Trabalhadores alemães da Amazon fazem greve no “Prime Day”

12 de July 2022 - 10:11

Num dos dias de maior venda da multinacional, os trabalhadores paralisam exigindo um acordo coletivo de trabalho que valorize salários e melhore condições de trabalho. Acusam a empresa de pagar valores “baixos ou inexistentes” nos subsídios de Natal, de feriado e de trabalho extraordinário.

PARTILHAR
Trabalhadores de um armazém em Bad Hersfeld em greve no Prime Day de 2019. Foto do Ver.di.
Trabalhadores de um armazém em Bad Hersfeld em greve no Prime Day de 2019. Foto do Ver.di.

O sindicato alemão Ver.di convocou uma greve em sete armazéns de distribuição da Amazon. A paralisação começou no turno da noite de domingo e prolonga-se até ao final do “Prime Day”, uma jornada especial de promoções em que o volume de negócios, e a carga dos trabalhadores, aumenta muito.

Os trabalhadores tentam que a empresa aceite o acordo coletivo de trabalho do setor da venda a retalho e por correspondência. A Amazon é ainda acusada de, apesar de ter aceitado aumentos salariais nos últimos anos, poupar nos subsídios de Natal, de feriado e de trabalho extraordinário, que são considerados pelos sindicato “baixos ou inexistentes”. Os salários destes trabalhadores ficam assim “várias centenas de euros abaixo dos seus colegas em empresas com negociações coletivas comparáveis ​”. Exige-se ainda um acordo sobre “trabalho bom e saudável” e seguro.

Stefanie Nutzberger, da direção do Ver.di, saúda a “coragem” com que os trabalhadores têm lutado durante anos pelos seus direitos apesar das pressões do empregador.

Para além da greve em Graben, Leipzig, Koblenz, Rheinberg, Werne e dois armazéns de Bad Hersfeld, haverá ainda ações de esclarecimento noutros locais.