You are here

Salários reais vão cair apesar da baixa dos preços

O poder de compra dos portugueses vai diminuir apesar da descida dos preçosA Comissão Europeia estima que Portugal e Irlanda vão ser os únicos países da Zona Euro com reduções reais nas remunerações em 2009. Os salários reais em Portugal vão cair 0,4%, isto apesar de uma diminuição de 0,3% nos preços. É a quarta vez em 30 anos que isto acontece, e uma das principais causas pode ser o aumento vertiginoso de processos de "lay-off".  


A última vez que os salário real (diferença entre o aumento do salário e o aumento da inflacção) diminuiu foi em 2006 mas, nesse ano, a inflação foi de 3%. Agora, com uma deflacção (de 0,3%) os salários reais vão diminuir 0,4%, o que significa um decréscimo em termos de absolutos de cerca de 0.7% nos ordenados.

Portugal e Irlanda são as duas únicas economias da Zona Euro com reduções reais nas remunerações. A economia irlandesa deverá contrair 9% em 2009, mais do dobro dos 3,7% esperados para a economia nacional.

A comissão europeia não esclarece as razões para esta contracção nas remunerações, mas a edição desta terça-feira do jornal de negócios avança como um dos contributos para esta situação o vertiginoso aumento do número de processos de "lay-off" (acordos de redução temporária do tempo de trabalho e consequente corte salarial). Entre Janeiro e Abril já foram afectados mais de 10.500 trabalhadores por este tipo de processo, quatro vezes mais que o total de 2008. 

Num artigo publicado há meses no Esquerda.net, Francisco Louçã avisava para os riscos da deflação, isto é, a redução dos preços em níveis absolutos. Para além do agravamento do desemprego, há a questão da redução dos salários e o problema dos juros: "Essa situação implica dois dramas: o primeiro é o desemprego, porque muito mais empresas fecharão se assim for; e o segundo é o sobreendividamento das pessoas. Quem está endividado é a vítima mais atingida pela deflação, visto que os juros nunca são negativos e, se os preços baixam (e os salários também) o diferencial em relação ao juro vai aumentar."

Leia também:

Economia portuguesa terá queda de 3,7% este ano

Termos relacionados Sociedade