You are here

Trabalhadores voltam a manifestar-se contra a alienação da CGD/França

Os trabalhadores em greve desde 17 de abril concentraram-se este sábado em frente à embaixada portuguesa em Paris.
Trabalharoes da CGD/França manfestaram-se este sábado em frente à embaixada portuguesa em Paris.

Na terceira manifestação em duas semanas, dezenas de trabalhadores da CGD/França voltaram a contestar o plano de venda daquela unidade como contrapartida para luz verde de Bruxelas ao plano de recapitalização da Caixa.

"Não, não, não à alienação", "A Caixa unida jamais será vendida" e "os trabalhadores unidos jamais serão vencidos" foram alguns dos "slogans" ouvidos no protesto a que a agência Lusa assistiu. Em greve há mais de 50 dias, mesmo sem receber salário e sendo “vítimas de intimidação”, os trabalhadores preparam mais ações de protesto para esta semana.

Na quinta-feira, irão receber o deputado bloquista Moisés Ferreira, que integrou as comissões parlamentares de inquérito à Caixa Geral de Depósitos. E para sexta-feira, está marcada nova manifestação em frente à embaixada de Portugal.

"Estamos a lutar contra a privatização acordada entre o governo português e Bruxelas em contrapartida da recapitalização. Estamos aqui para protestar contra a falta de transparência que envolveu todo o processo. Continuamos sem ter acesso ao plano de reestruturação em violação completa da lei portuguesa e da lei francesa", disse à Lusa Cristina Semblano, porta-voz da intersindical FO-CFTC e membro da comissão de negociação dos trabalhadores em greve,.

Após a manifestação, a Comissão de trabalhadores recebeu a informação de que foi notificada para comparecer em tribunal para responder a uma queixa por delito de abuso do direito de greve, extensível aos membros da intersindical e da comissão de negociação.

A mobilização passa também pela recolha de assinaturas para uma petição a entregar na Assembleia da República "contra a privatização da sucursal em França da Caixa Geral de Depósitos" e por uma “investigação das condições em que o Estado português aceitou sacrificar a sucursal num país com uma emigração portuguesa tão importante e manteve outras sucursais como o caso de sucursais offshore”.

Os trabalhadores da Caixa em França pretendem igualmente ser recebidos em audiência pelo Presidente da República para explicar a Marcelo Rebelo de Sousa "a verdadeira situação da Caixa Geral de Depósitos em França e as soluções que urge adotar”.

Termos relacionados Sociedade
(...)