You are here

Sérgio Aires: “Voto no Bloco é o melhor antídoto contra a maioria absoluta de Rui Moreira”

O candidato à Câmara do Porto afirmou que votar no Bloco no domingo é lutar por um Porto que “reverta a perda de população e resgate os seus moradores e a vida na cidade”, mais “igualitário, fraterno e diverso”, um concelho ciclável, que responde à emergência climática com o reforço dos transportes públicos.
Sérgio Aires
Sérgio Aires, candidato do Bloco à Câmara do Porto, no comício de encerramento de campanha.

No comício de encerramento de campanha na Alfândega, no qual participaram também Catarina Martins, Susana Constante Pereira, Mário Moutinho, Maria Manuel Rola e Rui Nóvoa, Sérgio Aires afirmou que “eleger um vereador do Bloco no domingo é uma garantia para uma cidade que altere o modelo de mobilidade, com menos carros em circulação, com mais segurança e espaço para quem caminha. Um Porto ciclável, que responde à emergência climática com o reforço dos transportes públicos”.

Uma vereação bloquista no Porto representará também “a força para bater o pé aos especuladores que colocam o negócio à frente do direito à habitação. Por um Porto que reverta a perda de população e resgate os seus moradores e a vida na cidade”.

Bem como constitui “um compromisso no combate à pobreza e às desigualdades numa cidade em que tantos, pela sua idade ou condição, não conseguem sair das suas casas, da sua rua, presos a uma vida de agruras. Por um Porto mais igualitário, fraterno e diverso”.

Sérgio Aires recordou que Rui Moreira “é o produto da zanga da direita na cidade”, sublinhando que “essa zanga tem capturado o Porto em oito anos de inação, despreparo e prepotência”. 

“Já o vemos preparados para a disputa interna. O CDS veio ao beija-mão, lembrar a dívida de Moreira pelo apoio, a IL inunda as listas e reclama o seu quinhão, e até o PS fornece o diretor de campanha. Quando e se em 2022, por força da justiça, Rui Moreira perder o seu mandato, lá estarão todos, prontos a lançar o Porto na confusão da luta pela sucessão”, frisou o candidato.

Sérgio Aires destacou o “quão importante será um vereador do Bloco para nesse momento bater o pé e lembrar que os mandatos são devidos ao Povo e é ao povo do Porto que respondemos”. 

Nos últimos oito anos, “os sucessivos orçamentos de Rui Moreira mereceram a anuência do PS, do PAN e da CDU”, apontou o cabeça de lista à Câmara do Porto. “Vimos alinhamentos estranhos, da direita à esquerda, na proteção das negociatas do Alojamento Local. Silêncio e inação também quando Rui Moreira aumentou as rendas nos bairros sociais”, continuou.

Sérgio Aires enfatizou que “o voto no Bloco de Esquerda é o melhor antídoto contra a maioria absoluta de Rui Moreira e a garantia de uma voz que, no executivo, traduza as lutas e reivindicações da cidade”.  

“Desengane-se quem acha que o Porto está condenado a escolher entre a direita monárquica e um PS acabrunhado. A esquerda no Porto tem uma história, uma proposta, uma alternativa. Vamos agora garantir uma representação na Câmara Municipal do Porto”, vincou.

“O Porto está a saque dos interesses dos donos disto tudo”

Susana Constante Pereira, candidata à Assembleia Municipal do Porto, afirmou que “é com verdade e coerência” que o Bloco está na Assembleia Municipal, onde assumiu “convictamente o papel de oposição que tanta falta faz no executivo e tão necessária é para combater a política do negócio em que o Porto está a saque dos interesses dos donos disto tudo”.

A candidata lembrou que, só a partir da Assembleia Municipal, não estando no executivo como outras forças políticas, os bloquistas propuseram, nomeadamente, “a revogação dos aumentos das rendas dos bairros, assim como a alteração da Lei Cristas que esteve na origem da sangria dos despejos na cidade”. “Pois o PS votou contra. Ninguém diria, quando se ouve hoje o seu candidato, mas votou contra”, assinalou.

A revisão do regulamento do parque habitacional, que sujeita as pessoas a despejos arbitrários, foi outra das propostas do Bloco, à qual o PS também se opôs.

No que respeita à gratuitidade dos passes na Rede pública de transportes do Porto para alunos em idade escolar, “já sabemos que Rui Moreira faz desta uma medida sua, relativamente à qual coloca mupis na cidade com o dinheiro do município. Pois votou contra a proposta na Assembleia. E o PS e o PAN? Abstiveram-se”, destacou Susana Constante Pereira.

“O Porto precisa de um vereador do Bloco, que leve ao executivo o programa socialista que tem faltado, que faça a diferença e configure uma alternativa na cidade! Esse vereador é o Sérgio Aires. Pelo Porto, que para lá de invicta é cidade de gente convicta, não pode haver lugar a indecisões, bem margem para dúvidas. No domingo, votamos no Sérgio Aires. No domingo vota Bloco de Esquerda”, rematou a candidata.

Rui Moreira manteve “o grilhão do desprezo por quem constrói a cidade todos os dias”

“Quem percorre a cidade sabe que o Porto esconde muito mais do que o que mostra. As fachadas reabilitadas da baixa, as fachadas reabilitadas dos bairros, a propaganda cultural e turística escondem o que 20 anos de governos de direita fizeram à cidade. As opções de destruição e abandono, as opções de uma cidade entregue à especulação”, afirmou Maria Manuel Rola.

A deputada, e segunda candidata à Câmara do Porto, lembrou que “Rui Moreira é apoiado pelo mesmo partido que impôs a Lei das Rendas e que tanta gente abandonou. Manteve essa marca. O grilhão do desprezo por quem constrói a cidade todos os dias. É muito tempo. É muita direita”.

“À direita que humilha, só uma esquerda combativa serve. Uma esquerda que responda à cidade escondida, à crise na habitação e à crise nos cuidados da gente que é a gente do Porto”, defendeu a dirigente do Bloco.

“Nunca desistimos das nossas causas”

Rui Nóvoa, segundo candidato à Assembleia Municipal do Porto, referiu que o Bloco está há 20 anos “neste combate para alcançar uma cidade do Porto onde as pessoas ocupem o primeiro lugar nas políticas municipais, uma cidade que garanta habitação, uma cidade mais inclusiva, uma cidade mais justa”.

O candidato lembrou as várias batalhas já travadas pelo Bloco, e deixou um compromisso: “nunca desistimos das nossas causas”. Bem como uma certeza “para quem dê o seu voto às candidaturas do Bloco de Esquerda”: “a defesa firme dos reivindicações e anseios populares”.

“Estaremos sempre presentes nos combates por uma cidade com mais gente, uma cidade solidária, uma cidade justa”, rematou.

"Estaremos todos nesse trabalho a partir de segunda-feira"

O mandatário da candidatura autárquica do Bloco no Porto, Mário Moutinho, deixou claro que "o trabalho levado a cabo" durante a campanha "não termina daqui a umas horas, nem no próximo domingo. Continua na segunda-feira com o vereador do Bloco de Esquerda, com os deputados municipais e os eleitos nas diversas freguesias, porque há tanto a fazer".

"Será um trabalho que continuará com a energia, a imaginação, a generosidade e o entusiasmo de uma nova geração de autarcas que será eleita para as diversas freguesias da cidade e que se juntará aos autarcas mais experientes na luta pelas ideias, pelos valores, pelas propostas do Bloco de Esquerda na defesa das populações que habitam nos territórios da nossa cidade", avançou.

Mário Moutinho afirmou-se presente nas lutas que se avizinham: "Estaremos todos nesse trabalho a partir de segunda-feira. Por uma cidade justa e diversa. Por uma cidade inclusiva e igualitária".

Termos relacionados Autárquicas 2021, Política
(...)