You are here

Estudo revela implicações da covid-19 na saúde mental

Um em cada cinco doentes com covid foram depois diagnosticados com ansiedade, depressão ou insónia, revela um estudo da Universidade de Oxford. Um dos autores defende que a doença psiquiátrica devia ser considerada fator de risco.
Consultório. Foto de Paulete Matos.

Investigadores da Universidade de Oxford e do Centro de Investigação de Saúde Biomédica NIHR concluíram, com base em dados recolhidos nos Estados Unidos, que um quinto dos pacientes que sofreram de Covid-19 foram mais tarde diagnosticados com um problema de saúde mental.

Os pacientes sofreram de ansiedade, depressão ou insónia, num período de três meses após terem testado positivo ao novo coronavírus. Outra das descobertas do estudo publicado na revista científica Lancet Psychiatry é que pessoas com um diagnóstico prévio na área da saúde mental têm 65% mais probabilidade de serem diagnosticados com Covid-19. Isto mesmo descontando o efeito de fatores como a idade, o sexo, a raça entre outros.

Estas conclusões foram tiradas com base em cerca de 70 milhões de registos de saúde dos Estados Unidos, entre os quais mais de 62.000 casos de pacientes que testaram positivo à Covid-19 mas que não necessitaram de hospitalização. A taxa de incidência de diagnósticos de doença mental nos 14 a 90 dias depois do diagnóstico de Covid-19 foi 18.1%, 5,8% dos quais corresponderam a um primeiro diagnóstico deste tipo.

Os investigadores fizeram ainda uma análise comparativa com outras doenças, durante o mesmo período, como a gripe e outras doenças respiratórias, infeções na pele, cálculo biliar e no trato urinário e fraturas de um osso grande. A comparação mostrou que há o dobro do risco no caso dos pacientes que tinham contraído o novo coronavírus.

Ainda se descobriu neste mesmo estudo que três meses após a testagem positiva à Covid-19, os casos de demência são o dobro do que quando se revelam outras doenças.

Ao Guardian, Maxime Taquet, um dos autores da pesquisa, considerou as descobertas “inesperadas”, sublinhou a necessidade de mais investigação mas não deixou de concluir que “ter uma doença psiquiátrica deve ser acrescentado à lista de fatores de risco da Covid-19”.

Por sua vez, Paul Harrison, também desta equipa, sublinhou que será precisa mais investigação para saber se um diagnóstico de perturbação psiquiátrica pode estar diretamente ligado a ser contagiado ou se o ambiente stressante da pandemia está a ter influência, bem como fatores como o uso de drogas, de tabaco e o estrato social.

política: 
Covid-19
(...)

Neste dossier:

Saúde Mental em tempos de pandemia

Portugal é um dos países europeus com maior prevalência de doenças psiquiátricas. Ainda assim, contamos com uma fraca resposta pública nesta área. Com a covid-19 e o agudizar da crise socioeconómica, urge garantir os recursos necessários para dar resposta à população. Dossier organizado por Mariana Carneiro.

Saúde Mental: Contratar profissionais e articular respostas, a aposta que é necessário fazer-se

Nunca como nos últimos meses a saúde mental teve tanta relevância mediática e atenção política, importa que não fique no papel a reconhecida prioridade que, finalmente, todos dizem ter. Por Ana Matos Pires.

Covid-19 e a vaga de doença mental

Se se ficar apenas pelas renovadas juras de prioridade sem nunca se concretizar nada, o futuro próximo será muito difícil. Teremos uma vaga de doença mental sem recursos para a enfrentar. Por Moisés Ferreira.

Covid-19: um inimigo sem rosto

É de prever que os impactos da pandemia na saúde mental cresçam nos próximos meses, sobretudo com o aumento do desemprego e da crise económica. Por Ana Paula Freitas.

Vida precária, saúde mental na velhice... precária

Não devemos esperar para reforçar as prestações de cuidado ao longo da vida, e muito menos menosprezá-las durante a velhice. Por Gustavo Sugahara.

Psicólogos pedem combate às desigualdades e reforço de serviços de Saúde Mental

Ordem dos Psicólogos alerta que “o aumento dos problemas de Saúde Mental provocados pela crise pandémica e pela crise socioeconómica torna expectável um aumento da procura dos serviços e cuidados” nesta área e que, “em termos de resposta, a situação em Portugal não é a mais favorável”.

Manicómio: a Arte no combate à estigmatização

Criado em 2019, o Manicómio é um espaço de criação e galeria de Arte Bruta que promove trabalhos desenvolvidos por artistas com doenças mentais. Facilitar “o caminho da inclusão” e incentivar a empregabilidade são alguns dos seus objetivos.

93% dos países viram os serviços de saúde mental suspensos devido à pandemia

OMS: Pandemia suspendeu acesso a serviços de saúde mental em quase todos os países

Numa altura em que se regista um aumento da procura por serviços de saúde mental, 93% dos países inquiridos num estudo internacional afirmam ter suspenso ou interrompido o trabalho na área devido à pandemia. A OMS apela a um maior investimento.

saúde mental no trabalho

Problemas de saúde mental têm fortes custos económicos

Um relatório da Ordem dos Psicólogos diz que as empresas nacionais perdem 3,2 milhões e pede um reforço de investimento nesta área que considera “um investimento necessário que tem retorno”.

Consultório. Foto de Paulete Matos.

Estudo revela implicações da covid-19 na saúde mental

Um em cada cinco doentes com covid foram depois diagnosticados com ansiedade, depressão ou insónia, revela um estudo da Universidade de Oxford. Um dos autores defende que a doença psiquiátrica devia ser considerada fator de risco.