You are here

Sá Fernandes diz que eleições intercalares são inevitáveis

safernandes061211O vereador independente eleito pelo Bloco de Esquerda José Sá Fernandes divulgou declaração política em que considera inevitável a realização de eleições municipais intercalares. "Consideramos que existe uma crise profunda na Câmara Municipal de Lisboa e não acreditamos que a actual maioria tenha condições de governabilidade", diz o vereador.
A concelhia de Lisboa do Bloco de Esquerda divulgou, por sua vez, um comunicado em que também se posiciona por eleições municipais intercalares.
Leia abaixo os dois comunicados.
Veja também a entrevista em vídeo com José Sá Fernandes

Comunicado do Gabinete do vereador José Sá Fernandes

Consideramos que existe uma crise profunda na Câmara Municipal de Lisboa e não acreditamos que a actual maioria tenha condições de governabilidade.

Após o último ano de péssima gestão e depois dos últimos acontecimentos o descrédito é irreversível e paralisa por completo o funcionamento do município.

Perante a conhecida situação financeira e enquanto se prepara a revisão do PDM da cidade - o mais importante instrumento de gestão territorial - a cidade precisa de uma estratégia que a retire, ou mesmo a salve, do estado depressivo em que se encontra.

Exigia-se do Presidente uma pronta clarificação sobre as condições políticas de gestão da cidade, mas multiplicaram-se as reuniões e aos Lisboetas nada foi dito.

Cada dia que passa é um dia perdido para Lisboa.

Perante a gravidade da situação, o PSD tem a responsabilidade ética e política de contribuir para a solução: em democracia as crises mais profundas encontram reposta na vontade dos cidadãos.

Dar a palavra aos Lisboetas é, por isso, a nossa exigência.

Assim, o Vereador José Sá Fernandes considera inevitável a realização de eleições municipais intercalares.

O Gabinete Municipal do Bloco de Esquerda

31 de Janeiro de 2007

 

Comunicado da Concelhia de Lisboa do Bloco de Esquerda

Crise na Câmara Municipal de Lisboa: Bloco de Esquerda exige a realização de eleições municipais intercalares

 A maioria que está à frente da Câmara Municipal de Lisboa arrastou a autarquia para um verdadeiro pântano político.

A cidade assiste ao caos institucional na CML, à paralisação dos seus serviços e à degradação do seu prestígio. A sucessão de escândalos e o ambiente de corrupção evidenciam uma cidade parada, sem projecto, sem ideias e sem soluções.

Lisboa é hoje uma cidade adiada e sem estratégia.

Carmona Rodrigues insiste que tem condições para continuar a governar, sem apresentar propostas e saídas, numa estratégia desastrosa para a cidade. O presidente transformou-se num zombie político, suspenso à espera da notícia da constituição do seu vice-presidente como arguido.

O PSD é politicamente responsável pelo actual executivo e pelo actual clima de irresponsabilidade e desgoverno da cidade.

A profunda crise a que chegou a Câmara Municipal de Lisboa exige que o PSD retire as devidas ilações e devolva a palavra ao Povo.

Assim, a concelhia de Lisboa do Bloco de Esquerda exige a realização de eleições municipais intercalares.

Lisboa, 31 de Janeiro de 2007

Termos relacionados Política