You are here

Zona de exclusão de Chernobyl arde, radiação aumenta

Desde sábado, há dois fogos a lavrar. A radiação aumentou 16 vezes acima do normal na área do maior desastre de sempre com energia nuclear.
Chernobyl. Foto: Michael Kötter/ Flickr Commons (24/10/2014)
Chernobyl. Foto: Michael Kötter/ Flickr Commons (24/10/2014)

Mais de cem bombeiros e meios aéreos continuam esta segunda-feira a combater dois incêndios florestais que lavram na floresta de Kotovsky, dentro da zona de exclusão que rodeia a antiga central nuclear de Chernobyl.

Depois do seu início, no sábado, registou-se uma radioatividade 16 vezes acima do normal. Yehor Firsov, chefe do serviço de inspeção ambiental da Ucrânia colocou um vídeo com esta contagem no Facebook no qual dizia: “aqui estão más notícias: a radioatividade está mais elevada do que o normal no coração das chamas”. As autoridades ucranianas garantiram que na capital Kiev, que fica cem quilómetros mais a sul, a radiação permanece a níveis normais nesta segunda-feira.

A explosão na central nuclear de Chernobyl na Ucrânia, em 1986, é considerada o maior acidente de sempre com energia nuclear. O número de vítimas continua a ser alvo de uma infindável polémica. A nuvem radioativa causada pela explosão chegou a grande parte da Europa e continua a ter na Ucrânia, Bielorrússia e Rússia.

Na sequência deste, foi criada uma zona de exclusão de 2.600 quilómetros quadrados. Depois da evacuação massiva, a região é apenas habitada atualmente por cerca de 200 pessoas que continuam a desafiar as ordens de abandonar o local. Para além disso, a exibição de uma série televisiva sobre o incidente causou um aumento do número de turistas. Em agosto de 2019 foram 75 mil.

De acordo com as autoridades, a área afetada pelo incêndio principal é de cerca de 20 hectares. O outro incêndio é menor e foi já circunscrito numa área de cinco hectares. Porém, há uma discrepância de números. Firsov, ao início deste domingo, referia que o fogo abrangia uma zona de 100 hectares.

Segundo a polícia local, o fogo foi causado por um homem de 27 anos que confessou que estaria a queimar erva "por diversão" e, devido ao vento rápido, não conseguiu controlar as chamas.

Termos relacionados Ambiente
(...)