manifs em Lisboa e Porto pelo fim da prospeção de gás e petróleo

Centenas de pessoas saíram às ruas de Lisboa e Porto enquanto decorre a COP 22, sob o lema "Salvar o Clima, Parar o Petróleo".
Manifestação em Lisboa

As manifestações em Lisboa e Porto juntaram centenas de pessoas em protesto contra a prospeção e exploração de gás e petróleo em Portugal e a favor do combate às alterações climáticas, numa altura em que a Casa Branca está em vésperas de ser ocupada por um adversário desse combate.

“Os acordos de Paris já eram um passo muito tímido, embora importante, no combate às alterações climáticas. Esse acordo hoje está em perigo com a vitória de Donald Trump nos Estados Unidos e exige uma mobilização global em defesa do planeta e em nome de metas mais ambiciosas para combater as alterações climáticas”, afirmou o deputado bloquista Jorge Costa na manifestação em Lisboa (ver fotogaleria).

“É preciso que as pessoas se mobilizem, é preciso objetivos mais ambiciosos e compromissos de todos os países. Não aceitamos retrocessos, é preciso que a sociedade norte-americana seja envolvida e que haja uma ponte estendida em direção aos EUA para evitar retrocessos num processo que já é tão frágil e tão urgente”, declarou Jorge Costa à RTP.

Ana Rita Antunes, da associação Zero, afirmou ao esquerda.net que “para ficarmos abaixo dos 2ºC e o mais perto possível de 1.5ºC de limite de aumento da temperatura global, é necessária uma aposta permanente nas energias renováveis para salvar o planeta, e parar as novas explorações de petróleo”.

“Temos de alertar toda a gente para o que se passa em Portugal” no que diz respeito às concessões para a exploração de gás e petróleo, disse ao esquerda.net outra ativista envolvida na convocatória desta manifestação. Laurinda Seabra, da Associação de Surf e Actividades Marítimas do Algarve revelou que o movimento no Algarve está a preparar para 2017 “um referendo popular nos 16 concelhos durante 16 semanas”

"Já sabemos o que os outros países puderam contar" com a exploração de petróleo e gás

O protesto no Porto decorreu sob forte chuva, mas os ativistas não desmobilizaram durante a tarde, com a luta contra a prospeção de gás e petróleo no topo da agenda de reivindicações (ver fotogaleria). Paula Sequeiros, do Coletivo Clima, lembrou que “as pessoas desconhecem que os contratos de prospeção prevêem que elas possam chegar até à costa do Porto”.

“É particularmente preocupante porque sabemos que hoje em dia a técnica de extração usada mais frequentemente é precisamente a mais perigosa, porque é aquela que dá lucro mais rápido e mais fácil, o fracking”, prosseguiu a ativista, “Já sabemos o que os outros países puderam contar: contrapartidas irrisórias, destruição do território e de postos de trabalho, preços dos combustíveis a subir e adiamento da transição para as energias renováveis”, acrescentou.

Manifestação no Porto
Manifestação no Porto. Foto Carmo Marques

“Uma das empresas que está previsto vir para o porto é uma empresa de Dallas, a Cosmos. Nós sabemos o que eles fizeram nos Estados Unidos. As pessoas ficaram sem terra para onde voltar porque ficou tudo reduzido a escombros”, concluiu Paula Sequeiros, em declarações à RTP.

O manifesto que convocou a iniciativa, que coincide com a realização da Cimeira do Clima COP-22 em Marraquexe, define como uma das prioridades “cancelar todas as 15 concessões de prospecção e exploração de gás e de petróleo ao longo da costa portuguesa”, considerando que essas concessões “são um sinal aberrante de que há futuro na exploração de combustíveis fósseis, contraditório com o espírito do acordo de Paris”.

 

(...)

Resto dossier

COP 22 em Marraquexe

COP 22 em Marraquexe

Reportagens, análises e a voz dos movimentos sociais na recente Conferência do Clima.

Nenhum novo projeto de combustíveis fósseis!

Leia aqui a carta aberta subscrita por mais de 400 organizações de todo o mundo no âmbito da campanha global "Keep it in the Ground".

“Mais um passo para um clima incompatível com a vida digna”

Se queremos a alteração climática abaixo de 1.5ºC ou pelo menos 2ºC enquanto asseguramos os direitos humanos, a justiça social e as hipóteses de uma vida digna para todos, é melhor não confiar nas promessas do processo oficial. Artigo de Christiane Kliemann.

Manifestação em Marraquexe, durante a COP-22

Declaração de Marraquexe dos Movimentos Sociais

O esquerda.net publica na íntegra a declaração de Marraquexe dos movimentos sociais.

Ban Ki-Moon

Cronologia das cimeiras do Clima

Da primeira Conferência do Clima em 1979 até à COP 22 em Marraquexe, a comunidade científica avançou bastante na definição da ameaça climática. Mas as lideranças políticas mundiais nunca mostraram nem vontade nem eficácia para travar as alterações climáticas.

Marcha pela Justiça Climática em Marraquexe, 13 de novembro de 2016

Manifestação em Marraquexe pela justiça climática

Manifestantes dizem que o futuro do clima será decidido pelos povos e não pelas Nações Unidas. Artigo de João Camargo, em Marraquexe.

Uma desilusão chamada Marraquexe

A presidência marroquina da COP 22 vai apresentar uma declaração cheia de saudações e de retórica, mas vazia de ação e de medidas. Artigo de Pedro Soares, em Marraquexe.

Manifs em Lisboa e Porto pelo fim da prospeção de gás e petróleo

Centenas de pessoas saíram às ruas de Lisboa e Porto enquanto decorre a COP 22, sob o lema "Salvar o Clima, Parar o Petróleo".

O empreendedorismo climático

Entre os gigantescos problemas que a eleição de alguém como Trump traz, está a sua promessa de rasgar o Acordo de Paris, não por ser insuficiente, mas por não acreditar nas alterações climáticas. Artigo de João Camargo, em Marraquexe.

A 22ª Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas para as Alterações Climáticas (COP22) começou nesta segunda-feira, 7de novembro de 2016 - Foto de stopcorporateabuse.org

No arranque da COP-22 monstros de negro escondem-se na sombra do monstro laranja

O espectro da possível eleição de Donald Trump para a presidência dos Estados Unidos garante que durante os primeiros dias será difícil perceber o que será esta cimeira. Artigo de João Camargo, em Marraquexe.