You are here

Wikileaks revela espionagem dos EUA a Netanyahu, Berlusconi e Ban Ki-moon

Nos documentos, Merkel e Ban ki-Moon conversam sobre alterações climáticas, e Netanyahu pede ajuda a Berlusconi para lidar com governo de Barack Obama.
NSA espiou Ban Ki-Moon – Foto de Africa Renewal/flickr
A agência norte-americana NSA espiou Ban Ki-Moon – Foto de Africa Renewal/flickr

O site Wikileaks publicou nesta segunda-feira, 22 de fevereiro, novos documentos que revelam que a NSA (Agência de Segurança Nacional dos Estados Unidos) espiou líderes mundiais como o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu; o ex-primeiro-ministro da Itália, Silvio Berlusconi; e o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, enquanto este se encontrava com a chanceler alemã Angela Merkel.

De acordo com Wikileaks, uma conversa entre Netanyahu e Berlusconi também foi monitorizada, assim como um encontro entre responsáveis de comércio do alto escalão da União Europeia (UE) e do Japão, e numa reunião privada entre Berlusconi, Merkel e o ex-presidente francês Nicolas Sarkozy.

Nos documentos obtidos pela Wikileaks, Merkel e Ban conversam sobre como lutar contra as alterações climáticas, Netanyahu pede a Berlusconi ajuda para lidar com o governo dos EUA liderado pelo presidente Barack Obama, e Sarkozy alerta o ex-primeiro-ministro da Itália sobre os perigos do sistema bancário do seu país.

"Será interessante ver a reação da ONU, já que se o secretário-geral pode ser um alvo [da espionagem dos EUA] sem nenhuma consequência, então qualquer um, desde um líder mundial a um varredor de rua, estará em risco", disse Assange.

Roma informou nesta terça-feira, 23 de fevreiro, que convocou o embaixador dos Estados Unidos, John Phillips, para dar explicações sobre a suposta espionagem. A reunião servirá para "esclarecer as indiscrições publicadas por alguns meios de comunicação segundo as quais o ex-primeiro-ministro da Itália Silvio Berlusconi e alguns dos seus mais estreitos colaboradores teriam sofrido escutas telefónicas em 2011", precisou o governo italiano em comunicado.

O Wikileaks passou a estampar as manchetes dos jornais entre julho e outubro de 2010 após publicar documentos secretos da guerra do Afeganistão (2001) e da segunda Guerra do Iraque (2003), a partir de informações fornecidas pela soldado americana Chelsea Manning.

Artigo publicado em “Opera Mundi”

Termos relacionados Internacional
(...)