You are here

Add new comment

Sim... temos de facto de mudar o nosso sistema de ensino. Pelo que li nestes comentários, a escola só ensina a escrever. Ler, interpretar, pensar e ser criativo, não são coisas que abundem por aqui. O facilitismo, de que tanto se fala, está em ler meia dúzia de parágrafos e não parar 5 minutos para pensar, pegar e em frases feitas, como "no pain, no gain" e escarrapacha-las no texto.
O facilitismo está em resumir horas, semanas e meses de trabalho de alunos e professores, a um exame de 90 minutos, quando nos devíamos preocupar em exigir um sistema de ensino que não brutalize e sufoque as crianças e lhes exija que elas pensem e hajam como adultos, quando ainda estão longe de o ser. Ou esforçar-mo-nos por uma sociedade onde as crianças possam ter irmãos, que isso sim, gera um espírito competitivo saudável!
Tenho a sorte de ter nascido, crescido e vivido sempre na mesma freguesia (ás vezes viajo), o que me permite observar e acompanhar a evolução das coisas... quem nasce, quem morre, quem sorri, quem sofre, quem está desempregado, quem é feliz, quem está realizado... e concluo que o exame da 4ª classe (que tanto me fez tremer) em nada mudou a vida desta gente. Os estudiosos, "marrões", "tótós", meninos do papá e da professora e que passaram com distinção, uns foram bem sucedidos, outros arrastam-se com as dividas, mas poucos sorriem, a não ser na fotografia para a lista do psd. Os "escanzelados", famintos, filhos de gente pobre e que ficavam sempre na fila dos burros, uns conseguiram superar o trauma e até mesmo alguns meninos do papá, outros continuam a gerar filhos de gente pobre, mas quase todos sorriem e têm amigos. Os irrequietos, que passavam sempre "à rasquinha", que nunca foram à faculdade, foragidos da escola e da mãe para ir brincar para o monte, e inventar cabanas e tesouros, teatralizar filmes e bandas desenhadas, são de longe, em termos profissionais, os mais inventivos, produtivos e dinamizadores. Capazes de utilizar qualquer ferramenta e inserir-se em qualquer projecto. Tenho o prazer de ao longo destes anos ter trabalhado com muitos "irrequietos" que foram felizes enquanto crianças. Que depois os iluminados, estudiosos, responsáveis, gestores, que passaram em todos os exames até serem Drs. não saibam o que fazer com eles, isso é outro assunto.
Posto isto, só vos peço uma coisa. DEIXEM AS CRIANÇAS BRINCAR!!