You are here

"Este processo entristece-me", diz Sócrates sobre Face Oculta

Armando Vara é um dos principais arguidos no processo Face OcultaO primeiro-ministro reagiu à investigação de corrupção das sucatas que envolve figuras com influência no aparelho do PS e dirigentes de empresas públicas. "Tenho uma relação de há muitos anos com o dr. Armando Vara. Fiz com ele uma carreira política. Por isso, este processo é para mim triste", disse Sócrates.
 

 

O primeiro ministro foi confrontado pelos jornalistas com a notícia publicada no semanário Sol, relatando terem sido interceptados pela polícia alguns telefonemas para Armando Vara, tendo num deles sido discutida a venda da TVI pela Prisa. "O que tenho conhecimento sobre o que vem nesse jornal é que eu fiz uma chamada para o dr. Armando Vara. Acontece que faço chamadas para os meus amigos e vou continuar a fazê-las", respondeu José Sócrates.

A imprensa também dá conta dos desenvolvimentos da investigação "Face Oculta", que pretende provar as suspeitas de favorecimento e corrupção envolvendo o empresário das sucatas Manuel Godinho e funcionários de grandes empresas como a Refer, a REN e  a Galp, entre outras.

Manuel Guiomar, quadro da Refer, viu as suas funções suspensas por ordem do Tribunal de Aveiro por estar indiciado de um crime de corrupção passiva e dois de corrupção activa. A justiça aponta-o como um dos elementos da Refer que passava a Manuel Godinho informação privilegiada da empresa sobre os concursos e também sobre a forma da empresa de Godinho conseguir subtrair à Refer alguns materiais.

A retirada de dois quilómetros de carris da linha do Tua foi um desses casos, e levou mesmo a uma disputa judicial entre a Refer e a O2, uma das empresas de Godinho. O tribunal condenou a O2 a pagar 105 mil euros, mas a Refer demorou mais de três anos a fazer o pedido de indemnização cível, o que levou à sua prescrição, segundo o acórdão do Tribunal de Relação do Porto publicado a 9 de Junho deste ano. Curiosamente, quatro dias antes já o empresário telefonava a Armando Vara para lhe dar a conhecer o resultado da  decisão dos juízes, segundo revela a edição de sexta-feira do jornal Público.

As investigações e buscas prosseguem e isso explica que poucos arguidos tenham sido ouvidos até agora. Segundo avança o Correio da Manhã, o despacho do juíz de instrução segue de perto a argumentação do Ministério Público quanto à intervenção do ex-secretário de Estado e actual presidente da REN José Penedos e do seu filho Paulo, que alegadamente "abria as portas" da REN para as empresas de Godinho. Neste caso, as escutas aos telefonemas e a troca de emails a um ritmo diário entre Paulo Penedos e o empresário de Ovar terão sido determinantes para o resultado da investigação. A O2 ganhou o concurso renovação da gestão global dos resíduos da REN, "fruto da intervenção decisiva de José Penedos no processo de decisão", escreve o despacho que levou Manuel Godinho à prisão preventiva.
 

Termos relacionados Política