You are here

Biblioteca

O seu aspecto infundia terror às crianças e repulsão aos adultos; não tanto pela sua altura e extraordinária magreza, mas porque a desgraçada tinha um defeito horrível: haviam-lhe extraído o olho esquerdo; a pálpebra descera mirrada, deixando, contudo, junto ao lacrimal, uma fístula continuamente porejante. 

Agitou-se no banco, envolveu-se melhor no dominó, que a noite ia-se pondo fria, e resolveu esperar com resignação. Passou, porém, uma hora, duas, e ela sem aparecer... A inquietação mordeu-lhe novamente a alma... Porque não viria? Onde estaria àquelas horas da noite?...

Levantei-me rapidamente da borda da cama, e, no mesmo instante, o capitão pôs-se também em pé, dando um grito de surpresa. Tinha-me voltado para apanhar a lanterna e examiná-la, quando lhe ouvi a exclamação e em seguida gritar por socorro.

– Pelo sangue de Cristo, sim, mimosa – responde o carmelita, atirando a sra. Rodin ao leito – sim, alma pura, fiz de seu marido um padre, e, enquanto o farsante celebra um mistério divino, apressemo-nos a levar a cabo um profano...

– Então nunca comeram caldo de pedra? Só lhes digo que é uma coisa muito boa.

Responderam-lhe:

– Sempre queremos ver isso.

No cerne do alvoroço alarmado, os socorristas encontraram Joel num sono plácido, exalando como um corpo vivo há muito sem gel de banho exala. Há quanto tempo o vosso amigo está assim? Há um dia e meio, pelo menos... Conto inédito

Eu presenciei o espanta-diabo do princípio ao fim, graças a uma feliz sequência de circunstâncias, e quero descrever tudo para os verdadeiros conhecedores e para os amadores do sério e do elevado, de acordo com o gosto nacional.

Para aqueles que estudam a grande arte de viver na cama, devo de forma enfática incluir uma palavra de cautela: se ficar na cama até tarde, faça isso sem nenhuma justificativa.

Que horas podiam ser? Parecia que eu caminhava havia um tempo infinito, pois as minhas pernas amoleciam debaixo de mim, o meu peito arfava, e eu sofria terrivelmente de fome.

Uma modesta proposta para prevenir que, na Irlanda, as crianças dos pobres sejam um fardo para os pais ou para o país, e para as tornar benéficas para a República.

Pages

As condições objetivas dos jovens que pretendem ingressar no Ensino Superior mantêm-se inalteradas. Apesar dos sucessivos esforços da esquerda, a aliança ideológica entre o PS e a direita tem vindo a servir de travão a novas políticas transformadoras.

Se António Costa conta e o Governo confere, o PS duvida. Num regime presidencialista, não haveria contas a fazer, quando muito a ajustar.

Muitas das reticências e desacordos entre o Governo e os partidos à esquerda radicam na submissão a uma agenda que não tem legitimidade democrática nem legal.

Várias promessas de apoios sociais feitas pelo Governo em 2020 não foram concretizadas, ou foram atrasadas, ou foram mergulhadas em teias burocráticas intransponíveis.

Utilizado enquanto metáfora para a nulidade alheia, o termo é ofensivo e deve ser evitado, mas quando falamos de rubricas orçamentais reflete apenas a verdade matemática. Na corrida para o 1% do PIB, a cultura não sai da cepa torta. É esse o valor do zero à esquerda da vírgula.

A Seara Nova afirmou-se desde o início como a face visível de um projeto cultural e político que balizava a sua ação pela construção de um pensamento crítico, inspirador para as elites que governavam o país e escola de civismo para a nação republicana. Por Luís Farinha.

Entre novembro de 1924 e fevereiro de 1925, a Seara Nova inclui uma das suas figuras, Ezequiel de Campos, no único governo nitidamente de esquerda da 1ª República, o Governo da Esquerda Democrática de José Domingues dos Santos. Por Álvaro Arranja.

A historiadora Cláudia Castelo afirma que “o programa que une os republicanos em torno da defesa do Império, das colónias como uma condição de sobrevivência da própria nação”, é “um discurso que se encontra na Seara Nova abundantemente”. Mas assinala uma viragem em 1959.

Os cem anos da Seara Nova são marcados por vivências históricas e ideológicas diversas, mas, com exceção do primeiro período de publicação e o período aberto com o 25 de Abril de 1974, todas emergindo na oposição à ditadura, abrindo para um tempo pelo qual os seareiros tanto lutaram. Por Helena Neves.

Se muito daquilo por que os seareiros lutaram se realizou (tristemente após a morte dos seus fundadores), muito está ainda por realizar e parece por vezes voltar a estar em perigo. Por Diana Andringa.