You are here

Trabalhadores passaram a noite à porta da Platex

A vigília dos trabalhadores teve início às 11h da manhã de segudna-feira e tem continuado durante esta terça-feiraDezenas de trabalhadores Platex (Indústria de Fibras de Madeira, em Tomar) estão desde as 11h de segunda-feira à porta da fábrica para impedir a entrada e saída de camiões com material. A vigília já dura há mais de 24 horas, e os trabalhadores exigem que lhes sejam pagos os salários do mês de Abril e pedem também uma intervenção urgente do governo.  

A empresa parou a laboração a 11 de Abril e deve o salário desse mês aos 226 trabalhadores, referiu à agência Lusa o coordenador distrital de Santarém do Sindicato da Construção, Madeiras, Mármores e Cortiças do Sul, Aquilino Coelho.

"Os trabalhadores querem saber se há dinheiro ou não para a empresa retomar a laboração e querem o salário de Abril que está em atraso. Há duas semanas, a empresa garantiu que pagava uma parte do salário e, na semana passada, o resto, mas não cumpriu", contou Aquilino Coelho. O sindicalista adiantou que o protesto visa também pressionar o Ministério da Economia a dar uma resposta quanto à viabilidade económica IFM/Platex, dado que a empresa tem capacidade de exportação, residindo os seus problemas na falta de verbas para comprar as matérias primas.

A administração da IFM propôs a 200 dos seus trabalhadores que passem ao regime de "lay off" com redução do horário de trabalho a metade, mas, segundo o sindicato, esta situação só pode entrar em vigor quando forem pagos os salários de Abril, o que ainda não aconteceu.

Para terça-feira à tarde está agendada, a pedido da Câmara Municipal de Tomar, uma reunião com representantes sindicais para tentar desbloquear a situação na empresa.

A IFM/Platex, única no género no País e uma das maiores da Europa, de acordo com o mesmo sindicalista, produz contraplacado de madeira, usado em portas interiores de habitações. 

Leia também:
Platex de Tomar: 240 trabalhadores em risco

Termos relacionados Sociedade