You are here

Add new comment

Agora elaborando sobre os equívocos de Rui Maia:

1º - Equívoco - Comparar o AL com uma loja ou um restaurante. Insinuar que o AL provoca mais ruído, é menos seguro, desgasta mais ou vai fazer um uso diferente dos espaços comuns. Em muitos casos, acontece precisamente o contrário. Mas não vale a pena insistir num tema que não tem qualquer sustentação factual. Logo, Rui Maia está a labutar num equívoco;

2º - Equívoco - Comparar a venda e arrendamento de um imóvel ao AL. Rui Maia não sabe o que significa ganha-pão. Significa um emprego. O AL dá bastante trabalho e é um emprego. Vender ou arrendar o apartamento, esta última uma actividade passiva, não garante emprego, nem o sustento das famílias;

3º - Equívoco - Aqui Rui Maia contradiz-se. Diz que não é uma experiência única para os turistas, mas no fim já diz que é uma experiência única, mas unicamente para os turistas;

4º - Dúvida - Fazer a apologia dos 90 dias, como se os proprietários alguma vez pudessem manter o seu emprego e sustentar as suas famílias com uma proposta destas, é no mínimo deselegante;

5º – Mito - Após dezenas de anos de políticas falhadas, à esquerda e à direita, para recuperação do edificado, minimizar o papel e a importância do AL neste processo é atentar, não só contra a verdade, mas também revelar uma memória muito curta;

6º – Mito - Até o próprio Rui Maia, quando faz turismo no estrangeiro, de certeza que não considera como PREDADORES os donos do alojamento onde fica, nem contempla as cidades e populações locais como uma EXPERIÊNCIA ZOOLÓGICA. Quero acreditar que foi apenas um momento seu muito infeliz;

7º - Equívoco - “É igual um apartamento em AL, uma Moradia ou um prédio inteiro”. Esta foi inventada, certo? E quanto às regras de segurança que diz que faltam, temos as normais de qualquer prédio habitacional, às quais se acrescentam o extintor, manta ignífuga, primeiros socorros e sinalética correspondente, no caso dos AL;

8º e último Mito - Aqui volta a insistir no tema do AL causar mais ruído que um vizinho residente habitual. Sem sustentação factual, continua a ser uma falácia. Por cada exemplo de um turista que não se saiba comportar em comunidade, haverá outros exemplos com residentes. Promovam um estudo sério sff.