You are here

Add new comment

FL
Deixarei a questão da segurança social para o fim, embora não deixe de ter a haver com o que vou dizer sobre o emprego.
Entendo que o problema da falta deste, tem em grande parte razões que não se encontram dentro de portas, mas sim fora.
Quando compro algo, tento estar atento ao país de fabrico. Por exemplo, só no que diz respeito a roupa e calçado que tenho comprado nos últimos tempos, bastantes de consagradas e caras marcas, as origens são China, Bengladesh, Índia, mas também já Madagáscar, Turquia e Marrocos. E outros haverá.
Países onde os direitos laborais e sociais são mínimos ou inexistentes.
É com eles que em grande parte competimos, sem qualquer hipótese de vencermos.
Produz-se muito lá, porque por essa razão é muito barato, e muito pouco por cá, porque as muitas exigências a tornam muito mais cara.
Na roupa, no calçado, como em muitas outras coisas.
Os grandes magnatas das empresas que lá mandam fabricar os produtos muito baratos, que vendem nos países desenvolvidos com enormes mais-valias, após terem acabado as fábricas por cá, ganham principescamente.
Os seus lucros são ainda por cima deslocalizados para países onde pagam impostos ridiculamente baixos (por exemplo Holanda e Luxemburgo), e partes das receitas vão parar até a off-shores.
Eles ganham muitíssimo, os trabalhadores das suas lojas por cá pelo contrário são muito explorados e não conseguem um mínimo de segurança no trabalho. Quando os trabalhadores das empresas naqueles países têm condições péssimas a muitos níveis.
As organizações internacionais nada fazem para corrigir as situações, quando muito fingem, e assim nada muda para melhor.
Estou convicto que muitos dos empregos que se perdem por cá, derivam dessas situações.
Terá que se continuar a lutar pela mudança em relação a tudo isso, mas sem perdas de direitos para os nossos trabalhadores.
E sem emprego em qualidade e quantidade, numa lógica responsável, e sem níveis superiores de natalidade, os problemas de sustentabilidade da segurança social serão uma constante.
Mais haveria a dizer. Fica para a próxima.
Cumprimentos,
PF