You are here

Add new comment

Bem intencionado. De facto o país não pode continuar a não fazer refletir nas contas de quem promove o desordenamento florestal os custos que habitualmente sobram para o Orçamento Geral do Estado, ficando ainda de fora a destruição dos serviços dos ecossistemas. Ingénuo porque deixa de fora a necessidade de repovoamento das zonas florestais, tendo por base a criação de empresas de média dimensão, porque a gestão dessas áreas nunca será assegurada por qualquer organismo do Estado.