You are here

Jornadas das alterações climáticas no Baixo Guadiana

imagem-399.jpgNa sexta-feira, 20 de Julho, as Jornadas das Alterações Climáticas estiveram no Baixo Guadiana. Os impactes sobre os recursos hídricos, a desertificação humana dos povoados ribeirinhos, a ocupação imobiliária e pressão turística que cresce nas margens, foram alguns temas fortes abordados.
Veja a fotogaleria das Jornadas das alterações climáticas no Baixo Guadiana.
Fotos de Paulete Matos.

imagem-074.jpgA meio da tarde iniciou-se a descida por barco do rio Guadiana do Pomarão, junto a Mértola, até Vila Real de Santo António.

Numa viagem que juntou especialistas técnicos, ecologistas portugueses e espanhóis e vários activistas locais, foi possível acompanhar e conversar sobre a riqueza ambiental da envolvente, a importância do rio no passado devido ao transporte de minério, mas também sobre algumas das ameaças que hoje se colocam.

 
imagem-059.jpgA previsível redução da disponibilidade e da qualidade da água devido às alterações climáticas, bem como a especulação turístico-imobiliária que invade um território habitado por uma população escassa e envelhecida, foram motivos de reflexão sobre os possíveis modelos alternativos de desenvolvimento local e de gestão da água para a sustentabilidade.

À noite realizou-se um comício-festa no centro de Vila Real de Santo António, com a participação de João Romão (da distrital do BE-Algarve), Alda Macedo e Francisco Louçã.

 

imagem-247.jpg

João Romão alertou para as ameaças que recaem sobre o Guadiana e sobre a necessidade de modelos alternativos de desenvolvimento sustentável para a região, que conjuguem a preservação do ambiente com a criação de emprego e de dinâmicas populacionais.

Alda Macedo afirmou a importância do desafio hoje colocado pelas alterações climáticas, e como isso nos coloca a tarefa urgente de gerir os recursos que são de todas e de todos de uma forma sustentável para enfrentar a escassez e as ânsias predatórias de uns poucos que querem lucros imediatos.

imagem-357.jpg

 

Francisco Louçã falou de como a especulação imobiliária e a banca em nome da fortuna fácil e através da corrupção destroem o bem comum que é o território e o ambiente ao mesmo tempo que causam o endividamento das famílias.

 

 

imagem-276.jpg

Durante o comício foi ainda possível assistir a uma exposição apresentada pela Almargem e os Ecologistas En Acción sobre uma proposta de criação de um Parque Natural Transfronteiriço do Guadiana: sendo esta bacia hidrográfica, um ecossistema único e indivisível, partilhada por dois países torna-se necessário uma gestão conjunta e integrada para que a preservação dos valores naturais seja efectiva e o desenvolvimento territorial coerente.


imagem-050.jpg   imagem-100.jpg   imagem-115.jpg

imagem-126.jpg   imagem-135.jpg   imagem-147.jpg

imagem-159.jpg   imagem-233.jpg   imagem-275.jpg

imagem-290.jpg   imagem-338.jpg

imagem2-051.jpg  imagem-129.jpg

Termos relacionados Política