You are here

Semedo foi a surpresa que emocionou a campanha

O ex-coordenador do Bloco subiu ao palco do comício de quinta-feira para uma intervenção não prevista no programa. Com o auxílio da "geringonça" que lhe permite falar apesar da ausência de cordas vocais, Semedo emocionou a candidata presidencial e as centenas de apoiantes presentes em Coimbra.
Marisa Matias e João Semedo no comício de Coimbra. Foto Paulo Novais/Lusa

Afastado do primeiro plano da intervenção política por causa de um cancro nas cordas vocais, João Semedo foi a surpresa do comício de Marisa Matias em Coimbra. “Espero que me ouçam. Só a Marisa é que punha aqui a falar um tipo sem cordas vocais…”, arrancou o ex-coordenador bloquista para uma intervenção que trouxe lágrimas aos presentes, silêncio na sala e foi concluída com um forte aplauso de pé.

Com a ajuda do aparelho que tem na garganta para lhe permitir falar, João Semedo não perdeu o bom humor que o caracteriza; “Esta geringonça vai funcionando. Mas a outra vai funcionar melhor”, disparou, aludindo ao novo governo que Paulo Portas etiquetou como “a geringonça” no seu último soundbyte enquanto líder do CDS.

Na sua intervenção, Semedo avisou que “se Marcelo chegar a Belém é a conspiração política que se instala em Belém”. Advertiu que se Marcelo ganhar irá “presidencializar o sistema e o regime para que Belém passe a ser aquilo que não é” ao “reconstruir um novo bloco social e político capaz de salvar a elite que tem dominado este país”. Lembrou ainda que Marcelo faz parte dessa “elite que sente que tem os dias contados” e que o candidato da direita será a “tábua de salvação” das “tias e tios à beira de um ataque de nervos”.

“O João deixou-me sem palavras, o que não costuma acontecer, pois sou acusada do contrário”, afirmou em seguida Marisa Matias na sua intervenção, classificando a presença do ex-coordenador do Bloco naquele comício como “um dos maiores atos de amor a que assisti na política.”

Marcelo faz parte dessa “elite que sente que tem os dias contados”

Termos relacionados Política
(...)