You are here

Universidade em crise por acusações de fraude

universidade_independenteAs direcções executiva e académica da Universidade Independente foram demitidas pelo reitor. Luís Arouca acusou o vice-reitor, Rui Verde, de ser o responsável por um défice de oito milhões de euros, e de ter usado esse dinheiro em proveito próprio, desfalcando o equilíbrio da Universidade. A Polícia Judiciária estará a investigar tráfico de diamantes, fraude fiscal e falsificação de assinaturas e de documentos na Universidade. Rui Verde nega as acusações. As aulas estão suspensas.

A Universidade Independente é um estabelecimento de Ensino Superior privado, com cerca de 1500 alunos distribuídos por 14 cursos.

As investigações da PJ remontariam a quase três anos, incidindo sobre despesas das pessoas agora afastadas, incluindo pagamentos a guarda-costas, a motoristas e gastos familiares.

Com 25 docentes afastados, as aulas foram suspensas até 6 de Março. Para assegurar o funcionamento da instituição, o reitor decidiu nomear já três vice-reitores,

A Universidade Independente tem, de acordo com o reitor, um passivo da ordem dos oito milhões de euros. Para Luís Arouca, o principal responsável por esta situação é o ex-vice-reitor Rui Verde. "A situação começou a deteriorar-se com a ruptura com os angolanos. A partir daí, o professor Rui Verde e o seu grupo mais restrito viram que isto não iria durar muito e pensaram: ‘Vamos tentar sacar o máximo até ao fim'. Enveredaram por uma política louca de autismo, de decisão unilateral, de não passar cartão a ninguém. Serviram-se em vez de servir a universidade", sublinha.

Rui Verde negou todas as acusações e disse, em entrevista à SIC, que ele e colaboradores seus foram expulsos da Universidade por "um grupo de skinheads". O vice-reitor afirmou que, enquanto administrador da universidade, autorizou verbas para pagar a piscina do reitor e a casa do filho do reitor. «Quando comecei a apertar o cinto, as pessoas não gostaram».

O vice-reitor disse ainda que se deslocou voluntariamente à PJ há três meses para falar sobre as suspeitas que envolvem a instituição.

Termos relacionados Sociedade