You are here

Trabalhadores da Soares da Costa bloqueiam portões dos estaleiros de Gaia

Os trabalhadores encerraram os portões do estaleiros da empresa na Rechousa, “para impedir a saída e a entrada de qualquer material” e aí permanecem concentrados, em protesto pelo despedimento de 500 funcionários e reclamando o pagamento dos salários e subsídio de Natal em falta.
Trabalhadores da Soares de Costa concentrados nos estaleiros de Gaia para exigir salários em atraso. Foto de Estela Silva/Lusa.

O protesto deve-se ao despedimento coletivo de cerca de 500 funcionários anunciado a 16 de dezembro, pela construtora Soares da Costa e ao atraso no pagamento dos salários dos meses de novembro, dezembro e também do subsídio de Natal.

Em comunicado, citado pele Lusa, o Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias Transformadoras, Energia e Atividades do Ambiente do Norte (SITE-Norte) adianta ainda que os trabalhadores encerraram os portões da empresa “para impedir a saída e a entrada de qualquer material, nomeadamente uma grua para a obra do hotel Monumental”.

A 22 de dezembro passado, após uma reunião com a administração da Soares da Costa, o coordenador da Comissão de Trabalhadores, José Martins, disse à Lusa que os trabalhadores esperavam receber ainda naquela semana o salário de novembro e parte do subsídio de Natal.
Os trabalhadores já tinham iniciado, cinco dias antes, uma paralisação para reivindicar o pagamento dos salários em atraso e apelar à reversão do anunciado processo de despedimento coletivo, cuja conclusão está prevista para o final do primeiro trimestre de 2016 e já teve início com o pedido de parecer e a apresentação do desenho final.

A 16 de dezembro, num documento citado pela Lusa, e assinado pelo presidente executivo da Soares da Costa, Joaquim Fitas, são referidas as "repercussões nefastas" para a empresa da crise e da “estagnação do mercado de construção” em Portugal e em Angola, seu principal mercado, considerando-se que perante esta conjuntura é “inevitável o redimensionamento e reestruturação da empresa”.

Joaquim Fitas veio justificar depois o despedimento coletivo como sendo “necessário para que a empresa pudesse preservar mais de 80% dos postos de trabalho”.

A construtora acumula prejuízos anuais superiores a 60 milhões de euros e viu o volume de negócios cair cerca de 30%, tendo atualmente cerca de 300 trabalhadores em casa em situação de inatividade.

A Soares da Costa é controlada em 66,7% pela GAM Holdings, detida pelo empresário angolano António Mosquito, que entrou no capital da construtora no final de 2013, sendo os restantes 33,3% da SDC – Investimentos (ex-Grupo Soares da Costa).

Artigos relacionados: 

Termos relacionados Sociedade
(...)