You are here

Violência policial num desfile de Carnaval em Lisboa

A Unidade Especial de Polícia interveio num desfile de Carnaval do Cais do Sodré. Nos vídeos da intervenção, difundidos nas redes sociais e que aqui partilhamos, é visto o disparo de um tiro para o ar e duas mulheres são imobilizadas através do uso de força.

Foram dois vídeos que começaram a circular nas redes sociais que chamaram a atenção para o caso. Neles, podem-se ver elementos da Unidade Especial de Polícia a intervir numa festa de Carnaval no Cais do Sodré, em Lisboa. Há um tiro disparado para o ar e o uso de bastões contra duas mulheres.

Foi uma das envolvidas que divulgou o caso no Facebook e mais tarde em declarações à comunicação social. Taiane Barroso contou ao jornal luxemburguês Contacto que interveio na tentativa de parar uma agressão policial contra uma mulher que não conhecia: “estávamos no meio da festa, por volta das 22 horas e a polícia começou a abrir caminho junto da rua onde está o Boteco da Dri para passar um autocarro turístico” agiu porque os polícias “estavam agredindo uma mulher, na frente de um público grande e carnavalesco”. A mulher estava no chão: “eu não sei o que ela estava a fazer mas tinha a cabeça aberta e sangrava”, refere.

Ao Expresso acrescenta: “vi três polícias em cima de uma menina no chão e corri para a abraçar”. Depois de abraçar esta pessoa, é puxada pelo pescoço por um bastão e Taiane acaba por cair. Em seguida é disparado um tiro para o ar.

A este órgão de comunicação social, Taiane Barroso diz que vai apresentar queixa no Ministério Público por violência policial e o que ficou com o braço ferido e “ainda está doendo muito”.

O Comando Metropolitano de Lisboa da PSP confirmou a intervenção policial, alegando que o grupo a que a mulher que estava no chão pertencia estava a causar desacatos. Em nota enviada à imprensa, a polícia indica que “à chegada ao local, os polícias depararam-se com um grupo numeroso de pessoas que ocupava a totalidade da rua e impedia a circulação de viaturas, abanando e trepando para cima daquelas que, ainda assim, tentavam passar”, que este grupo foi “advertido de que deveria desobstruir a via”.

De acordo com a versão da PSP “foi necessário repor a ordem para desobstruir a via, recorrendo ao uso da força para fazer dispersar as pessoas”. As forças policiais acusam a mulher detida de ter agredido um polícia e confirmam que ficou ferida, tendo sido conduzida ao hospital.

Quanto ao disparo, refere a mesma fonte que se tratou de “um disparo de advertência para o ar, em segurança” com o objetivo de “cessar os comportamentos hostis e efetuar a detenção”.

Termos relacionados Sociedade
(...)