You are here

Mais uma arguida no caso Bragaparques

carmona_e_napoleoA ex-vereadora da Câmara Municipal de Lisboa Eduarda Napoleão foi constituída arguida pelo Ministério Público, e a sua casa foi também alvo de buscas pelas autoridades, de acordo com o Público. Eduarda Napoleão esteve na autarquia durante um mandato, no tempo de Santana Lopes, com quem já tinha trabalhado na Câmara Municipal da Figueira da Foz. A investigação é sobre a actuação da ex-autarca quando foi responsável pelo Urbanismo da autarquia e também quando presidiu a Empresa Pública de Urbanização de Lisboa, durante a permuta Parque Mayer/Feira Popular, operação que envolveu a empresa Bragaparques..

Segundo o jornal, este interrogatório não terá sido a única diligência feita pelos magistrados do Ministério Público que já terão inquirido outros funcionárias e ex-funcionários da câmara e da EPUL.

Enquanto esteve na câmara, Eduarda Napoleão assumiu a presidência, além da EPUL (Empresa Pública de Urbanização de Lisboa), também da Ambelis (ligada à promoção da cidade no exterior e à sua modernização).

As buscas que a Polícia Judiciária fez à EPUL também incidiram em processos em que Eduarda Napoleão teve intervenção, como a Urbanização do Vale de Santo António.

Leia também:

Santana e Carmona vão ser ouvidos pela Judiciária

Escândalo em Lisboa: Vereadora do PSD suspende mandato

Vale de Santo António: VENDA DE TERRENOS ENVOLTA EM POLÉMICA 

Sá Fernandes: Carmona não tem condições de continuar  

Termos relacionados Política