You are here

Add new comment

Claro que esta lista é uma vergonha.
Claro que a Ministra é incompetente e tudo não passa duma "rasca" medida eleitoralista.
Mas é curto ficarmos por aqui.
O Bloco ainda tem alertado para a contradição da proposta por comparação com a diminuição de efectivos nas áreas de protecção social, mas ainda assim é curto.
Se queremos alertar a sociedade para o cerne desta questão há um conjunto de acções que deveriam ser tomadas e divulgadas.
Os dados da Ministra apoiam-se em estudo que não existem. Os jornalistas do Expresso recorreram aos Serviços Prisionais (porquê? se há tantos abusadores que foram condenados a penas que não a prisão efectiva).
Andamos todos a emitir opiniões sobre tudo, mas sem conhecimento profundo da realidade.
Em Portugal, cabe à Polícia Judiciária, a competência exclusiva para investigar este tipo de crime contra as pessoas.
Só os dados estatísticos fornecidos por essa Polícia, poderão dar uma ideia real da situação de pedofilia em Portugal. Porque não terá a Ministra recorrido a fonte tão idónea?
É também muito importante a distinção entre Pedofilia e Abuso Sexual de Menores, não é a mesma coisa.
De facto, muitos sabemos que a maioria dos abusos de crianças ocorre em meio familiar, mas é necessário dizer qual a percentagem.
É também necessário informar as pessoas de qual o número de abusos desta natureza, cometidos por "predadores" que andem por aí à procura de crianças paras raptar e abusar (aqueles relativamente aos quais muitos entendem que deve haver uma lista).
No tocante à prevenção e acompanhamento das crianças em risco, não há qualquer dúvida que a Segurança Social e as Comissões de Protecção de Crianças e Jovens, necessitam urgentemente de mais colabores e com melhor formação, aliás,foram sempre poucos e sem capacidade de dar resposta a todas as situações que lhes chegam ao conhecimento.
Estas Instituições têm feito um trabalho altamente meritório, sendo consequência da sua actuação que muito Processos Crime tiveram a sua origem.
As crianças que sofrem este tipo de abusos ficam com traumas brutais. Acontecem situações horríveis que ultrapassam a imaginação mais sórdida.
Ainda mais importante que a punição dos abusadores é a recuperação e acompanhamento destas vítimas, o que quase não acontece e quando há algum apoio é sempre muito deficitário.
Esta é uma área que merece que quando se fala dela, seja com verdadeiro conhecimento e não com lugares comuns que toda a gente conhece.
Temos que lutar por um projecto de esquerda credível e sendo esta uma matéria que preocupa toda a sociedade, a esquerda só terá a ganhar se tiver um discurso que recolha a concordância e aprovação generalizada.