You are here

Novo Aeroporto: governo recua e vai fazer novos estudos

mario_linoO ministro das Obras Públicas, Transportes e Telecomunicações anunciou que o governo vai fazer estudos comparativos entre a Ota e Alcochete, para saber qual é o melhor local para construir o novo aeroporto de Lisboa. "A primeira fase vai ser uma avaliação prévia da efectiva viabilidade da opção Alcochete", anunciou Mário Lino no colóquio sobre o novo aeroporto de Lisboa na Assembleia da República. 

A construção
do novo aeroporto em Alcochete é defendida num estudo entregue ao
Presidente da República pelo Presidente da Confederação da Indústria
Portuguesa.
José Sá Fernandes, candidato à Câmara de Lisboa, considerou que: "Este
recuo do governo é uma grande vitória das posições que têm sido
assumidas por mim e pelo Bloco de Esquerda".
Por sua vez, Marques Mendes, líder do PSD, saudou o recuo do governo na
sua "política de facto consumado" quanto à Ota.

Mário Lino anunciou ainda que o governo mandatou o Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC) para estudar a viabilidade de construir o aeroporto em Alcochete. Se se confirmar essa viabilidade, passa-se à segunda fase, que consiste na avaliação comparada das duas localizações. A elaboração do relatório terá a duração máxima de seis meses. Durante esse período, o governo "não tomará qualquer decisão de efeitos irreversíveis quanto à decisão do novo aeroporto", acrescentou.

José Sá Fernandes considerou que a decisão anunciada pelo ministro Mário Lino: "É um recuo de todo o tamanho por parte do governo. Agora temos seis meses para comparar alternativas e estudos. Foi uma vitória dos que têm defendido uma discussão sobre a matéria". O candidato do BE à Câmara de Lisboa considerou ainda que a instalação da estrutura na margem sul "é mais barata e mais eficiente e tem melhor interligação em termos de transportes". "Os portos, o aeroporto e a ferrovia têm de estar interligados e uma solução a norte, nomeadamente a Ota, torna muito complicada essa interligação. É mais cara e prejudica a cidade de Lisboa e o próprio país", acrescentou ainda.

A opção Alcochete tinha já sido avançada como uma hipótese, na 6ª feira passada, por Augusto Mateus, numa entrevista ao Semanário Económico. Francisco Van Zeller, Presidente da Confederação da Indústria Portuguesa (CIP) entregou nesta 2ª feira ao Presidente da República um estudo, que aponta Alcochete como alternativa à Ota. O estudo, que foi elaborado por 16 professores universitários e coordenado por Carlos Borrego e Miguel Coutinho, apresenta seis localizações possíveis junto a Alcochete, algumas com ocupação significativa do Campo de Tiro.

Francisco Ferreira da Quercus considerou, na 6ª feira passada 8 de Junho, que a opção Alcochete "é praticamente inviável, na medida em que é uma zona adjacente a duas áreas protegidas importantes", nomeadamente "a zona de protecção especial do Tejo a norte e a sul" e a oeste "a reserva natural do Estuário do Tejo, que é uma das zonas húmidas mais importantes da Europa".

Termos relacionados Política