You are here

"Vogar contra a indiferença, pelos nossos rios"

"Carta Contra a Indiferença" identifica como a poluição e o desrespeito pelos caudais ecológicos mínimos no Tejo, que passa por 5 distritos, afectam as populações ribeirinhas.
Mais de 70 pessoas desceram em canoagem o rio Tejo desde Cedillo (Espanha) até Vila Velha de Rodão

Os deputados bloquistas Rita Calvário, responsável pela pasta do ambiente, e José Gusmão, eleito pelo distrito de Santarém, junto com vários activistas dos distritos de Santarém, Castelo Branco e Portalegre, marcaram presença este domingo na segunda edição da iniciativa "Vogar contra a indiferença, pelos nossos rios", promovida pelo Movimento pelo Tejo - Protejo, e várias associações cívicas e ecologistas portuguesas e espanholas.

 De manhã, mais de 70 pessoas desceram em canoagem o rio Tejo desde Cedillo (Espanha) até Vila Velha de Rodão, aguardados por dezenas de populares, e ao início da tarde teve lugar a apresentação da Carta Contra a Indiferença, onde se identificou como a poluição e desrespeito pelos caudais ecológicos mínimos no Tejo, que passa por 5 distritos, afectam as populações ribeirinhas.

O despejo de efluentes não tratados da indústria e explorações pecuárias, o deficiente tratamento dos esgotos domésticos, o excesso de químicos usados na agricultura são algumas fontes de poluição que agridem o Tejo e não têm merecido a devida atenção do governo português.

Mas também o desvio de água pela política de tranvases do Estado espanhol, agora com a ameaça do novo transvase Tejo-Segura, nem o incumprimento dos caudais mínimos, o que deteriora a qualidade da água, impede o seu uso e destrói a biodiversidade, têm merecido atenção e posições firmes por parte do governo nas negociações com o país vizinho.

Estas são algumas das preocupações que justificam a defesa do Tejo e têm contado com a solidariedade e intervenção do Bloco de Esquerda no Parlamento e concelhos na influência do Tejo.

{easycomments}

Termos relacionados Ambiente