You are here

Aumenta a contestação às Linhas de Alta Tensão

Foto basheem/FlickrO Supremo Tribunal Administrativo recusou ontem admitir o recurso da Rede Eléctrica Nacional (REN), mantendo assim a decisão de que a REN deve desligar a linha de muito alta tensão entre Fajões e Trajouce, no concelho de Sintra. Uma vitória que deve ser lembrada esta tarde, quando a população de Vale de Fuzeiros, concelho de Silves, se manifestar frente às instalações da REN para protestar contra a linha de alta tensão que vai atravessar a freguesia.
No Parlamento, a deputada do Bloco Alda Macedo fez uma declaração política sobre este tema, no dia em que os bloquistas apresentaram um projecto de lei para limitar a exposição das populações aos campos electromagnéticos. Leia aqui a declaração e o projecto de lei .

Os habitantes desta freguesia estão a preparar uma providência cautelar para evitar a instalação desta linha. Alegam que os riscos para a saúde existem, uma vez que a linha Portimão-Tunes vai passa muito próximo de habitações e terrenos de cultivo e atravessar propriedades com projectos de turismo rural.

À falta de estudos sobre os efeitos para a saúde destas linhas por parte da entidade que as implementa de norte a sul do país, o delegado de saúde pública de Guimarães afirmou ao Diário de Notícias que está a realizar um estudo epidemiológico. Em causa está o que se passa na freguesia de Serzedelo, onde a população tem notado o aumento da incidência de doenças do foro oncológico (76 casos detectados nos últimos 10 anos). O mesmo acontece no bairro da Encosta de São Marcos, em Sintra, onde a Comissão de Moradores afirma que só no ano passado morreram cinco pessoas com doenças oncológicas, tendo movido uma acção popular contra a REN com o apoio de José Sá Fernandes. Também os moradores desta freguesia estarão presentes na manifestação promovida pelos habitantes de Vale de Fuzeiros.

Termos relacionados Sociedade