You are here

Sexta à tarde há protesto em defesa da ciclovia em Lisboa

Apesar de Moedas prometer esperar pela consulta pública, a Câmara de Lisboa iniciou obras com vista à remoção da ciclovia da Almirante Reis. Massa Crítica convoca protesto de bicicleta que arranca do Marquês de Pombal esta sexta às 18h.
Enquanto a vereação reunia, a Câmara retirou o piso a uma parte da ciclovia da Almirante Reis. Imagem TVI.

Em defesa da ciclovia da Almirante Reis, o coletivo Massa Crítica organiza um protesto esta sexta-feira que pretende reunir centenas de utilizadores de bicicletas às 18h no Marquês de Pombal, num percurso que vai atravessar a ciclovia da Avenida Almirante Reis nos dois sentidos.

"A remoção da ciclovia da Avenida Almirante Reis está iminente como se vê pelas marcas no chão feitas a semana passada, e como se vê pelo inicio da remoção da tinta da ciclovia na Alameda esta quarta-feira passada!", alerta o movimento.

Na reunião de Câmara desta quarta-feira, o vereador Ricardo Moreira, em substituição de Beatriz Gomes Dias, denunciou que “a ciclovia da Almirante Reis foi retirada hoje, agora, esta noite, há um troço que foi retirado, a sinalética foi retirada, foi arrancada do chão, uma zona grande na Alameda esta noite mesmo” enquanto os vereadores reuniam.

“Não há nenhuma consulta pública sobre um facto consumado. Se as obras já avançaram, se há uma parte da ciclovia que já foi arrancada”, avisou o vereador do Bloco, citado pela Lusa, considerando que “não é assim que se fazem consensos” e pedindo que “as obras não avancem até ter essa discussão feita”. A Câmara tinha agendado para a reunião da próxima segunda-feira a proposta do Bloco, do Livre e da vereadora independente do Cidadãos por Lisboa para o início da discussão pública de um projeto fundamentado para alterar a ciclovia da Almirante Reis “antes de qualquer alteração na configuração do perfil da avenida”.

Beatriz Gomes Dias: "Queremos uma consulta pública com as regras da consulta pública"

Após afirmar desconhecer o avanço das obras e pedir informações aos assessores, Carlos Moedas afirmou que os funcionários da Câmara “estão a fazer ensaios, não estão a retirar nenhuma ciclovia neste momento”. A Massa Crítica afirma que "Moedas mente quando diz que esta ciclovia prejudica a passagem de ambulâncias, e mente quando diz que "ouviu as pessoas", após promover a simulação de um processo de auscultação para o qual já tinha resultados predefinidos", como denunciou uma carta aberta por parte de cidadãos que participaram nas reuniões promovidas pelo autarca.

Para a vereadora bloquista Beatriz Gomes Dias, é inadmissível mexer na ciclovia antes de um verdadeiro processo de consulta pública estar concluído. "Nós queremos uma consulta pública com as regras da consulta pública, com os relatórios e com as decisões", afirmou a vereadora à TVI, discordando do processo seguido por Carlos Moedas em que "não há relatório e as pessoas que participaram já vieram dizer que as conclusões não coincidem com o que foi discutido na reunião".

Termos relacionados Sociedade
(...)