You are here

Santa Casa: Trabalhadores em greve pela valorização salarial e profissional

Os trabalhadores da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML) vão estar em greve durante 24 horas na próxima sexta-feira para exigir, entre outros aspectos, a valorização do trabalho e salários, progressão na carreira para todos e a estabilidade de emprego.

Em comunicado, o Sindicato dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais do Sul e Regiões Autónomas (STFPSSRA) refere que a atual Mesa da SCML se “recusa” a aumentar os salários dos trabalhadores em regime de contrato individual de trabalho alegando que “os mesmos estão congelados na função pública, sem atualização, desde 2009”.

No entanto, prossegue a nota sindical, “quando se trata da atribuição de Seguro de Saúde Privado, que em pouco ou nada beneficiou os trabalhadores, e progressões extraordinárias, a equiparação com a função pública deixa de ser importante”.

O comunicado do STFPSSRA refere ainda que, “de acordo com o Relatório de Contas de 2015, a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa encerrou o ano de 2015 com um resultado positivo líquido de 5,8 milhões de euros, o que representa um acréscimo de 17,6 por cento em relação ao ano anterior”.

Falta de pessoal e degradação dos serviços

Perante esta situação, os trabalhadores exigem “a atualização dos salários para todos os trabalhadores em regime de contrato individual, o descongelamento das progressões, o cumprimento da valorização profissional, bem como a eliminação das propostas apresentadas pela Mesa que visam dificultar ainda mais o direito à progressão”.

O comunicado aponta ainda a “gritante falta de pessoal” nos diversos estabelecimentos, em particular nos de saúde e ação social, resultando, deste facto, um “claro prejuízo para os serviços e a sua qualidade, assim como as condições de trabalho de quem neles exerce funções”.

“A falta de pessoal leva a que muitos trabalhadores façam um elevado número de horas e turnos consecutivos, muitas das vezes nem são pagos (de borla), prejudicando a sua vida, a sua saúde”, lê-se no comunicado que alerta também para “o aumento de acidentes de trabalho em 2015” e a perda de “motivação individual e do trabalho em equipa”.

O sindicato sublinha ainda que “neste momento existem perto de 100 trabalhadores, contratados pela SCML, nos equipamentos do ISS sob a gestão da Santa Casa”, que “correm o risco de serem despedidos, ao mesmo tempo que perdura a “inacreditável situação de cerca de 300 Ajudantes Familiares com falsos recibos verdes que são cada vez mais exploradas pelas decisões tomada pela administração”.

Artigos relacionados: 

AttachmentSize
PDF icon Comunicado do STFPSSRA419.67 KB
Termos relacionados Sociedade
(...)