You are here

Add new comment

Caro Sr. Ricardo,

Pouco ou nada me deixo enganar, hoje em dia, sobre esta matéria, muito menos retóricas sem sentido e mais uma vez oportunistas.

Sejamos claros, uma pessoa que vive numa casa degradada e que paga uma renda de 50 eur está realmente à espera de que se façam obras de melhoria? Mas este é um tema à parte.

Continuando, uma renda de 50 Eur antiga e um idoso (ou talvez nem tanto) que receba um rendimento mensal de 650 eur nunca irá pagar mais de 65 Eur por mês (10% do valor do rendimento mensal). Acha que realmente a taxa de esforço é proporcional? Bom, agora imagine se a reforma for de 400Eur... ou talvez de 200? 40 Eur, 20Eur... e por ai adiante. Acha que realmente os inquilinos não estão protegidos? eu não tenho duvidas. Nesse caso a renda nem aumenta.

Agora vejamos... um jovem acabado de licenciar, com o futuro pela frente, quer a sua independencia económica, formar familia e depara-se com um primeiro emprego em que ganha 1000 Eur mensais (um excelente ordenado!!! e também uma fantasia como sabe) Ora pelas mesmas regras pagaria uma renda de 150 Eur (15% do seu ordenado)... mas não... vai pagar no minimo 400 / 500Eur Faça todos os descontos e veja o que sobra.

Neste momento todos enfrentam problemas bem mais sérios do que estes aumentos que são pura e simplesmente ridiculos.Eentão quando falam de aumentos de 500% mato-me a rir... deve ser do estilo passar de pagar 10Eur para 50. Se custa? acredito que custe, mas aos senhorios também custou durante muitos e longos anos. é um esforço que não sendo justo para ambas as partes, contempla a fragilidade dos inquilinos e ao mesmo tempo permite uma maior folga aos senhorios.

Acho que este tema, como tantos outros, deveria ser tratado de maneira séria (e com isto refiro-me a HONESTA) com consciência e sem histerismos de quinta categoria.

Se não gostam da casa onde moram, porque está degradada, avaliem realmente a quem se deve isso. Mais uma vez... chama-se falta de honestidade. Seja herdada seja do que for... aliás... uma boa parte dessas rendas foram tão herdadas pelos inquilinos como os imóveis o foram pelos senhorios. E quanto aos comerciantes muitos encheram os bolsos com a propriedade alheia no uso do seu direito do traspasse, no qual básicamente vendiam não o negócio mas as rendas ridiculas dos imóveis. Repito, HONESTIDADE, muita gente carece disso e não tem vergonha nenhuma de o manifestar publicamente.

Cumprimentos