You are here

Biblioteca

O seu aspecto infundia terror às crianças e repulsão aos adultos; não tanto pela sua altura e extraordinária magreza, mas porque a desgraçada tinha um defeito horrível: haviam-lhe extraído o olho esquerdo; a pálpebra descera mirrada, deixando, contudo, junto ao lacrimal, uma fístula continuamente porejante. 

Agitou-se no banco, envolveu-se melhor no dominó, que a noite ia-se pondo fria, e resolveu esperar com resignação. Passou, porém, uma hora, duas, e ela sem aparecer... A inquietação mordeu-lhe novamente a alma... Porque não viria? Onde estaria àquelas horas da noite?...

Levantei-me rapidamente da borda da cama, e, no mesmo instante, o capitão pôs-se também em pé, dando um grito de surpresa. Tinha-me voltado para apanhar a lanterna e examiná-la, quando lhe ouvi a exclamação e em seguida gritar por socorro.

– Pelo sangue de Cristo, sim, mimosa – responde o carmelita, atirando a sra. Rodin ao leito – sim, alma pura, fiz de seu marido um padre, e, enquanto o farsante celebra um mistério divino, apressemo-nos a levar a cabo um profano...

– Então nunca comeram caldo de pedra? Só lhes digo que é uma coisa muito boa.

Responderam-lhe:

– Sempre queremos ver isso.

No cerne do alvoroço alarmado, os socorristas encontraram Joel num sono plácido, exalando como um corpo vivo há muito sem gel de banho exala. Há quanto tempo o vosso amigo está assim? Há um dia e meio, pelo menos... Conto inédito

Eu presenciei o espanta-diabo do princípio ao fim, graças a uma feliz sequência de circunstâncias, e quero descrever tudo para os verdadeiros conhecedores e para os amadores do sério e do elevado, de acordo com o gosto nacional.

Para aqueles que estudam a grande arte de viver na cama, devo de forma enfática incluir uma palavra de cautela: se ficar na cama até tarde, faça isso sem nenhuma justificativa.

Que horas podiam ser? Parecia que eu caminhava havia um tempo infinito, pois as minhas pernas amoleciam debaixo de mim, o meu peito arfava, e eu sofria terrivelmente de fome.

Uma modesta proposta para prevenir que, na Irlanda, as crianças dos pobres sejam um fardo para os pais ou para o país, e para as tornar benéficas para a República.

Pages

Quando fazemos o balanço de dois anos de mandato do Bloco de Esquerda na Câmara Municipal de Lisboa e, por isso, não podíamos deixar de falar dos maiores problemas da cidade: a crise na habitação e a mobilidade.

Na sociedade de informação do século XXI, democratizar os algoritmos é para a democracia o que foi a reivindicação do sufrágio do sufrágio universal no século XIX.

O Ministro do Ambiente concordou com a inclusão de uma taxa sobre a indústria da celulose e da florestal intensiva. Essa simples resposta a uma pergunta minha gerou algumas críticas.

Apesar de a contragosto, o PS não se conseguiu limitar a discutir com o PCP, mais algum voto de oportunidade, foi forçado a tratar de questões orçamentais essenciais com outros partidos, incluindo aquele que queria excluir.

O ano de 2020 começou da pior maneira. Desculpem não falar de coisas bonitas, fofinhas e com muitas cores no início do ano, mas a realidade é esta.

Manifestação pró-Bolsonaro. Foto José Cruz, Agência Brasil

Presidente mantém-se em campanha eleitoral permanente com o intuito de criar uma base de apoio de incondicionais. Até agora, conseguiu manter 30% de apoio ao seu governo. É uma minoria, mas tem um peso importante.

Lembramos aqui alguns factos políticos importantes vividos no mundo no ano que agora finda. Alguns destes acontecimentos prolongam-se para o próximo e irão ser certamente importantes em 2020. Dossier organizado por Carlos Santos.

Grande novidade de 2019 foi o surgimento a nível mundial de um forte movimento juvenil exigindo Justiça climática

A grande novidade de 2019 no combate ao maior drama da humanidade, foi o surgimento de um forte movimento juvenil exigindo Justiça climática e reivindicando outras políticas para enfrentar a crise climática.

Uma promessa: "Iremos até ao fim"

O movimento popular que luta pela mudança radical do sistema político no país ainda não teve a força suficiente para dobrar o poder do Exército, mas não desiste. As mobilizações semanais já duram há dez meses e estão para ficar. Por Luis Leiria.

Hong-Kong, marcha de protesto contra o governo de Carrie Lam, 21 de julho de 2019 - Foto de Jerome Favre/Epa/Lusa

Em junho de 2019, a revolta explodiu em Hong-Kong, os protestos mantiveram-se durante o resto do ano. Nas eleições locais, em novembro, o campo pró-Pequim foi esmagado e no último mês do ano o movimento reafirmou cinco exigências ao governo.